O Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado do Rio de Janeiro, Sereníssimo Ir. Waldemar Zveiter prestigiou o evento com sua presença acompanhado da sua Administração e, em discurso inspirado, homenageou O Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito pelos seus 180 anos de História, afirmando que a Maçonaria conduz hoje a Palavra Divina da Fraternidade Universal para todos os povos.

Disse, O Sereníssimo Ir∴ Waldemar Zveiter: “Estamos comemorando 180 anos dessa entidade representativa da Maçonaria Brasileira e gostaria apenas lembrar, já que não trouxe presente material para o nosso queridíssimo Soberano Enyr de Jesus da Costa e Silva, em poucas palavras qual o real significado dessa Instituição.

No início das coisas e dos tempos para nós, o caldeu Abrão, atendendo ao chamado divino no alto de uma montanha, recebeu a incumbência de levar aos povos politeístas de então a mensagem de que existia um único e só Deus criador do céu e da terra e, por conseguinte, sendo único pai, todos deveriam amar-se como verdadeiros irmãos.

O caldeu Abrão atravessou o rio com sua mulher chamada Sarai levando a mensagem que o Deus único criador do céu e da terra e de tudo que existe nela e entre ela, e além deles, era o pai de todos os seres humanos. Mensagem traduzida em uma única palavra que seria de confraternidade pacífica entre os seres humanos.

A mensagem foi dada, mas o que fizeram os seres humanos? Ignoraram a mensagem, continuaram a se digladiar por interesses pessoais e interesses de determinados povos. Ousaram contrariar a regra divina de que quem não criou a vida não pode tirá-la de ninguém. Não bastasse isso, não acataram a vontade divina infinita e misericordiosa encarnada na pessoa do arauto Moisés ao entregar-lhe os 10 princípios fundamentais. Se a humanidade os tivesse seguido, não precisariam outras normas nem códigos de lei, nem interpretações de tribunais: bastava cumprir cada regra do mandamento divino e a humanidade estaria no bom caminho, todos trabalhando em favor de todos.

Que faz então a Bondade Superior da Divindade Única? Envia-nos Yeshua, que os gregos chamaram de Jesus o Cristo, que explica: “Não vim descumprir a lei. Vim para cumpri-la, vim para dizer que, existindo um Deus único e criador de todas as pessoas, todos deveriam amar-se como verdadeiros Irmãos. Mas digo-lhes que, se vocês não se amarem, fora do amor não existe salvação.”

Estamos vivendo hoje 2012 anos do sacrifício de Jesus e os homens continuam a se digladiar, a não se entender, com guerras setoriais. Estivemos à beira de um grande abismo que seria o uso dos artefatos atômicos para solução beligerante dos conflitos. Outros abismos ainda existem. Mas será que ninguém na humanidade ouviu os apelos de Deus? Será que os seres humanos não conseguem se entender? E eu lhes digo com muito orgulho, com muita satisfação que, além dos presentes materiais que o nosso Soberano Enyr de Jesus recebeu, esse é o que eu gostaria de lhe dar: o amor, a compreensão, a palavra da fraternidade porque este templo é representativo de toda a Humanidade.

Aqui existem e convivem todas as etnias. Aqui existem e convivem todas as crenças e todas as religiões. A religião única extraída dos 10 mandamentos, pregada por esse conclave de verdadeiros arautos da humanidade, é exercitada e patente no mundo há mais de três ou dois séculos, considerando que a Maçonaria Operativa passou a existir de 1.700 para cá. Mas se quisermos ir mais longe, como vários autores o fazem, ela vai ao princípio do tempo.

Nós, os Maçons, convivemos e nos amamos como verdadeiros Irmãos, e não importa que estejamos dizendo isso em um templo do Supremo Conselho.

O que importa é que nós ouvimos a mensagem divina e a exercitamos diuturnamente. Vamos ao Japão, vamos à China, Portugal, Inglaterra, em qualquer lugar do mundo, em qualquer país do mundo há uma Loja Maçônica onde os Irmãos confraternizam e falam a mesma língua, transmitem a mensagem de paz, de amor, de fraternidade pela humanidade.

Nós somos os verdadeiros detentores da Palavra Divina porque, além de tentar persuadir os que não tiveram o privilégio, como nós, de ingressar em uma instituição sacrossanta como esta, sabemos que somos não a última esperança, mas a esperança permanente de que poderemos formar um dia uma mesma e única humanidade, aquela que abriga todos os seres humanos, não aquela que atenda os interesses dessa ou daquela comunidade, não aquela que trabalha egoisticamente para construir bombas e artefatos atômicos com os quais procuram intimidar na pregação de uma fraternidade falsa e inexistente porque imposta pelo poder das armas.

Essa Instituição e não outra, essa nossa Maçonaria e não outra instituição no mundo, é a única que fala a mesma língua, é a única que recebeu os comandos divinos e continua a praticar e a pregá-los diuturnamente.

Meus Irmãos, minhas queridas cunhadas, sobrinhos e sobrinhas, lembrem-se que estamos em um templo da Maçonaria que representa a abóboda celeste no seu teto, que representa o chão da terra no seu piso. Quando estamos reunidos aqui, 30 ou 40 Irmãos em uma Loja Simbólica ou em uma Loja dos Graus Filosóficos, devemos sempre nos lembrar que em todos os lugares do planeta, sem exceção, o mundo é a Loja Maçônica onde os Irmãos estão reunidos, falando a mesma linguagem, praticando o mesmo ritual, levando a mesma mensagem para aqueles que não tiveram o privilégio de serem iniciados em nossa Sacrossanta Instituição.

Se um Maçom se perder em um dos continentes, como a Austrália ou outro continente qualquer, basta que ele fique parado na esquina de uma rua movimentada porque chegará sem dúvida próximo a ele uma, duas, três criaturas viventes naquele local para perguntar: “O meu Irmão está precisando de alguma coisa? Meu Irmão está perdido?”

Essa é a verdadeira Fraternidade Universal.
A Maçonaria conduz hoje a Palavra Divina para todos os povos. Nós, os Maçons, nos amamos como verdadeiros Irmãos, não apenas os Maçons brasileiros, não apenas os Maçons franceses ou ingleses, japoneses: todos os seres humanos são iguais, independente de raças e de poder, mas os Maçons vivem e praticam essa igualdade.

A Loja Simbólica é o início de todos os trabalhos. Há sempre uma parte do ritual em que se pergunta a alguém: “Maçonaria é individual?” E a resposta é sempre a mesma: “Não, a Maçonaria é universal”. Ela se espalha por todos os recantos da Terra e aí, então, está o comando divino que Abraão recebeu para certificar a existência do Deus único para os povos politeístas. O politeísmo existe ainda, as religiões existem ainda, as diversas crenças existem ainda, mas sobre todas elas paira essa Sacrossanta Instituição, a Maçonaria Universal, e por ser verdadeiramente universal está plantando os alicerces da também verdadeira, única e mesma Humanidade, com amor, com trabalho, para que todos se alimentem física e espiritualmente, todos vivam, todos convivam, todos tenham as suas vontades atendidas de acordo com as suas necessidades.

Nós, os Maçons, somos responsáveis porque tivemos o privilégio de ouvir a Palavra Divina e, através dos nossos exemplos na vida profana, mostrar que nem tudo está perdido, que ainda há salvação para aqueles que quiserem se integrar a uma mesma e única Humanidade que será chamada então a Humanidade do planeta Terra, os seres humanos do planeta Terra, que convivem em vários territórios e que, apesar das suas distâncias, são Irmãos e como Irmãos se ajudam, como Irmãos se aperfeiçoam e como Irmãos lutam contra a miséria, a fome e a doença.

Vamos todos, meus Irmãos, vamos continuar os nossos trabalhos, vamos à luta, vamos nos glorificar, e fazer jus a sermos chamados de seres humanos.Querido Irmão Enyr de Jesus da Costa e Silva, receba o nosso abraço fraternal e que sejamos felizes todos. Receba, Irmão Enyr, essas palavras de fraternidade como um presente pelos 180 anos do Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.