Uma livre adaptação do conto infantil A Nova Roupa do Imperador, do afamado escritor e poeta dinamarquês Hans Christian Andersen

Na Esbórnia vivia um povo safado e, ao mesmo tempo, crédulo. O reino era chefiado por um embusteiro, reconhecido “borra-botas”, conforme, exaustiva seleção para a escolha do mais patife cidadão da Esbórnia.

O povo, desinteressado e voltado para a galhofa, não se importava em entregar o seu futuro nas mãos de qualquer um, no mais, para viver na irresponsabilidade, nada melhor do que a “fraude ambulante”, famoso por suas fantasiosas mentiras, ego grandioso, comentado narcisismo e imensurável vaidade. O soberbo primava pela “cara-de-pau” e por vestir-se suntuosamente. Era tão apaixonado pelas roupas novas, que gastava com elas todo o dinheiro que possuía. A cada dia, um novo traje, um desbunde.

Seus súditos comentavam felizes suas lorotas e, arrematavam com orgulho, que a cada discurso a “fraude” se superava. Na capital onde vivia, a vida era muito alegre; todos os dias chegavam multidões de forasteiros para visitá-la, e, entre eles, certa ocasião, um arrematado vigarista, que se fingindo de tecelão, alardeava-se capaz de tecer os tecidos mais belos e suntuosos do mundo. O presunçoso rei, impressionado com a sua fama, mandou chamá-lo. Diante da arrogante figura, o bandido afirmou que poderia fazer uma roupa maravilhosa, cara e bonita, mas que apenas as pessoas mais inteligentes e astutas poderiam vê-la.

Inflamado com a possibilidade de possuir uma roupa com beleza e riquezas nunca vistas no reino, entregou para o bandido, um baú cheio de diamantes, pérolas, rubis, ouro e uma centena das pedras mais preciosas que havia requisitado dos seus abonados súditos. Assim, fingindo tecer a roupa com fios invisíveis, o fajuto alfaiate passou a “confeccionar” o rico traje. Quando o falso tecelão mostrou a mesa de trabalho vazia, o “soberbo vaidoso” exclamou, “que linda veste! O traje está magnífico”, embora não visse nada além de uma simples mesa, pois não queria admitir que fora enganado. O séquito de puxa-sacos, para não contrariá–lo, e não passar por tolo concordava, e muitos emendavam, “um espanto meu rei, finalmente um vestuário com a sua cara”.

Dias depois, o traje estava “pronto”, e o rei resolveu marcar uma grande parada para exibir as novas vestes reais. Supimpa, completamente nu, o ególatra desfilava com pompa e circunstância e o povo, estupefato aplaudia, delirava. Até que, uma inocente criança, não se conteve e gritou “o rei está nu”. Um calafrio percorreu o corpo pelado. A multidão estarrecida, nem respirava. O tempo parou por alguns segundos. Mas, depois prosseguiu.

A turba, refeita da surpresa, caiu de xingamentos e agressões sobre o pobre menino, que sob uma saraivada de pauladas e pedradas está a correr, conforme diz a lenda, até hoje. Moral da história: Por mais idiota que seja a maioria, ela sempre tem razão, ou para quem gosta de “bosta” um saco cheio de “merda” é uma megasena.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.