POESIA


Deus não esquece
o limiar da existência.
dentro de mim
percorre
sangue nas veias
o caminho
o início e o fim.

Estradas da piedade,
e os elétrons que se explodem,
iluminam o portador da luz: Apolo!

Átomos que reagem
à experiência , à virtude
e a vontade de conhecer o justo
o verdadeiro
e o conhecimento para a eternidade.

O corpo
Não mais adoece
escreve
nos penhascos das almas.
A alma permanece intacta
transpassa as esquinas da noite,
atemporal.
Ainda que não faça mal
escreve silenciosas palavras.

O universo, mostra-nos o que ele é,
imaginação, espectro e muitas cores.

Os homens vão sentindo pena
e levando a vida.

Encantam-se com o essencial:
O desejo indecifrável
de ser feliz, ajudar o próximo,
e morrer no final.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.