Saudações estimado Irmão. Aproveitando que estou no Uruguay, trataremos a respeito do Herói Nacional

Na verdade, José Garibaldi não é só um Herói Uruguaio, esse homem nascido em Nice em 4 de julho de 1807, construiu sua história em prol da Liberdade dos povos, não importando sua crença, língua ou fronteiras, literalmente viveu combatendo a tirania. Seu pai era proprietário de navio e ele passou muitos e muitos anos viajando e conhecendo o mundo. Em 1833, em uma viagem à Rússia tomou conhecimento dos ideais socialistas e da possibilidade de unificação da Itália; seus desejos encontraram ecos nos propósitos da sociedade secreta chamada “Jovem Itália”.

Já fazendo parte dessa sociedade empreitou seus maiores esforços em prol da libertação de parte do povo italiano do julgo austríaco. Entre 1833 e 1834 juntou-se à “Carbonária” e em fevereiro de 1834 participou da “Insurreição de Gênova”, mas não conseguiu seu intento, sendo condenado à morte, fugiu para o Brasil em 1835, após ter passado por Marselha e Tunísia. No ano de 1836, aproximou-se dos republicanos que haviam proclamado a República Rio-grandense, tornando-se um grande personagem da história brasileira (ver Guerra dos Farrapos ou Revolução Farroupilha), para terem uma ideia da força desse herói, ele construiu dois barcos em terra firme e para fazê-los chegar ao mar, ele os colocou sobre grandes carretas puxadas por duas centenas de bois.

Pilotando o barco Seival, José Garibaldi conseguiu tomar das forças imperiais brasileira a região de Laguna. Já casado com Anita Garibaldi muda-se para o Uruguai. Durante a “Guerra Grande” foi nomeado Chefe da Frota Uruguaia, lutando contra o Juan Manuel Rosa (Governador de Buenos Aires). Em 1843, organizou a “Legião Italiana” que defendeu Montevidéo do ataque das tropas de Manuel Oribe. Em 1848 volta para a Itália, onde, na região da Lombardia lutou contra os Autríacos. Em 1848, o Papa Pio IX, temendo as forças liberais abandonou Roma, para onde havia ido Garibaldi acompanhado de um grupo de voluntários. Em 1849 foi eleito deputado republicano na Assembleia Constituinte da recém-proclamada República Romana. Nesse mesmo ano, enfrentou o exército francês que tentava restabelecer a autoridade do Papa sobre Roma.

Em 1870, empreendeu sua última campanha. Embora os franceses fossem seus inimigos no passado, lutou ao lado deles na “Guerra Franco-prussiana”; esteve à frente de um grupo de voluntários, intitulado como “Exército dos Vosges” para a manutenção do território da recém- -proclamada Republica Francesa. Há muito mais o que relatar sobre esse “Herói dos dois Mundos” e entre os muitos fatos de sua vida, para nós, Maçons, um dos mais importantes e assim transcrito nos anais da história maçônia uruguaia: “José Garibaldi (1807 – 1882) fue iniciado Masón, en Montevideo, en agosto de 1844, en la Logia ‘Les Amis de la Patrie’ dependiente de la Gran Logia de Francia, según Trazados que guarda la Gran Logia de la Masonería del Uruguay, en su Archivo Histórico.

Cuando el Gran Oriente de Uruguay, obtiene su reconocimiento como potencia masónica regular el 17 de Julio de 1856 el ‘héroe de dos continentes’ continúa relacionado con los Masones del Río de la Plata, que le reconocen su trayectoria en la Orden y le designan Miembro de Honor de su Logia Madre, tal como surge de los Cuadros Lógicos que se exhiben en el Palacio Masónico de Montevideo. Cabe recordar que, después de haber sido reconocida como Potencia Masónica Regular, la Masonería del Uruguay autorizó por varios años, la presencia en su territorio de dos Logias de origen extranjero: ‘Les Amis de la Patrie’ (dependiente de Francia) y “Acacia” (dependiente de Inglaterra).

El 2 de Junio de 1882, muere en la isla de Caprera, donde a su vejez se había retirado. 
Escribir sus memorias fue una constante en la vida de Garibaldi y ya en la isla de Caprera realizó lo que llamó ‘la Revisión de mis Memorias’ editadas en Madrid en 1888. 
Su ‘prefacio a mis memorias’ es un Resumen impactante a su azarosa existencia. 
Dice Garibaldi: ‘mi vida ha sido impetuosa: compuesta del bien y el mal, como creo está la mayor parte de las gentes. Tengo la conciencia de haber buscado siempre el bien para mi y para mis semejantes. Si alguna vez hice el mal, fue sin quererlo. Odio la tiranía y la mentira con el profundo convencimiento de que ellas son el origen principal de los males y de la corrupción del género humano.

Soy Republicano, porque este es el sistema de gobierno de las gentes justas, sistema modelo cuando se adquiere y, por consecuencia, no se impone con la violencia y la impostura. Tolerante y no exclusivista, soy incapaz de imponer a alguien por la fuerza mi Republicanismo…'”

AGRADECIMENTO: Muito obrigado meus queridos Irmãos Carlos Castello (Gran Porta Espada) e Frederico Ferrari (Secretaria de Assuntos Exteriores) pela acolhida e pelo apoio logístico. Aos queridos Hermanos de la Logia Fenix, gracias, muchas gracias pela habitual acolhida, me sinto um membro dessa poderosa Taller.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.