Acácia: a planta símbolo por excelência da Maçonaria; representa a segurança, a clareza, e também a inocência ou pureza:. A Acácia foi tida na antiguidade, entre os hebreus, como árvore sagrada e daí sua conservação como símbolo maçônico:. Os antigos costumavam simbolizar a virtude e outras qualidades da alma com diversas plantas:. A Acácia é inicialmente um símbolo da verdadeira Iniciação para uma nova vida, a ressurreição para uma vida futura:

“Conduziram-no, ao cair da noite, para o monte Moriah, onde o enterraram, assinalando a sepultura com um ramo de acácia” – Sobre o assassinato de Hiram (Ritual de M.’.)

“Os mestres que foram à procura do Mestre Hiram Abif, encontraram um monte de terra que parecia cobrir um cadáver, terra recentemente removida, e para distinguir o local, plantaram ali, um ramo de acácia” – Sobre o assassinato de Hiram (O Livro de Hiram – Christopher Knight e Robert Lomas – Editora Madras)

POESIA

 

Acácia Amarela,
planta bíblica e sagrada.
Estás bem guardada, tal cinderela,
E ilumina-te
ao coração do mestre.

És cultuada,
e pela vida eterna: serás amada!

Acácia Amarela,
és pura!
Nasceste talhada em madeira dura: indestrutível.
Caminhastes junto à imortalidade,
Fostes sim, madeira de cetim, a coroa de cristo,
o símbolo da sabedoria.

És universal
Imputrescível, incorruptível,
e abraça-te à tua sorte.
És inatacável pelos elementos do mal
e decide-te, enfim, por tua própria morte.

Quem és tu, Acácia Amarela?
Uma leguminosa a gerar teus frutos,
um cometa a inventar arbustos,
ou uma planta mágica
(shitat, em hebraico)?

Exaltada pela história
és o símbolo dos sustentáculos,
lapidada em mãos,
transportada em arcas, mesas e tabernáculos.

És tradição.
És incompreensível.
Onde estará a chave dos teus segredos?
Na ritualística da ressurreição de Hiram
ou na serenidade do espírito e da alma?

Mais do que planta, és riquíssima!
És a consagração de Deus,
a espiritualidade da conduta pura,
da qualidade moral
e da pureza da vida.

Mais do que teu silêncio
simbolizas o disco solar em teus limites.
És parceira de frutos raros, como a romã.
Tuas folhas, fecham-se junto à noite escura,
abraçando-se umas às outras como irmãs.
Mas novamente
abrem-se plenamente ao beijarem a luz do sol,
pelas manhãs.

Oh! Acácia Amarela
declara-te culpada.
Pois és espírito, inocência e filosofia.
És o nosso interior,
nossa personalidade
e pura poesia.

 

Uma resposta

  1. nelio paulo de azevedo

    excelente pagina, de um conteudo sublime, deveria ser expostas mais obras literarias um triplice abraço fraternal…

    Responder

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.