Nós, brasileiros, depois de longos anos de total e absoluta inércia, acordamos para as mazelas e as mordaças que nos foram impostas; não sabemos responder o porquê de termos suportado durante tantas décadas a submissão e o descrédito da nossa capacidade.

Entretanto, eis que o gigante saiu da condição doentia de letargia e do sono duradouro; eis que um grupo de jovens, auxiliados pelo moderníssimo das redes sociais, resolveu colocar a boca no mundo e denunciar a condição da escravatura moderna em que vivemos, os grilhões começam a ser partidos e rompidos; eis que novamente o sol da liberdade parece bater-nos à porta, oxalá que ele venha brilhar sobre nossas cabeças e saibamos usar com critério os raios da liberdade.

O Brasil amanheceu no dia 20 de junho com ares diferentes, um grupo de jovens da capital da pauliceia resolveu ir às ruas para reivindicar uma simples redução das passagens de ônibus, o ato foi tão espontâneo, brilhante e contagiante que se esparramou por todos os cantos e recantos da Pátria Amada.

Nos dias que se seguiram, novas multidões enchiam as ruas de todo o país, e as reivindicações eram as mais diversas possíveis, que orgulho sentimos ao ver os nossos jovens rebelarem contra tantas opressões e tantos anos de submissão.

Apareceram verdades que muitos sabiam, mas que infelizmente não tinham coragem de denunciar, ou melhor, coragem até que tinham, entretanto não havia era a quem denunciar, uma vez que o Brasil vive um estágio de falência múltipla dos seus órgãos.

As estruturas ruíram, grande parte dos homens em quem confiávamos, e aos quais foram delegados poderes, resolveram tomar outros rumos, alguns deles, há quem diga que foi a maioria, optaram por ser mensaleiros, entenderam que seria melhor uma total mudança de hábitos, que defender os interesses daqueles que os elegeram para serem representantes do povo, esqueceram do voto, esqueceram de ser fieis e leais aos seus eleitores e ao povo, optando por uma prática
ignominiosa.

Em razão disso, muitos escândalos foram deflagrados, muitas CPIs foram instauradas, sendo que algumas delas deram leve esperança aos sofridos brasileiros; outras na realidade, com certeza a maioria, ficaram somente nas ameaças ao cumprimento
do dever.

Debalde foram os esforços do nosso irmão

Joaquim Barbosa, que debruçou por longas noites e dias, meses de incansáveis trabalhos, para relatar centenas de quilos de processo nos quais expunham toda a podridão levada a efeito no dia-a-dia dos nossos representantes e detentores do poder.

Seu trabalho incansável encontra-se ameaçado de se perder no labirinto e no mar sombrio da corrupção, para o deleite dos corruptos e para tristeza dos pobres brasileiros, porque novamente articula-se nos bastidores do poder, uma forma de isentar os cabeças da quadrilha. 

Enquanto isso, o Poderoso Chefão – criador imortal do bando – Ministro José Dirceu pousa para a revista Veja, em piscina suntuosa, exibindo em seus braços uma namorada, no mínimo trinta anos menos que ele, e que mais parece uma musa daquelas que a Globo exibe em sua novela
das nove.

O sorriso exibido por ele na foto não transmite uma possível preocupação com o futuro, muito pelo contrário, ao que parece o referido senhor exprime uma enorme esperança de sucesso, inclusive com sua biografia que foi recentemente lançada, um lixo que certamente não irá faltar quem queira ler, até porque a Revista Veja se encarregou de divulgá-la em uma reportagem de quase dez páginas, também pudera, o seu Autor é editor dessa revista, coisas
do Brasil.

Enquanto isso, o Brasil continua à deriva, comprovando o que foi dito anteriormente: que houve uma falência múltipla dos órgãos.

Pobre Brasil, de brasileiros doentes, quebrados, inseguros, mas que a profissão de origem é esperança. Então só nos resta acreditar!

De repente descobrimos verdades nunca antes divulgadas, como por exemplo, que a nossa Presidenta, dando sequência aos desatinos de seu ídolo e antecessor, admitiu ou permitiu o gasto de uma cifra próxima de 40 bilhões de reais, para fazer a Copa do Mundo no Brasil, em 2014.

Absurdo maior nunca se viu em toda orbe terrestre, uma vez que para a realização das três últimas Copas do Mundo, a de 2002, que foi disputada no Japão e na Coréia simultaneamente, a de 2006, na Alemanha e a derradeira, ocorrida na África do Sul em 2010, temos notícias que foram gastos 30 bilhões de reais para a realização de três Copas, enquanto o Brasil gasta 10 bilhões a mais para realizar uma única Copa.

Importante mostrar o suprassumo da vergonha brasileira, ainda em relação à Copa do Mundo, cujo fato aconteceu em Brasília – não poderia ser diferente – lá naquelas bandas do Planalto Central foi construído um estádio monumental, que foi batizado pelo nome de Mané Garrincha, até aí tudo bem; nada mais justo que homenagear o nosso craque do passado, que encheu de glórias a camisa verde e amarela da seleção canarinha, que encheu de brilho os olhos de quem o viu jogar, verdadeiro malabarista ou bailarino do futebol, tratava a bola com maestria porque de fato era bom de bola, mas morreu à míngua… 

Voltemos ao monumental Estádio Mané Garrincha, infeliz ideia a do governo brasileiro de gastar um bilhão e seiscentos milhões de reais em sua construção. E povo sem educação, sem saúde, sem segurança, sem transporte, e o pior roubam-lhe até a dignidade!

Pasmem, uma vez que naquelas bandas do Planalto Central, nem mesmo existem times da primeira divisão para ali jogar, todos eles são clubes disputantes da segunda e terceira divisão, o que se conclui que, de fato, estamos num barco à deriva, ignóbil governo, e infelizes brasileiros!

Não se trata de criticar o que está feito, não cabe aqui nem mesmo a simples comparação do que poderia ser feito com essa assombrosa verba destinada à construção deste monumental estádio.

Não podemos olvidar que vivemos um caos completo em todos os setores básicos desta Nação. O Brasil vive uma falência múltipla dos seus órgãos vitais, não temos Saúde, esta há muito faleceu, morreu vítima do descaso de nossas autoridades.

Não temos educação, uma vez que esta foi consumida pela ignorância e estupidez dos nossos governantes, as escolas públicas mais parecem campo de concentração, nossas crianças ali estudam cercadas por muros altíssimos e portões de ferro ou aço para lhes proteger de balas perdidas, proteções essas que nem sempre dão certo, pois sempre somos surpreendidos com óbito de crianças inocentes, vítimas de balas perdidas,mas também não é para menos, uma vez que na maioria dessas escolas, em suas portas funcionam pontos de drogas; e quando um traficante se sente ameaçado em seu ponto de venda, balas cruzam os ares, e aí só Deus para nos ajudar; porque a polícia nunca se faz presente nestes momentos, somente depois é que aparece para lavrar o boletim de ocorrência.

Coisas de Brasil!

E no que diz respeito ao quesito segurança, a nossa nota também é zero!

Nós, infelizmente, não nos sentimos seguros nem mesmo dentro de nossas casas, já que estamos sempre à mercê de algum bandido que nela queira entrar. O cidadão brasileiro, por conta de uma Lei ridícula, apresentada e, devidamente aprovada pelo nosso Legislativo, está sempre em desvantagem em relação ao invasor assaltante.

Sob a rotulagem de que o cidadão de bem deve estar sempre desarmado, esta famigerada lei dá ao assaltante a certeza de que ele poderá entrar sem medo em nossos lares, porque nós nunca estaremos armados, uma vez que a lei nos proíbe. E a lei só nos alcança porque somos cidadãos de bem.

O mesmo ocorre quando estamos indo para o trabalho ou dele retornando para o lar, com ou sem a família estamos sempre vulneráveis, oportunidade para a ação do assaltante.

O bandido tudo pode – inclusive atirar e matar cidadãos de bem que pagam tributos para o engrandecimento da Nação.

Estamos cansados de ver e ouvir notícias de brasileiros, pais de família, trabalhadores que foram assaltados e que tiveram membros de sua família brutalmente assassinados por bandidos fortemente armados e que comandam a situação, uma vez que há muito a nossa polícia perdeu a guerra para os traficantes, para os assaltantes e para os que vivem no mundo do crime. A briga agora é somente entre bandidos, para conferir quem tem mais comando, mais poder de fogo ou mais território.

Irmãos, o momento é histórico, bendito seja o G∴A∴D∴U∴ que nos concedeu a honra e a glória de aqui estarmos neste momento, para fazermos alguma coisa em prol de nossa Pátria, em favor de todos os brasileiros de bem, neste momento tão significativo.

Furtar a esta oportunidade é fugir à luta e, segundo consta, o brasileiro não foge à luta, e se o brasileiro não foge à luta, muito menos o Maçom!

O Novo Grito do Ipiranga foi dado! No mínimo, cabe a nós, maçons, manter o eco deste grito, não deixemos passar a oportunidade, relembremos os nossos irmãos que lá estavam às margens
do Ipiranga!

Da mesma forma, não olvidemos os nossos irmãos que tanto lutaram e pagaram com a vida em prol da luta pela Inconfidência Mineira, relembremos o nosso Patrono, irmão Tiradentes, que foi esquartejado em troca de benefícios que pretendia fossem concedidos aos nossos irmãos e compatriotas, tudo pela Pátria Amada.

Relembremos o dito no preâmbulo do nosso ritual de aprendiz, que diz: “A Ordem Maçônica é uma associação de homens esclarecidos e virtuosos, que se consideram Irmãos entre si, cujo fim é viver em perfeita igualdade, intimamente ligados por laços de recíproca estima, confiança e amizade, estimulando-se uns aos outros, na prática da virtude.”

Diz ainda o nosso virtuoso ritual na inteligência ímpar do seu redator: “Que a Maçonaria é para esclarecer os homens e prepará-los para emancipação progressiva e pacífica da Humanidade.”

E por derradeiro, não esqueçamos jamais, e que nos sirvam de lição, de leme e de inspiração os nossos irmãos, que em outra situação histórica como esta, lutaram e deram suas vidas para abolir da escravatura os nossos irmãos negros. É chegado o momento, façamos raiar o novo sol da liberdade, vamos romper os grilhões que nos prendem, vamos lutar para restituir a verdadeira democracia!

Que ela seja, de fato, exercida pelo povo e em favor do povo. Deixemos de lado a hipocrisia e vamos exercer o direito à cidadania em favor do povo, vamos mostrar para nossa Ilustre Presidenta que o povo brasileiro não quer reforma política, ao contrário, o povo brasileiro quer é reforma dos políticos!

Vamos bater malhete em loja dando sequência às nossas reuniões maçônicas, porém agora façamos uma pausa em nossos trabalhos internos e vamos para as ruas, vamos lutar por uma causa justa: RESTITUIR O BRASIL AOS BRASILEIROS.

Que o Grande Arquiteto do Universo nos ajude!

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.