A história brasileira está repleta de grandes atos promovidos por MAÇONS, mas até o ano de 1797 não há como comprovarmos materialmente a existência de uma MAÇONARIA BRASILEIRA.

Realmente há indícios da atuação/presença de nossos Irmãos antes dessa data em várias partes do Brasil, dois exemplos clássicos são: Paraty (1667 – Villa de Nossa Senhora dos Remédios de Paratii) e Inconfidência Mineira (1789).

Ora, se haviam Maçons, logicamente haviam Lojas Maçônicas! Nem sempre! Estes maçons a que estamos nos referindo foram iniciados na Europa, pode até haver algum que fora iniciado no Brasil, mas documentalmente a primeira Loja Simbólica brasileira foi a “Loja Cavaleiros da Luz” fundada em Salvador em 1797. Em 1800 Irmãos vinculados ao Grande Oriente Lusitano fundaram a Loja “União” (Rio de Janeiro); vejam que interessante: esta loja brasileira seguía a diretriz de um Grão-Mestre português, pouco tempo depois se desentendem e passam a ser jurisdicionados ao Grande Oriente da França, inclusive adotando pela primeira vez no Brasil o Rito Moderno.

A Bahia era o grande “Centro Maçônico” e em 1802 foi fundada a “Loja Virtude e Razão” que teve tanta pujança que foi a Loja Mãe da “Loja Humanidade” (1807) e da “Loja União” (1813), também em 1807 foi fundada a “Loja Virtude e Razão Restaurada”.

Em Pernambuco tivemos uma situação singular, havia uma Loja que recebeu muitos Irmãos iniciados no Velho Continente e que chegavam “transbordando” de idéias libertárias e revolucionárias e entre eles vários eram membros da Igreja Católica.

Em 1809, foi apresentado a Dom João (pai de Dom Pedro I) por seus Conselheiros uma lista contendo nomes de “personae non gratae” que poderíam colocar a administração em dificuldades políticas e além do mais estes homens eram “famigerados maçons”.

Tolos Conselheiros, pois a atuação do Grande Oriente Lusitano foi essencial para a salvaguarda do monarca e a transferência do governo de Lisboa para São Sebastião do Rio de Janeiro; Dom João apenas exclamou –”Foram estes que me salvaram”.

A boa ambição dos brasileiros por fortalecer seus valores e defender sua terra e cultura gerou um curioso episódio, apesar do final melancólico, 77 anos antes da Proclamação da República foi fundada em Niterói uma Loja de caráter republicano e com certo exagero nativista, chamava-se “Loja Distintiva” e para confirmar bem seus propósitos, criaram P.’.P.’.; P.’.S.’.; SS.’.e TT.’.que os diferenciam das demais Lojas Simbólicas, sem contar que no seu brasão constava um índio (legítimo cidadão brasileiro), com uma venda (lembrando a iniciação) e com o movimento das mãos e braços presos por correntes (lembrando a falta de liberdade), mas havia também um “elemento” (gênio) a desvendá-lo (fiat lux) e ajudá-lo a partir as correntes (fim da monarquia). Como é fácil de prever, a Loja foi invadida a mando do Intendente Geral de Policia, porém ninguém foi preso pois haviam membros ligados ao Clã dos Andradas.

Todo o material apreendido (balaustres, jóias, colares, aventais e instrumentos) foi lançado ao mar. Em 1822 as Lojas União e Tranqüilidade, Esperança de Niterói mais a Loja Comércio e Artes na Idade do Ouro fundam a primeira Obediência, (Grande Oriente Brasileiro) e depois mudou sua denominação para Grande Oriente do Brasil em1831. Apesar de essencial, vejam o perigo de unirmos política e Maçonaria. José Bonifácio de Andrada e Silva (Grão-Mestre) ministro do Reino e de Estrangeiros juntamente com Gonçalves Ledo (Primeiro Vigilante do GOB) político muito influente, convencem Dom Pedro I a ser iniciado na Sublime Ordem, o que ocorreu em 02 de agosto de 1822, três dias depois ele foi exaltado.

Um mês e poucos dias depois (07/09) foi proclamada a Independência do Brasil. Sete dias após (14/07) numa jogada política, Dom Pedro I torna-se o Grão-Mestre. Em 04 de outubro do mesmo ano, o Imperador como forma de gratidão oferece a Gonçalves Ledo o título de Marquês (ele humildemente recusa), dezessete dias depois (21/10) o Grão-Mestre suspende as atividades do GOB e em 25/10 é decretado o encerramento de toda e qualquer atividade maçônica em território brasileiro.

Para não ser preso o Irmão Gonçalves Ledo teve que fugir do país. Imaginem o que estava acontecendo nos bastidores do poder no início do Primeiro Reinado, com certeza a mais pura e podre politicagem. Logicamente de maneira muito secreta a Maçonaria Brasileira continuou seu trabalho. Em 20 de outubro de 1823, decretou-se a pena de morte ou de exílio para todo aquele que fosse preso participando de reunião de qualquer sociedade secreta. Com a abdicação de Dom Pedro I (07 de abril de 1831) pôde a Maçonaria Brasileira se reorganizar e em 23 de novembro de 1831 o Grande Oriente do Brasil tendo como Grão-Mestre o Irmão José Bonifácio retorna as atividades.

Aí veio o Segundo Reinado, mas já é outra história, ou melhor outro artigo. A intenção deste pequeno artigo é despertar em você a vontade de saber um pouco mais sobre o assunto, fazer uma Prancha de Arquitetura e quando ela estiver pronta, levar para sua Loja enriquecendo nosso Quarto de Hora de Estudos. Lembre-se que todos nós, independente do Grau ou do Cargo, somos responsáveis pela qualidade das Sessões Maçônicas. De acordo com o PROMAÇOM cujo programa visa à integração das Lojas Maçônicas, envio-lhe em anexo, o quadro com as atividades das Lojas que se reúnem na avenida Brasil 478 e, de algumas situadas fora do Palácio Maçônico.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.