Certa vez recebi a seguinte indagação: Após o restabelecimento da luz material e retirada da venda, o candidato já pode ser considerado recém-iniciado ou maçom? Pode-se também entender que este ponto é o ápice ou clímax da cerimônia. Ou seja, o restabelecimento da Luz material é “receber a Luz” na Maçonaria?

Em minha opinião, com base no que apresentarei adiante, neste ponto da cerimônia o candidato NÃO é recém-iniciado, não é maçom e tampouco a RESTAURAÇÃO DA LUZ MATERIAL E A RETIRADA DA VENDA não é o ponto alto da cerimônia da iniciação, pois a cerimônia deve ser considerada como um todo (começo, meio e fim), toda ela tem a sua importância, e segundo Mackey (MACKEY’S RE-VISED ENCYCLOPEDIA OF FREEMASONRY) nada nesta cerimônia pode ser alterado ou suprimi-do.

“LUZ” na Maçonaria não se trata da Luz material, aquela que o D.C. aciona através do interruptor da Loja, pois esta Luz temos em casa, no trabalho, e em outros lugares. Trata-se, porém, de uma Luz em-blemática, significando sabedoria, conhecimento, razão. Na Maçonaria, receber a Luz, significa receber os conhecimentos e mistérios próprios e ocultos da Ordem Maçônica, que somente são revelados a par-tir da cerimônia de iniciação, e depois continuam pelo grau de Companheiro, Mestre, Arco Real, Mar-ca, Nautas, Templários, Malta, e assim por diante, numa verdadeira jornada em busca da Verdade ocul-ta. Trago aqui três grandes autores que nos auxiliam no entendimento desta Luz emblemática na Maçona-ria:

 

Nicola Aslan – Grande Dicionário Enciclopédico de Maçonaria e Simbologia:

“Chama-se Iniciado aquele que passa pelas primeiras provas da Iniciação e, em outro sentido, aquele que revela possuir um conhecimento que não é normalmente ministrado nas escolas profanas, mas que exige o percorrer de uma via mística, que conduz ao que está oculto. Atualmente, diz-se daquele que, admitido na Maçonaria, ‘é Iniciado nos augustos mistérios’, ou seja, augustos segredos da Institui-ção… e que sua filosofia, seus sinais, toques e palavras.”

“Em Maçonaria, a palavra Luz tem o significado de Verdade, Conhecimento, Ciência, Saber, instru-ção e prática de todas as virtudes. Diz-se que um profano ‘recebe a Luz’, quando é Iniciado. Mackey (Encycl.) escreve:

‘Luz é uma palavra importante do sistema maçônico, transmitindo um sentido bem mais longínquo e oculto do que geralmente pensa a maior parte dos leitores. É, de fato, o primeiro de todos os Símbolos apresentados ao Neófito e que continua a ser-lhe apresentado na carreira maçônica.

Os Maçons são enfaticamente chamados de *filhos da luz*, porque são, ou pelo menos são julgados possuidores do verdadeiro sentido do Símbolo; ao passo que os profanos e não Iniciados, que não re-ceberam este conhecimento, são, por uma expressão equivalente, considerados como estando nas tre-vas.”

Rizzardo Da Camino – Dicionário Maçônico:

“A Luz é elemento dissipador das trevas;… É sinônimo de Verdade, Sabedoria, Liberdade, Conheci-mento, Redenção. Quando um candidato ao ingressar na Instituição maçônica passa pela Iniciação e, adentrando no Templo, ‘recebe a Luz’, significa que os mistérios ser-lhe-ão revelados.”

José Castellani – Dicionário Etimológico Maçônico:

“Substantivo feminino (do latim: lux, lucis)…Figuradamente, designa ilustração, esclarecimento, o que esclarece o espírito, claridade intelectual. A Luz, não a material, mas a do intelecto e da razão, é a me-ta máxima do Iniciado Maçom, que vindo das trevas do Ocidente, caminha em direção ao Orien-te…Graças a essa busca da Verdade, do Conhecimento e da Razão é que os Maçons autodenominam-se Filhos da Luz; e talvez não tenha sido por acaso que a Maçonaria, em sua forma atual, a dos Acei-tos, nasceu no ‘Século das Luzes’, o século XVIII.”

Assim, naquele momento da cerimônia, após o juramento, a retirada da venda e acendimento da luz material não é a Luz que o Iniciado, às vezes, inconscientemente, pede ainda com os olhos vendados, a Luz que ele deseja em seu íntimo é a Luz da Sabedoria, do Conhecimento, dos Segredos e Mistérios da Ordem Maçônica, que ainda lhe serão revelados no decorrer da cerimônia, com a apresentação dos ins-trumentos de trabalho, as outras Luzes emblemáticas, sinal, toque e palavra do grau, e por fim a inves-tidura da insígnia distintiva de um maçom (Avental).

Portanto, “receber a Luz”, não se refere a pura e simples Luz material, mas sim da emblemática, como assim aqui referida. Pois esta é a verdadeira luz da maçonaria, e como disseram os autores compilados, esta Luz se propaga ao longo da jornada maçônica, na evolução do Irmão na Ordem.

Assim, entendo que o ponto alto da cerimônia é o recebimento do sinal, toque e palavra do grau. Neste ponto ele recebe a Luz dos conhecimentos e mistérios maçônicos, somente revelados aos Iniciados. Novamente, vide o esclarecimento dos autores acima.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.