Uma visão do budismo tibetano no nosso centro do Universo, propõe uma extensa e grandiosa interação filosófica dentro de cada ser humano, com o objetivo de buscar o espírito iluminado, para atingir a completa perfeição , aliviar o sofrimento de todos os seres vivos e, juntamente, levá-los ao mais alto nível do bem-estar e da felicidade.

O segredo para trilhar este caminho está na prática e no conhecimento das perfeições, que são a chave para o surgimento da completa iluminação, as quais, permitem atingir um estado aperfeiçoado, no qual nos vemos livres das emoções perturbadoras, livre do corpo e da mente e de todos os obstáculos, da tirania, do orgulho, dos bens materiais e, através de ações no presente, alcançarmos um futuro melhor.

“…dizem que Arya Tara foi uma princesa da antiga Índia que jurou atingir a iluminação em uma encarnação feminina. Ela é a corporificação da atividade iluminada e representa a energia purificada. Traduzindo diretamente do tibetano, seu nome significa: aquela que liberta. Mesmo como ser iluminado, aparece sob a forma de Bodhisattva feminino, dedicado a ajudar todos os seres vivos. Arya Tara, em sua forma verde, está sentada em posição que lhe permite levantar-se instantaneamente para socorrer todos os seres em necessidade. Nessa manifestação, é conhecida como: a Heroína Veloz, sendo levemente irada. Em sua forma branca, é inteiramente pacífica, sendo principalmente associada à pacificação dos  externos e internos, à longevidade, à tolerância e à ausência de doenças. Os olhos na palma das mãos, na sola dos pés e no centro da testa, significam que ela está sempre alerta, cuidando dos seres vivos… praticar estas perfeições assegura que teremos corpo e mente preparados para o futuro e, através da generosidade, paciência, disciplina ética, esforço entusiástico, concentração e capacidade de ir além.

As Seis Perfeições – Como atingir o bem-estar supremo
Comentário de Geshe Rinchen – Traduzido do tibetano para o inglês e organizado por Ruth Sonam – wmfmartinsfontes-São Paulo-2009)

O número perfeito (sete), tem origem no latim, septem, e é um sigma grego composto dos números 1 e 6 – 2 e 5 – 3 e 4, ou seja, da combinação de um número ímpar com um par, do masculino com o feminino, e ainda, é um número heterogêneo. O número sete era conhecido por pitagóricos – cabalistas – gnósticos e associações místicas…(o Mestre tem sete anos e mais de idade). Os sábios atribuíam ao número sete, na antiguidade, elevado conceito de perfeição e ao setenário, os sete planetas e os sete metais, e que contém  trindade e o quaternário, o número mais sagrado e o poder Divino. Todos esses Setenários são emblemas que simbolizam as Virtudes e as Qualidades espirituais da alma, cujo desenvolvimento tem sete degraus, que correspondem aos sete planetas e aos sete centros magnéticos humanos, que indicam o progresso desde a matéria até o mundo divino (a estrela de sete pontas).

Maçonaria – 30 Instruções de Mestre – Raymundo Délia Júnior
Editora Madras -2014

POESIA

O que mais posso no universo?
Escrever um verso
soltar meu canto
ser generoso e
dançar na magnitude dos planetas?

A fórmula é dar generosamente
a “chave do conhecimento”
e compreender a passagem da luz
traçar o esquadro e o compasso
na curvatura do horizonte.
Inventar o que ainda não foi dito
e galgar os sete degraus
com disciplina ética
mesmo sem compreender o veredito.

Precisarei de um tom mais alto
na escala das notas,
se não há resposta, haverá condescendência
e assim teremos luz, o sétimo instrumento
a noite e o dia
e todos os acordes da paciência.

Para pintar o espectro,
decifrar a física do iluminado,
é preciso especular sobre o futuro dos tempos.
Para um esforço entusiástico de evitar o mal
é preciso pegar carona com Deus…
Não basta ouvir o silêncio da noite,
onde tudo dorme,
derramando-se em quietude…
É preciso transpassar ao outro lado do mundo
onde mora a virtude.

Um sábio, concentrado, revela somente
o segredo eterno do início dos tempos
aos mais preparados,
aos que esculpem a pedra
e que dominem a mente.
Assim aponta a sabedoria
colorindo o mundo dos seres vivos
dos homens diversos.
O sol, a alma e o silêncio
daqueles que, em seu delírio,
permaneçam ativos,
são recipientes.

A natureza e a perfeição
Tem sete vidas e uma equação.
Não haverá solidão
para aqueles que brilham
e sonham em comunhão.

Sobre o Autor

ARLS Mount Moriah Nº 3327 - GOSP/GOB

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.