Gestão de 2007 a 2013: – Marcos José da Silva – Claudio Roque Buono Ferreira

A Revista Universo Maçônico tem a grata satisfação de receber a visita do nosso Soberano Irmão Marcos José da Silva, Grão-Mestre Geral do Grande Oriente do Brasil, que em breves palavras nos informará sobre as principais realizações executadas em sua gestão.

Revista Universo Maçônico – Soberano, antes de mais nada, agradecemos a atenção em dispor parte do seu tempo para nos visitar e conceder esta entrevista.
Marcos José da Silva – É uma alegria muito grande poder estar aqui com você, agradecendo o espaço e o carinho que sempre demonstrou para com o GOB na pessoa deste Irmão.

Revista Universo Maçônico – No início de sua Administração o GOB contatou empresas aéreas para firmar convênios. Quais benefícios foram alcançados?
Marcos José da Silva – O Grande Oriente do Brasil possui convênios com companhias aéreas com vistas a proporcionar tarifas especiais para Irmãos, cunhadas e sobrinhos participantes de eventos oficiais de âmbito nacional, tais como reuniões da Soberana Assembléia Federal Legislativa, Suprema Congregação, Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul, Ação Paramaçônica Juvenil e outros encontros que sejam realizados.

Revista Universo Maçônico – Ainda na área de convênios, foram firmados acordos também com instituições de ensino. Poderia nos detalhar os benefícios que tal ação gerou aos Irmãos de todo o GOB?
Marcos José da Silva – O Grande Oriente do Brasil celebrou convênios com instituições de ensino, em várias cidades no País, propiciando a redução do valor das anuidades e alcançando a importância anual de cerca de R$ 6.500.000,00 (seis milhões e quinhentos mil reais) ao ano.

Revista Universo Maçônico – O GOB atua e tem participação em alguma área política-idealitária para fazer representar os interesses do povo, seguindo a postura que rege nossa Instituição?
Marcos José da Silva – O Grande Oriente do Brasil tem um representante no Conselho Nacional de Segurança Pública, na pessoa do Ir:. Almir Laureano, que também atua no movimento de desarmamento, deles participando diversas entidades governamentais e instituições nacionais relacionadas com essas atividades.

Revista Universo Maçônico – Mais alguma participação relevante que queira nos informar?
Marcos José da Silva – Mensalmente, realizamos o já tradicional Café da Manhã com a presença de Irmãos Parlamentares, de Irmãos que são autoridades civis e militares, além de membros da equipe do Grão-Mestrado Geral e de Veneráveis de Lojas. Na ocasião, são abordados e debatidos temas que venham ao encontro dos princípios e interesses do Grande Oriente do Brasil.

Revista Universo Maçônico – Nessa linha de atuação, o GOB se fez presente em algum movimento de nível Nacional?
Marcos José da Silva – Segundo o autor do projeto da Lei Ficha Limpa, o magistrado Marlon Reis, a participação do Grande Oriente do Brasil na aprovação da referida Lei foi de suma importância, vez que maciça adesão de gobianos e seus familiares e amigos foi bastante representativa, contribuindo, dessa forma, para o êxito obtido. Como é do conhecimento de todos, a Lei trouxe para o Brasil uma postura de seriedade na punição de parlamentares, que até então, pouco sofriam pelo mal que causavam.

Revista Universo Maçônico – Na questão administrativa sabemos que o GOB interage mais rápida e economicamente com os Grandes Orientes Estaduais através de sistemas de comunicação VOIP. Qual é a vantagem desse tipo de ação?
Marcos José da Silva – O Grande Oriente do Brasil busca estreitar, constantemente, seu relacionamento com os Grandes Orientes Estaduais e com as Lojas, mediante o oferecimento de ferramentas eficazes para a transmissão e recepção de dados por meio eletrônico, agilizando a imprescindível interação que objetiva tornar cada vez mais eficiente, eficaz e efetiva a execução dos seus serviços e os dos Grandes Orientes Estaduais e Lojas.

Revista Universo Maçônico – Dentro dessa linha iniciou-se o programa Papel Zero. Como está sua implantação e utilização?
Marcos José da Silva – O programa Papel Zero avança a cada dia, ampliando o leque de opções de aplicações, trazendo benefícios na redução do volume de papéis, grande ganho na diminuição do número de registros e de erros e trazendo como pontos positivos a maior velocidade na atualização de dados e celeridade na apreciação e solução de processos.


Revista Universo Maçônico – No início de sua gestão foram encontrados documentos valiosos no Lavradio. O que foi feito com eles?
Marcos José da Silva – Restauração do acervo bibliográfico do Palácio do Lavradio e de milhares de documentos que se encontravam em péssimas condições, como diversas obras e peças acondicionadas indevidamente em sacos de plástico preto de 100 litros, danificando-as, sobremaneira, ao ponto de algumas estarem totalmente perdidas. Os documentos encontrados e restaurados dizem respeito a Atas e Livros de Presença de Lojas e registros de
diversas naturezas.

Revista Universo Maçônico – E quanto ao Acervo de Artes que lá se encontrava?
Marcos José da Silva – A restauração de gravuras, retratos e quadros foi feita por profissionais habilitados e capacitados, contratados pelo Grande Oriente do Brasil, que detectaram que as obras originais haviam sido, irresponsavelmente, adulteradas por pessoas inabilitadas, contratadas pelo então Grande Oriente do Rio de Janeiro, que utilizaram materiais inadequados para a realização dos serviços.

Revista Universo Maçônico – Ainda dentro dessa linha, e a restauração do Palácio do Lavradio? Como está o processo de reestruturação do prédio?
Marcos José da Silva – Apesar do esforço realizado, não foi possível a necessária restauração do prédio, recebido em devolução do Grande Oriente do Rio de Janeiro em péssimas condições de conservação, notadamente no tocante ao telhado e madeiramento das vigas que suportavam os assoalhos, sendo que quase a totalidade estava completamente comprometida pela atuação de cupins, ressaltando-se que, ao invés das vigas segurarem as tábuas dos assoalhos, eram as tábuas que seguravam as vigas, pondo em risco a segurança de todos, motivo pelo qual algumas dependências foram interditadas

As diversas denúncias feitas ao órgão estadual fiscalizador obrigaram a contratação de arquiteto especializado, cujo projeto específico foi elaborado por vários meses, sendo em seguida apreciado pelo órgão fiscalizador que levou bastante tempo para aprovação, o mesmo acontecendo, posteriormente, na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.
Dado ao elevado custo da obra foram buscados patrocinadores, mas, em virtude de denúncias feitas ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, as tratativas retroagiram, dificultando a obtenção dos recursos necessários para a restauração do prédio, impossibilitando a execução do cronograma inicialmente planejado. Finalmente conseguimos novos patrocinadores e ainda em fevereiro iniciaremos a tão sonhada, desejada e imprescindível restauração.

Apenas a título de esclarecimento, cabe ressaltar que nenhuma providência pode ser tomada sem a autorização do órgão fiscalizador (INEPAC), que exige empresa especializada para qualquer reparo, como, por exemplo, a pintura com tinta apropriada, o reboco do teto e da parede com massa própria na cor original das tintas. O órgão fiscalizador disse não ter autorizado, tendo criticado e condenado a pintura realizada no Gabinete e Sala de Reuniões do primeiro andar, das paredes em geral, assim como a das portas e portais na cor dourada,serviços contratados pelo Grande Oriente do Rio de Janeiro e realizados por pessoas não habilitadas.

Revista Universo Maçônico – Na área de Ações Paramaçônicas, quais são as atividades e trabalhos feitos pelas Fraternidades Femininas e APJ apoiados pelo GOB?
Marcos José da Silva – Incentivo incondicional à Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul a nível Nacional e Estadual, mediante a realização de encontros anuais e constante comunicação, cabendo registrar os excepcionais e profícuos serviços que realizam no âmbito da ação social.
Ação Paramaçônica Juvenil, conta o efetivo apoio para a concretização dos eventos efetuados em Brasília e em Estados, contribuindo de maneira positiva para a formação do caráter dos jovens, estimulando-os quanto ao sentimento de brasilidade e prevalência da atuação altruísta em relação ao próximo.

Revista Universo Maçônico – Na atualidade, qual é a posição do GOB frente às demais Potências Maçônicas Regulares Mundiais?
Marcos José da Silva – No âmbito internacional o Grande Oriente do Brasil desfruta de invejável posição de destaque no cenário maçônico mundial, sendo que o atual Grão-Mestre Geral foi eleito por unanimidade Presidente da Confederação Maçônica Interamericana (CMI), que, em seus sessenta e cinco anos de existência, pela primeira vez é dirigida por um brasileiro. A CMI é a única instituição maçônica organizada por potências maçônicas simbólicas da América do Sul, América Central e América do Norte, além da Espanha, Portugal e França, cuja presença é marcante na história dos países sul-americanos e na Guiana Francesa.

Revista Universo Maçônico – Quais mudanças importantes estão sendo feitas pelo GOB no âmbito Nacional?
Marcos José da Silva – No âmbito nacional, além da implantação de diversos projetos no campo da informática, foi instituída a nova carteira de identidade maçônica (CIM), que contém no anverso, além da fotografia do maçom, dados maçônicos e civis a ele referentes, como, por exemplo, CPF e registros atualizados, informando, inclusive, a situação de regularidade do maçom, que podem ser lidos com o auxílio de um celular que possua a tecnologia 3G. No verso consta texto em inglês que credencia seu portador para ser recebido no exterior.

Revista Universo Maçônico – O que poderia nos informar sobre a implantação do Museu e Biblioteca Virtuais?
Marcos José da Silva – Foi realizada a implantação da Biblioteca Virtual, contemplando um acervo considerável das obras mais diversas que atende a leitores de várias preferências. Assim, também foi implantado o Museu Virtual, que permite uma visita às suas instalações, pretendendo-se que, em breve, apresente todo o acervo nele contido, tanto nas dependências do Palácio Maçônico de Brasília, como também no Palácio Maçônico do Lavradio, no Rio de Janeiro.

Revista Universo Maçônico – No fim do ano passado divulgou-se a inauguração do Centro Cultural no GOB. O que poderia nos falar sobre ele?
Marcos José da Silva – Em 30 de novembro de 2012 foi inaugurado o prédio destinado ao Centro Cultural, com uma área de 4.800 m², totalmente refrigerada e com sistema preventivo contra incêndio, com sanitários masculino e feminino, assim como para pessoas com necessidades especiais, contemplando:
> subsolo – espaço I – área com 1.000 m², contemplando três templos, cada um com capacidade para 100 (cem) pessoas e saída de emergência;
> subsolo – espaço II – área com 600 m², destinada ao almoxarifado e arquivo morto;
>térreo – espaço – auditório em declive com 370 (trezentos e setenta) lugares, amplo palco, cabine para controle de som e vídeo, cabine para tradução simultânea, camarim, assentos especiais para obesos, locais para cadeirantes, poltronas com mesas de apoio laterais para destros e canhotos (sinistros), rota de fuga para saída de emergência, com luzes indicadoras no piso;
> térreo – espaço II – refeitório com capacidade para acomodar 360 (trezentos e sessenta) pessoas, cozinha industrial totalmente equipada;
> primeiro andar – espaço I- área multifuncional equipada com divisórias móveis, podendo ser dividida em cinco salas independentes, cada uma com capacidade para 200 (duzentos) assentos e se convertido em um único ambiente abriga 1000 ( mil );> primeiro andar – espaço II – área destinada ao Museu do Grande Oriente do Brasil.

Revista Universo Maçônico – E o custo? Como os recursos foram conseguidos para a execução
desse projeto?

Marcos José da Silva – Com uma gestão financeira responsável. Sabendo onde gastar os recursos obtidos pelo GOB. Há muitos anos a Capitação é a mesma e todo o investimento feito não gerou custo adicional às Lojas Federadas. O importante é saber gastar com responsabilidade. Gerindo o patrimônio com seriedade e transparência.

Revista Universo Maçônico – Para encerrar, pedimos que deixe uma mensagem a todos os Irmãos do GOB.
Marcos José da Silva – Agradeço a oportunidade em divulgar alguns dos principais feitos do GOB nesta minha gestão, desejando que todos os Maçons exerçam, em sua plenitude, a trilogia maçônica:
Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
A Liberdade sendo exercida com responsabilidade;
A Igualdade com grande respeito ao próximo
E a Fraternidade exercida somente com muito amor.

Muito obrigado, Soberano Irmão Marcos José da Silva, por nos conceder esta entrevista, mostrando-nos alguns caminhos percorridos pelo GOB em sua gestão. Desejamos que a Fraternidade, exercida com muito AMOR, leve cada Irmão a refletir sobre o futuro da Maçonaria GOBIANA nos próximos cinco anos, deixando sua direção nas mãos de Irmãos realmente comprometidos com o GOB, que se dedicam diuturnamente ao seu crescimento, não só pela divulgação de sua doutrina, mas principalmente pelo exemplo de sua conduta.

Fraternalmente,
Editores: José Aleixo Vieira e Gerson Magdaleno

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.