Régua de 24 polegadas

Régua, Segundo o dicionário é uma peça longa, fabricada de madeira, marfim, celulóide, metal, etc. de superfície plana e arestas retilíneas, usada para traçar linhas retas ou para medir.

Polegada, Menor unidade de distância no sistema de medidas dos países anglo-saxônicos. Um pé contém 12 polegadas, e uma jarda equivale a 36 polegadas. Qualquer distância menor que uma polegada é medida em frações de polegada. Já o sistema métrico mede pequenas distâncias em centímetros e milímetros. Uma polegada equivale a 2,54 cm.

A polegada é uma medida antiga que se afastou do sistema métrico Francês; contudo, ainda é usado, posto que esporadicamente, é utilizado por nós brasileiros. A maçonaria adota porque simboliza o dia com suas 24 (vinte e quatro) horas. O Tamanho da régua já sugere que é um instrumento destinado à construção, filosoficamente, o maçom deve pautar a sua vida dentro de uma determinada medida, ou seja, deve programá-la corretamente e não se afastar dela.

A origem da palavra régua é francesa (règle) e significa “lei ou regra”. Junto ao Malho e o Cinzel, a Régua completa os instrumentos de trabalho do aprendiz maçom. Ela servirá para medir e traçar sobre a pedra bruta o corte a ser efetuado. De nada nos serve o Cinzel, símbolo da razão e discernimento e do Malho, símbolo da vontade, determinação e força executiva, sem as propriedades da régua. Sem diretrizes podemos fazer com que nossa pedra bruta torne-se mais irregular ainda.

A primeira observação que fazemos é quanto as características básicas da régua, um instrumento simples, milenar, que nos ensina de uma forma mais simples ainda, o caminho direto entre dois pontos, dois destinos. Filosoficamente, poderíamos dizer tratar-se de um caminho entre a norma e a ordem, entre o que se quer fazer e o que se deve fazer, entre o passional e o racional, entre a direção da ponta do malho ao topo do cinzel, indica a própria construção do homem, a lapidação de sua forma mais bruta em busca da perfeição.

Com a régua medimos um seguimento do infinito. Uma parte de nossa vida. A retidão que buscamos. Do ponto em que encontramos nossa Pedra Bruta até o momento em que a tornamos Cúbica, para nós e para a sociedade em geral.

A graduação nela colocada de vinte e quatro polegadas, serve para mensurar o tempo, as vinte e quatro horas do dia em que o homem deve distribuir entre seus exercícios matinais, nem sempre realizados, sua primeira alimentação, às vezes esquecida, seu trabalho, as demais refeições, a necessária recreação, muitas das vezes não considerada, suas reflexões, em geral pouco ou mal aproveitadas, e o merecido repouso, como nos prega a mensagem da criação.

O exercício na separação de cada tempo, dando o ritmo necessário para cada etapa, faz com que o homem evolua, cresça, se realize e desenvolva habilidades que de outra forma poderia pensar ser impossível realizá-las. Uma vitória pessoal, inigualável. É a pura demonstração da vontade, de responsabilidade e do reconhecimento de si próprio. Um caminho que se propõe reto, é integro e honesto.

Cada nova ação proposta deverá ser bem estudada, analisada e para ser edificada, basta incluí-la nos intervalos de cada ponto de nossa régua, utilizando para isso os princípios éticos que envolvem a liberdade, igualdade e fraternidade.

Primeira Lição:

Analogamente, todo o credo, nação ou instituição depende de regras para sua identidade e funcionamento. Sem critérios, a vida seria por demais defeituosa e complicada. Daí a necessidade que o homem teve de estabelecer leis e padrões de conduta que norteassem suas ambições. Isso nos faz lembrar da maior lição sobre a régua registrada pela história.

Após 400 (quatrocentos) anos escravizados pelos egípcios, o povo judeu foi libertado por Moisés que prometeu guia-los a terra prometida (Palestina). Moisés, homem educado da corte egípcia entendia que após 400 (quatrocentos) anos como escravos os israelitas haviam perdido sua identidade como nação. Moisés receava adentrar a palestina com um grupo de mais de dois milhões de pessoas desorganizadas, sem regras e princípios. O resultado seria a auto-aniquilação daquele povo em disputas de terras e sucessão de poder.Revelando-se um estrategista, ao sair do Egito, Moisés acampou com todo o povo ao pé do Monte Sinai e fez uso da régua. Criou o código civil, o código penal, o direito de família, leis ambientais e de uso da terra, leis religiosas, realizou o censo, dividiu o povo em tribos, instituiu hierarquia de comando, criou um exército, e para coroar sua gestão criou os Dez Mandamentos, supostamente escrito pelo próprio Deus, que equivale hoje a nossa constituição.

Moisés havia feito o uso da régua, mas sabia que faltava o uso do cinzel e do malho. Por isso não permitiu que o povo entrasse na Palestina logo após a criação das leis, mas obrigou-os a viver na orla da Península do Sinai, por 40 (quarenta) anos até que entendessem as regras criadas. Este período de 40 (quarenta) anos foi necessário para se lapidar a Pedra Bruta desta nação, antes que adentrassem à terra prometida.

Vivemos numa sociedade de leis, vai do direito internacional, às regras de trânsito, no entanto nos deparamos constantemente com governos, corporações e simples funcionários usando as leis existentes para cometer injustiças através de manobras jurídicas.

Nem tudo que é legal é justo. Por esse motivo o maçom tem como responsabilidade traçar para si padrões não apenas baseados nas leis, mas principalmente na justiça irrestrita.

Segunda Lição:

A régua de 24 polegadas representa o total de horas de um dia. Lembra-nos que o dia deve ser vivido com critério, dividido entre o trabalho, laser, espiritualidade e o descanso físico e mental.

Em nome da competitividade, somos obrigados ainda a consumir enormes quantidades de informações. Política, mercado, informações técnicas, MBA’s, segunda língua, curso de especialização, seminários, etc. Uma única edição de domingo do Jornal Folha de São Paulo, contém mais informações do que um leitor médio encontraria durante toda a vida no século XVII. As novas tecnologias de informação como celular, e-mail, internet, palm-top, etc. Somem-se ao trabalho todos os outros papéis que temos que cumprir; Somos filhos, pais, cônjuges, irmãos, amigos, membros de uma igreja e maçons. Como reagir diante deste caos de demandas simultâneas?

A administração do tempo expressa na lição das 24 polegadas nunca foi tão necessária como hoje em nossos dias. Para sermos felizes temos reconhecer e aceitar nossos limites, aprender a dizer não. Eliminar atividades desperdiçadoras de tempo. Estabelecer metas para a vida e realizá-las em ordem de prioridade. Para tanto, utilizaremos nossa régua com simplicidade, habilidade e, acima de tudo, com paciência e sabedoria.

Bibliografia

  • FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda – Dicionário Aurélio
  • Dicionário Português Online
  • As ferramentas do Grau de Aprendiz: Em http://www.guiadomacom.com.br – dia 07 de setembro de 2010: 18:12 hs.
  • REIS, Álvaro Botelho. A Régua de 24 Polegadas: Em http://www.comunidademaconica.com.br – 06 de setembro de 2010; 22:00 hs; ARLS Deus, Justiça e Amor – Sumaré – SP
  • DRINKS, José. A Régua de 24 Polegadas: Em http://luzdoocidente.org.br – 06 de setembro de 2010; 22:30 hs.
  • Fabricio

    Muito bom este seu trabalho.

  • GRANDE GÓES

    Um belo trabalho, mas deveria estar no mínimo restrito apenas aos iniciados.

  • clelson antonio da silva TEMPLO DE DAVID BAHIA

    Muito bom esse artigo esta de parabéns meu ir;. grande TFA…

  • Luiz Antonio Romanus

    Um belo trabalho, parabens ao irmão que preparou esta peça de arquitetura muito bem relacionando o aspecto alegórico com nóssos afazeres diários, os quais se bem programados pemitirão que se cumpra com entusismo todas as obrigações e se encontre a felicidade da satisfação pelo cumprimento do dever.
    LARomanus. M.:M.: Estrela de Morretes.

Editora Domínio

(11) 2099-9299 - Rua Dr. Zuquim, 576 - 02035-020 - Santana - São Paulo - SP