Ao adentrar na maçonaria, entramos num mundo simbólico e ao nos depararmos com estes símbolos, um dos primeiros que nos chamam a atenção é o triângulo, que é muito utilizado, tanto no aspecto visível quanto no aspecto abstrato, subjetivo. Nosso intuito aqui é refletir sobre esta forma geométrica em especial e seu uso nas lojas maçônicas.

Triângulo: definição e elementos principais
O triângulo, figura geométrica resultante da união de três pontos por meio de três linhas retas.

Definição
Denominamos triângulo a toda figura formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que os pontos A, B, C não estão numa mesma linha reta.

Na notação acima, a cada triângulo estão associados nove elementos principais:
• seus três lados: AB, BC e CA;
• seus três vértices, os pontos A, B e C;
• seus três ângulos (internos), A, B, C

Triângulo: ideias essenciais
• Em qualquer triângulo, a soma dos três ângulos vale 180 graus.
• Em qualquer triângulo, cada lado é menor do que a soma dos dois outros.
• Em qualquer triângulo, cada lado é maior que a diferença entre os outros dois.

O Triângulo como Símbolo
O triângulo na loja maçônica é percebido e vivenciado, ele faz parte do simbolismo nos diversos graus, como também na movimentação do obreiro em alguns ritos. Os antigos construtores acreditavam que a geometria era divina e que adquirindo estes conhecimentos geométricos entenderiam um pouco dos planos de Deus, assim, elaborou-se um olhar esotérico nesta geometria que era aplicado ao seu trabalho. O triângulo por excelência veio a ser a representação da trindade divina, e sua presença constante e operativa em nossa vida.

Encontramos este simbolismo explicitamente no Delta Luminoso maçônico e no Tetragrama sagrado. Estes exemplos vêem a representar o Verbo, o Logos, o Princípio criador, no plano espiritual, representa O Grande Arquiteto do Universo.
Jules Boucher em seu livro Simbólica Maçônica nos diz: “O triângulo evoca a ideia da Trindade… E ela é encontrada: na Trindade Hindu: Brhama (Criador);Vishnu (Conservador); Shiva (Destruidor) – Trindade Egípcia: Osíris, Isis, Hórus; e a Trindade Cristã: Deus Pai, Deus Filho (Jesus), Deus Espírito Santo.

Ao analisar objetivamente e esotericamente os triângulos e suas definições, percebemos claramente que o triângulo equilátero, cujos três lados e ângulos são iguais, representa claramente o símbolo de Perfeição, Harmonia e Sabedoria, portanto, nada melhor para simbolizar o Grande Arquiteto do que este triângulo em especial. Contudo, em algumas lojas maçônicas, em timbres de documentos maçônicos e etc… já encontramos o uso do triângulo isósceles, que, como vimos acima em sua definição, em sua constituição não representa o completo equilíbrio de sua forma, pois apenas dois lados são semelhantes, ficando assim, um desequilíbrio em um de seus lados. O equilátero, por outro lado, tem a qualidade de que observado de qualquer ponto de seus vértices, ele não muda (60 graus em cada vértice). Veremos o mesmo triângulo representando o equilíbrio perfeito. Um ponto de reflexão é: como podemos conceber a representação da divindade em que num determinado ponto de vista não se mostre a perfeição? Como podemos aceitar isso? (vide os exemplos dos triângulos acima.)

Este símbolo geométrico com TRÊS lados, fundamenta-se no equilíbrio das forças da vida, da natureza e da existência (Deus, Matéria, Espírito). A maçonaria como uma fraternidade que conserva estes segredos e os operacionaliza e os vivencia integralmente busca realizar estes conhecimentos nos seus iniciados, promovendo neles a Ordem, o Equilíbrio e a Harmonia.

Referências Bibliográficas:
Winkipedia – A Geometria do Triângulo
Bucher, Jules – Simbólica Maçônica
Lima, Walter Celso – Ensaios sobre Filosofia e Cultura Maçônica

Sobre o Autor

ARLS Arca da Aliança n° 172 GLMEBA - CMSB Oriente de Salvador

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.