Monte Moriá, na Cidade Velha de Jerusalém, é o local de numerosos atos bíblicos de fé. É também um local dos mais valiosos no mercado imobiliário e uma das terras mais disputadas do nosso planeta. Esta é uma área profundamente sagrada para cristãos, judeus e muçulmanos. Sentado no topo do Monte Moriá, hoje, é o Monte do Templo, um espaço de 37 hectares de terra onde ficava o templo judeu. Vários importantes locais sagrados islâmicos estão lá agora, incluindo o Domo da Rocha (um santuário muçulmano construído há 1.300 anos), e a Mesquita de Al-Aqsa.

A história de Monte Moriá começa em Gênesis. No vigésimo segundo capítulo, Deus ordena a Abraão: “Toma agora o teu filho, teu único filho, a quem amas, Isaac, e vai à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre um dos montes que eu irei dizer-lhe “(Gênesis 22:2). O lugar que Deus levou Abraão era o Monte Moriá. Abraão não entendeu completamente o que Deus estava pedindo para ele fazer à luz da promessa anterior de Deus para estabelecer uma aliança eterna com Isaac (Gênesis 17:19); no entanto, ele confiou em Deus e pela fé ofereceu Isaac em sacrifício. Claro, Deus interveio e poupou a vida de Isaac, fornecendo um carneiro em seu lugar.

Abraão, posteriormente foi chamado a este lugar “o Senhor proverá”. E até hoje se diz, “No monte do Senhor se proverá” (Gênesis 22:14). Por causa da obediência de Abraão no Monte Moriá, Deus disse a Abraão que a sua “descendência tomaria posse das cidades de seus inimigos, e através de sua descendência todas as nações da terra seriam abençoadas, porque você me obedeceu” 
(vv. 17, 18). Cerca de mil anos depois, neste mesmo local, o rei Davi comprou a eira de Araúna, o jebuseu e construiu um altar ao Senhor, para que a “praga podusse ser retirada do povo” (2 Samuel 24:18, 21).

Depois da morte de Davi, seu filho Salomão construiu um templo glorioso no mesmo local.

O Templo de Salomão durou mais de quatrocentos anos, até que foi destruído pelos exércitos do rei Nabucodonosor em 587/586 aC. Setenta anos mais tarde, o Templo de Salomão foi reconstruído no mesmo local por parte dos judeus que retornaram a Jerusalém, após seu cativeiro na Babilônia. Por volta do primeiro século, o rei Herodes fez um importante complemento a essa estrutura, o que, em seguida, tornou-se conhecido como o templo de Herodes. Foi este templo que Jesus purificou (João 2:15).

No entanto, no ano 70 dC., os exércitos romanos liderados por Tito, filho do Imperador Vespasiano, mais uma vez, destruíram o templo. Tudo o que resta do Monte e do Templo da época é uma parte de um muro de contenção conhecido como o “Muro das Lamentações”. Ele tem sido um destino para peregrinos e um local de oração para os judeus durante muitos séculos.

O Deus que primeiro chamou Abraão para o Monte Moriá ainda tem planos para aquele lugar. A Bíblia indica que um terceiro templo será construído ali ou perto do local do templo de Salomão (Daniel 9:27). Isto parece apresentar um problema dado os obstáculos políticos que se interpõem no caminho: as atividades religiosas no Monte Moriá são atualmente controladas pelo Conselho Supremo Muçulmano. No entanto, nada pode modificar os planos de Deus.

Assim, o controle muçulmano desta área simplesmente cumpre a profecia de Lucas 21:24 que “Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem.” Leia mais

POESIA


Indiscutíveis
Os planos do grande arquiteto…
A mensagem que brotou do fato
A compreensão de abraão
Envelhecido, desbastando pedras,
Sem fronteira nem teto
Reinventando a palavra
Absorvida em seu íntimo
E guardada em fragmentos.
Um anjo foi escolhido
Ao mount moriah foi conduzido
E condenado a morte.
Mais um filho dos homens foi seduzido…

Não foi por acaso
As trevas da destruição
Não foi por sorte ou desilusão:
O legado do Trono de Salomão.

Assim eram as ordens do final dos tempos,
Assim isaac foi destinado ao abismo do monte
Sangrando em medo… O filho e o fim..
Subindo, subindo, não se sabe pra onde.

Foi o início de remotas eras
O mapa do vento que nos guiou 
no mundo: o princípio!

Deus não joga suas crias às escarpas do precipício…

O milagre recontado é simples
A história encarcerada não conta nada.
Revela as incertezas
O tempo que não mais existe
O contraste da vida de um povo
E seus mantras
Os elementos e seu resumo
A fé desenhada em sacrifício
O sonho atravessado na garganta.

Ainda haverá mais hinos e arcanjos
Acordes de violinos e
Lágrimas de pescadores nômades.
Haverá irmãos incompreendidos
Entreolhando-se solitários.

Entre os pássaros assombrados
Um cordeiro foi executado
E o silêncio milagroso de deus
Queimou-se em chamas calmas
E abateu vulcões,
Restou a loucura e o segredo das almas.

Assim, construído o templo,
O equilíbrio e a retidão
Nasceu o Templo de Salomão.
Não foi por acaso
Nem por sorte ou ilusão:
Humanos, irmãos em evolução.
Assim se morre uma paixão
E nasce o homem, na reflexão.
Assim se aprende na humildade
No silêncio do mestre: a revelação
Assim a pedra mais perfeita
Tem movimento e emoção.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.