Comemoração de 87 anos da Grande loja maçônica do estado do rio grande do sul e posse do ser∴ Grão-Mestre Paulo Roberto Pithan Flores e seu adj∴ Norton Valladão Panizzi

Um grande evento reuniu mais de 700 convidados, a cerimônia de posse do Grão-Mestre Paulo Roberto Pithan Flores e do Grão-Mestre Adjunto Norton Valladão Panizzi, onde também comemorou-se o 87° aniversário da Grande Loja.

A Sessão Magna Pública de Instalação ocorreu no dia 8 de janeiro de 2015, nas dependências da Sociedade de Ginástica de Porto Alegre (SOGIPA) e reuniu Irmãos, Cunhadas, Sobrinhos e Sobrinhas, além de autoridades Maçônicas, Civis, Militares e Religiosas.

Entre os presentes na solenidade, estavam José Ivo Sartori, Governador do Rio Grande do Sul, Mauro Pinheiro, Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre e Arnaldo de Araújo Guimarães, Assessor Jurídico do Gabinete Executivo e representante do prefeito José Fortunati.

Também compuseram a mesa diretora os  Irmãos Jurandir Alves de Vasconcelos, Presidente da Confederação Maçônica do Brasil (COMAB) e Grão-Mestre do Grande Oriente Paulista; Iraci Da Silva Borges, representante da CMSB junto à Conferência Mundial das Grandes Lojas Regulares; Etevaldo Barcelos Fontenele, Secretário Geral da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB); João Guilherme da Cruz Ribeiro, Deputado Geral e Grande Sumo Sacerdote da Jurisdição da América do Sul do Supremo Grande Capítulo de Maçons do Real Arco do Brasil; Luiz Fernando Rodrigues Torres, Soberano Grande Comendador do Supremo Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito para a República Federativa do Brasil.
Após o comprometimento perante o Livro da Lei Sagrada do Grão-Mestre e do Grão-Mestre Adjunto eleitos, o ex Grão-Mestre João Otávio Cezar Lessa realizou a transferência dos Paramentos e a passagem do Malhete ao Irmão Paulo Roberto Pithan Flores e seu adjunto, o Irmão Norton Valladão Panizzi, dando-se assim a Instalação e Posse da Administração titular para o triênio 2015/2018.

Em seu discurso de Posse, o Grão-Mestre Paulo Roberto Pithan Flores ressaltou o valor de uma Maçonaria unida e fraterna, reafirmando o lema “juntos vamos retomar a caminhada”. Ao reiterar o papel da Ordem na sociedade, o Grão-Mestre explanou acerca do momento político do país, agradeceu a presença do governador José Ivo Sartori e destacou a valorosa caminhada de liderança que ambos desempenharão a partir deste ano.

Em virtude da importância da noite para a Maçonaria Universal, os Irmãos João Paulo Sventnickas, Grão-Mestre do Grande Oriente de Santa Catarina; João Krainski Neto, Grão-Mestre Grande Oriente do Paraná; Tadeu Pedro Drago, Grão-Mestre do Grande Oriente do Rio Grande do Sul; Noé Dos Santos, Grão-Mestre da Gran Logia de la Masonería del Uruguay; Edgar Sánchez Caballero, Grão-Mestre da Gran Logia Simbolica del Paraguay; Adolfo Ribeiro Valadares, Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica Do Estado De Goiás; Ubiratan João De Castro, Grão-Mestre Da Grande Loja Maçônica do Estado do Maranhão; Jordão Abreu da Silva Júnior, Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado De Mato Grosso do Sul; José Nazareno Nogueira Lima, Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Pará e João Eduardo Noal Berbigier, Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Estado de Santa Catarina e os ex Grão-Mestres da GLMERGS, os Irmãos Walnyr Goulart Jacques, José Wohlgemuth Koelzer Neto, Pedro Manoel Ramos, Rui Sílvio Stragliotto e Gilberto Moreira Mussi se fizeram presentes.

Discurso de posse

DIGNAS AUTORIDADES NOMINADAS PELO PROTOCOLO;
SENHORAS E SENHORES; MEUS QUERIDOS IRMÃOS.

Recebei todos, inicialmente, o meu sincero, leal e fraterno abraço, por prestigiarem esta solenidade que certamente será lembrada pelos filhos de nossos filhos; e, ao depois, pela profunda gratidão que tem a Maçonaria Universal para com a sociedade, onde exerce o seu mister de construir homens que pela coragem, pela determinação e pela perseverança, sejam capazes de liderá-la no caminho da paz, da concórdia e da harmonia.

Jamais em toda a história do Brasil, a desilusão foi tão intensa como a que estamos vivendo atualmente. – A decepção gerada pela corrupção, pela ganância desmedida, aliada a desonestidade incomparável na gestão da coisa pública, veio abaixo como um castelo de areia, e parece que já não há mais reduto algum onde se possa dizer que a honra e a dignidade encontrarão proteção.

Quando a Presidente da República, quase às vésperas de sua recondução a mais alta magistratura, declarou à nação que, elaborada a lista de nomes para compor seu ministério, iria consultar o Ministério Público Federal para ter a certeza de que nenhum dos nomes de seu rol estivesse envolvido em escândalos de corrupção, é porque já não há o que escolher sem medo de errar. É a suprema degradação da honra e da dignidade, da moral e dos costumes.

As lideranças, aquelas que se revestem das funções dos Poderes de Estado, devem ter a consciência de que representam aqueles que os sufragaram, e não a si mesmos. – Por eles devem pensar e agir, assim como em qualquer função – preconiza a Maçonaria –, suas ambições pessoais devem circunscrever-se aos limites do interesse das instituições ou dos seus representados.

Por isso, humanizar o homem é um dos papéis da Maçonaria. Isto é, fazer com que respeite a si mesmo, pois aquele que a si mesmo não respeita, não pode dar aquilo que não tem.

A desumanização das nações tem produzido holocaustos. – A história é testemunha disso.

Quando governantes perdem a vergonha, governados perdem o respeito. Essa relação é uma via de dupla mão.  – O respeito é coisa que a gente mesmo se dá, não se ganha de ninguém.  – É preciso DAR para RECEBER.

A Maçonaria quer despertar no meio da sociedade, uma grande reflexão. – E, grandes reflexões têm produzido belas metamorfoses. – Pois, é pela transformação do homem; pela sua reconstrução; pelo seu crescimento, que alcançará a consciência de si mesmo. É preciso saber de onde vem, para onde vai e qual a sua missão. Afinal, por que existe? – Só então estará apto a instaurar o seu ideal de vida, a hierarquia das importâncias.

Vede, senhoras e senhores, a sublimidade que encerra esse permanente desafio de nos vencermos a nós mesmos em nossas emoções, em nossas paixões e em nossos desejos que são todos pessoais, para proclamarmos no topo da hierarquia de nossas importâncias, o interesse do bem comum.

É claro que isto exige de cada Maçom a dedicação e o zelo aos princípios de severa moral, que se consolida pelo recíproco estímulo na prática das virtudes que enobrecem o SER, e que acabam quando tangem o interesse pessoal.

É só pela formação de seres que sirvam de paradigma no meio social em que gravitam que se há de instaurar um nova mentalidade: a de que ser honesto não é uma vantagem; é um dever elementar. – Que o erro é que merece censura e não a retidão ser festejada.

E, apesar do momento ser de alto risco, ele nos aponta oportunidades, porque alertou a sociedade brasileira a assumir seu papel perante os destinos do País.

É preciso conhecer o momento presente, ter consciência da realidade dos nossos dias, para que possamos estabelecer o que nos convém para o futuro.

A Maçonaria é um formidável e inesgotável berçário de lideranças. Por sua vocação investe no homem; na formação do seu caráter, com base nos sãos princípios da ética e da moralidade; na sua capacidade reflexiva; no discernimento de sua razão.

Líderes e estadistas é o que esta admirável instituição aspira que surjam no seu seio. Homens aos quais, segundo Nicola Aslam, “se possa sem nenhum risco ou temor, entregar o leme do comando desta sofrida humanidade, que a passos largos caminha para um impasse pela falta de líderes com letras maiúsculas. Aqueles cuja envergadura se mede da cabeça para cima”.

É na construção desses homens que a Maçonaria investe. Homens de verdade é o que precisamos inaugurar” dizia Ulisses Guimarães. Portanto, não é de monumentos e de palácios em cuja construção nossos irmãos se ocupavam na antiguidade, mas, na elaboração de um novo líder, de caráter sadio. – Limpo no proceder e puro nos seus propósitos.  – A maçonaria não precisa de homens de sucesso. – Ela precisa de homens grandes. – Não é a universidade, hoje dominada por abomináveis propósitos ideológicos, que os produzirá. – Não é na mente desse novo líder que se imprimirão esses princípios e valores. – É na alma, no espírito destes SERES, que se há de instaurar essa nova realidade.

Pode parecer estranho, e paradoxal até, que uma instituição que quer fazer de seus adeptos PENSADORES, não lhes diga o que pensar. – – Mas é pelo respeito à liberdade de cada um que não o faz. – É limitando-se ao balizamento dos seus princípios e valores, que são o direito, a justiça e a verdade, que presta sua homenagem ao livre arbítrio. – É a partir destes princípios que o livre pensador construirá o seu próprio caráter, tornando-se um paradigma, pelo respeito que a si mesmo se der.

Não podemos nem devemos tampouco nos omitir, num momento tão importante e carregado de símbolos nacionais em que todos devemos trabalhar para construir uma sociedade mais fraterna, mais solidária e mais igualitária, em que todos estejam convictos de que precisamos buscar um novo ciclo virtuoso: “POVO QUE NÃO TEM VIRTUDE, ACABA POR SER ESCRAVO, diz sabiamente o hino rio-grandense.

Para atingirmos este patamar, é urgente recuperar o papel do líder, que começa com o resgate da ética provocando o despertar de toda uma nação pelo exercício da consciência.

A crise que hoje vive a Nação, devemos todos nós cidadãos responsáveis, compartilhá-la para vencê-la. – É problema de cada um de nós. – E vencê-la, é tarefa para SERES inteligentes, probos, corajosos e determinados, capazes de enfrentá-la de frente e sem rodeios, pois “A ADAPTAÇÃO É A FORÇA DOS FRACOS”.

Perdoem todos, por haver no momento desta celebração, incursionado pelo caminho da reflexão, quando a expectativa dos meus irmãos e de todos vós fosse, talvez, conhecer os caminhos que a nova administração de nossa Grande Loja há de percorrer nos próximos três anos.

Quero de pronto reiterar aqui o que afirmei no decorrer da caminhada sucessória: “os caminhos, os haveremos de percorrer juntos”, porque fiéis ao nosso lema de que “JUNTOS VAMOS RETOMAR A CAMINHADA”.

Nossas intenções de caráter administrativo as conheceis, e as sufragastes no processo sucessório.

A partir de hoje nossa meta é empregarmos todas as nossas energias para a realização dos objetivos que juntos estabelecemos para nossa Instituição. – Teremos três anos de intensa dedicação. – REPITO, TRÊS ANOS.  – Pois que a renovação contínua no comando de nossa Grande Loja é a nova mentalidade que se consolidou desde 2006. Até aqui acreditastes em nossas palavras, pois elas traduziram o nosso projeto. – Mas, para chegar ao coração de cada um de vós serão necessárias as obras. – Nelas é que a partir de agora estaremos empenhando nossa total dedicação, com o máximo de nossas possibilidades.

Dedicaremos à Maçonaria Universal em geral, e à nossa muito respeitável Grande Loja, em particular, o melhor de nossa capacidade e com toda a energia de que dispomos.

Queremos uma maçonaria unida e fraterna, em que as três obediências tradicionais da Maçonaria Brasileira possam conviver harmonicamente. – Uma maçonaria alegre, por que para ser séria deve ser alegre. – O convívio deve ser fraterno para ser verdadeiro. Precisamos sentir falta uns dos outros.  – DEVEMOS ESTAR JUNTOS.

E ninguém, em hipótese alguma e a pretexto algum, conseguirá separar o que o sincero amor fraternal uniu.

A Maçonaria é feita de sentimentos, e Fernando Pessoa muito bem definiu em um dos seus consagrados versos ao dizer que: “aquilo que o amor une, nem a morte separa”.

O papel, pode até definir, mas jamais SUBSTITUIRÁ SENTIMENTOS. O amor fraternal é tão sublime, que só aquele que o sente é capaz de defini-lo.

Em uma instituição que embora alicerçada em remota tradição é progressista, e se auto define como tal, as convenções vão paulatina e progressivamente se adequando a novas realidades, em um mundo que em vertiginosa velocidade vem se transformando. – É normal que nesta celeridade, em que a modernidade acaba envolvendo a nova sociedade, é para alguns difícil abandonar carimbos e protocolos de antanho.

Respeitemo-los, assim como respeitamos quem ainda se especializa em DATILOGRAFIA e CALIGRAFIA, etc.  – Mas, o mundo é outro. – A realidade é outra. Embora o sentimento fraterno seja o mesmo.  – E é por isto que devemos preservá-lo; porém, dentro da moderna e evoluída realidade de relações e de comunicações.

Todos sabemos dos objetivos de nossa Sublime Instituição, e sabemos de suas expectativas em relação aos Maçons. – Nela estão aqueles que a amam e respeitam. – São maçons só aqueles que esposam seus valores. – Nela não há espaço para separatismos.  – Em incomparável e virtuosa manifestação, Abraham Lincoln disse certa vez: “AMA O TEU VIZINHO, MAS NÃO DERRUBA TUA CERCA. ELA É O LIMITE DO RESPEITO.”

É assim que a maçonaria brasileira deve conviver: RESPEITOSA E AMAVELMENTE. – SEM RESERVAS DE QUALQUER ESPÉCIE, porque ninguém será maior ou menor do que sua própria sombra.

Governador Sartori, ao longo de sua vida pública, e a conhecemos muito bem, tens nos demonstrado que é possível exercer as funções políticas sem descuidar do convívio e das obrigações maçônicas.  – E sua presença nesta solenidade, há apenas uma semana de sua posse, é a prova do seu respeito e dedicação à nossa Sublime Instituição.

Conte com seus irmãos em tudo que for do interesse do Rio Grande. – Seu sucesso no comando do nosso Estado, é assegurado àqueles que como nós, não se contentam com o mínimo necessário, porque estão sempre em busca do máximo possível.         – Que Deus o Grande Arquiteto do Universo lhe guie os passos no Governo do Rio Grande,  e proteja o Brasil !

Seremos lembrados no futuro pelas obras que formos capazes de realizar, porém, sem jamais olvidar àqueles que foram determinantes na caminhada do processo sucessório que nos conduziu até aqui. – Por isso manifesto minha gratidão às Lojas, aos Irmãos e a todos quantos direta ou indiretamente se envolveram neste projeto, pois deles é o mérito do resultado que obtivemos.

Com votos de um prospero 2015, vos confio à guarda e proteção do Grande Arquiteto do Universo, pedindo-LHE que dê à sociedade brasileira  o discernimento necessário à construção da Paz e da Felicidade.

Muito obrigado a todos !

Paulo Roberto Pithan Flores  Grão-Mestre

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.