Sou pedra bruta, trago marcadas na alma e no corpo as asperezas da vida, de batalhas diariamente travadas e muitas perdidas. Recebo as influências de uma sociedade que na sua maior parte é indiferente, preconceituosa e materialista. Mas de nada valerá se ficar passivo, em posição de julgamento, pois desta forma estarei contribuindo para ratificar todas estas injustiças. Como pedra simbólica sedimentada na natureza, preciso da força e ajuda para sair de um estado inerte e iniciar um longo caminho até ajudar a formar a beleza do templo perfeito, erguido em homenagem a Deus. Mais do que melhorar, tenho a obrigação de ser útil ao meu próximo e à minha sociedade, mesmo que de uma forma silenciosa, humilde e anônima, com o uso das ferramentas que me foram ensinadas a usar: o maço e o cinzel.

Sou Aprendiz recém Iniciado em mistérios sagrados. Não apenas no plano físico, pois há uma aura esotérica e as conclusões não podem ser simplesmente descritas.

Existe um segredo, que aos poucos se revela em uma grande verdade. Esta verdade está na ciência, mostrada claramente no movimento dos astros e nos ciclos da terra. Está na jornada do homem, nas artes liberais, onde grandes artistas, músicos e poetas mostram, de uma forma quase mágica, o que o homem mais simples, na justiça realizada por Deus, também a descobre: O homem naturalmente evolui. Pode facilmente estacionar, mas dificilmente regride. O Criador, na sua inteligência infinita , nos dá sublimes sinais. Andar no caminho certo dá uma sensação de felicidade, e andar no caminho errado dá a sensação de sofrimento. A observação é minha aliada.

O poeta diz que mesmo que os tiranos arranquem todas as flores, jamais impedirão a chegada da primavera, podemos dificultar a evolução, mas é ela a dádiva de Deus.

A obra do Criador é justa e perfeita. “Muitas moradas tem a casa de meu Pai”, disse o Salvador. Ela está presente em todos os lugares, em formas e nomes diferentes.

A Maçonaria, filosofia milenar progressista, dá oportunidade de homens livres e de bons costumes de acelerarem esta escalada, evitarem erros repetidos, melhorarem a si próprios (embelezar a pedra bruta interna) e, com isto, melhorarem o meio em que vivem

Aqui recebemos instruções, conhecimentos, exemplos e ferramentas para progredirmos, mas a quem muito é dado também muito será cobrado.

A ajuda que espero receber é que a minha loja seja uma célula viva deste corpo invisível chamado Maçonaria, esteja sempre em pé e às ordens, onde o vigilante não descanse, o mestre não desanime e o tratamento irmão seja bem mais do que uma formalidade.

Que eu tenha muita força para não me tornar no mais triste dos maçons, o profano iniciado, e não seja indiferente às dores alheias, sem me prender a superficialidades, tornando mais difícil a minha jornada. Que jamais julgue a um irmão, dentro ou fora do templo. Cada um tem a sua vivência e o mesmo obstáculo é vencido de forma diferente e única.

Aprendemos simbolicamente por instrumentos do grau de aprendiz a empregar o tempo com sabedoria para que, com a força bem empregada, a nossa obra tenha beleza.

Recebemos em nossa oficina, com a ajuda do Grande Arquiteto, as instruções para realizarmos uma obra progressiva, que tenha a pretensão de melhorar o mundo e, mais ainda, mudar a nós mesmos. Onde não tenha aprendiz que não possa ensinar e nem mestre que não possa aprender.

Apesar das vaidades, honrarias, conquistas e vícios trazidos da vida profana, no templo Maçom somos todos iguais. Cada um executa a sua sagrada tarefa na lapidação de suas arestas, o direito e o dever de trabalhar, e a mais importante, a de evoluir, crescer, não em relação ao irmão de seu grau, mas uma evolução própria e silenciosa. Como o revolucionário, que na juventude pedia a Deus energia para mudar o mundo, na maioridade pedia graça para transformar amigos e parentes e na velhice percebeu o tempo perdido e humildemente pediu sabedoria para corrigir os seus próprios erros.

Que eu tenha sabedoria para receber a instrução, mesmo que ela venha por caminhos tortuosos, que mesmo em posição iniciante eu seja produtivo. Que a vontade e curiosidade presentes no Aprendiz esteja presente em todos os Graus conquistados por mim. Que melhore minhas ações, todos os dias, dentro ou fora dos Templos. E, como diz no último versículo de Eclesiastes no Livro da Lei: O Grande Arquiteto do Universo julgará toda a sua obra, as boas e as más, mesmo as ocultas.

“Agradeço a todos os fortes laços de fraternidade, que muito me ajudam nesta difícil tarefa de desbastar a minha Pedra Bruta”.

Observações:
O poeta citado indiretamente foi Pablo Neruda e o revolucionário foi do texto do Sufi Bayazid.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.