Após seu renascimento simbólico para a vida, todo maçom recebe do Grande Arquiteto do Universo uma bela caixa de ferramentas

Em princípio, essa caixa encontra-se vazia e, como é de se esperar, o Aprendiz ávido por conhecimento logo quer encher esta caixa, pensando erroneamente que isso lhe trará a sabedoria e o transformará em um ser humano melhor. Do que adianta o Aprendiz ter em suas mãos ferramentas formidáveis se seu coração e suas mãos não estão preparados para usá-las?

As três primeiras ferramentas que serão guardadas dentro desta caixa são a régua de 24 polegadas, o maço e o cinzel. Ouso dizer que a régua de 24 polegadas representa para nós, maçons, homens livres, pensantes e formadores de opinião, a retidão que devemos ter em nossas vidas durante as 24 horas do dia, medindo milimetricamente nossas ações, reações e decisões para sermos o mais justos possível com nossos semelhantes, profanos ou iniciados, mas acima de tudo filhos do Grande Arquiteto do Universo.

O maço e o cinzel são as melhores ferramentas que o Aprendiz Maçom recebe, pois, junto com elas vem um grande desafio, que é simbolicamente desbastar a pedra bruta de nosso coração, que consiste em livrar-nos de tudo aquilo que é prejudicial a humanidade: vícios, inveja, preguiça, indiferença, ignorância (em todos os sentidos), acomodação e intolerância. Ficaríamos a noite toda aqui listando estas asperezas e não as terminaríamos. Daí, minha conclusão da importância destas ferramentas.

Ainda sobre o maço e o cinzel, estas ferramentas nos acompanharão pela vida toda, a cada degrau que subirmos na Escada de Jacó, a cada grau, a cada cargo, insígnia ou decisão, só seremos justos e perfeitos se tivermos usado o maço e o cinzel desde o dia que eles nos foram apresentados pelo Irmão Primeiro Vigilante.

Sendo seres humanos, herdamos a dualidade, a opção entre o bem e o mal, o certo e o errado, qualidades formidáveis e defeitos terríveis, e somos colocados à prova disso toda hora, mas aquele que realmente trabalhou com o maço e o cinzel a vida toda, saberá adoçar suas palavras, colocar suas opiniões de maneira que não firam a honra de seus semelhantes, mesmo quando as opiniões tomam rumos e caminhos diferentes.

É totalmente salutar ao maçom expor seus pontos de vista, inclusive é uma de nossas obrigações maçônicas, não devemos nos acovardar em nossas opiniões, mas, repito, mais importante que nosso ego e nossas opiniões é realmente a harmonia, a paz e a busca por conhecimento que nos motiva a deixar nossa família, o aconchego de nosso lar, para encontrarmos a família que escolhemos em nossas oficinas.
Junto com esta formidável caixa de ferramentas, o Grande Arquiteto do Universo nos dá um cadeado inquebrável feito do material mais resistente que existe, dificílimo de ser encontrado: o caráter. Este cadeado trancará a caixa de ferramentas, quando as mesmas não estejam sendo usadas.

Para este cadeado, uma chave nos é confiada e com ela o maçom, dentro da oficina, o abrirá, utilizará as ferramentas da caixa, aprenderá a pensar, agir e falar de forma maçônica, medindo palavras, colocando o ego em último lugar, procurando sempre ser democrático, agindo de maneira que a loja não perca a harmonia e seja preferencialmente unânime em suas decisões.

É importante lembrar que a quebra da harmonia, da justiça e da perfeição da Loja não deve ser medida com base em debates, decisões, opiniões, discussões e votações, pois maçons verdadeiros sabem que isso pode ser feito de maneira elegante, cortez e salutar. Nossos belos rituais simbólicos não devem ser quebrados baseados em atos e palavras proferidas sem antes serem medidas.

Voltando à chave, o maçom deverá guardá-la em segredo, num lugar de difícil acesso, lugar íntimo e puro, situado no lado esquerdo do peito, o coração. É ali que o verdadeiro maçom guarda sua chave e só revela àqueles que pertencem à Ordem.

Somente os resultados dos ensinamentos adquiridos com a Arte Real, de utilizar os instrumentos e ferramentas, deverão ser repassados ao mundo profano, na forma de bons exemplos, atos e decisões justas no dia-a-dia.

Desta forma, trabalharemos para que num futuro próximo possamos ser pessoas melhores e nosso mundo ser melhor do que o dia em que nele chegamos, pois essa é a obrigação de todo aquele que ousou ser reconhecido maçom.

6 Responses

  1. Délcio Pereira Lima

    Bom dia meus IIr.’.
    Fico muito feliz de ver uma obra de uma simplicidade impar, porém, de uma grande profundidade.
    É incrível como temos a capacidade de complicar o incomplicável.
    O Ir.’. Douglas Oliveira, conseguiu em breves palavras descrever e nos resgatar princípio básicos que a orgem nos oferece, para o nosso crescimento moral e filosófico.
    Parabéns meu Ir.’. pelo excelente trabalho.

    T.’. F.’. A.’.

    Délcio Pereira Lima
    Loja Alfa e Omega – Uberlândia MG

    Responder
  2. Neudo Kelson Lima Verde

    Primeiramente Boa Noite.
    Mesmo não sendo membro da ordem, fiquei Encantado com as palavras escritas, o que Deus tem para nos dar, sabendo abrir a caixa de ferramenta com a chave que está em nossos corações.
    Que Deus abenções a todos a nós.
    Fraternalmente,
    Neudo Kelson Lima Verde

    Responder
  3. tarciso rodrigues silva

    Fico agracido pelo material exposto, continue editando meus parabens.
    Que o G/A/D/G/ os iluminem.Flor de Lis 90 SP

    Responder
  4. Carlos Alberto

    Primeiramente, bom dia.
    Esta sabedoria me encanta cada dia, mesmo não
    participando da instituição, vejo que é uma inteligencia
    magnifica.
    Att.

    Responder
  5. Pedro Viana

    Não sou membro da Ordem, mais um grande apreciador dos princípios Maçonicos, tal caixa devemos enchela de Amor,Paz e Respeito com o próximo, parabéns novamente.

    Pedro Luiz O. Viana
    Mooca – SP

    Responder

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.