Meus Irmãos, a mensagem principal deste trabalho é de fazer um alerta aos maçons. O mundo está passando por uma fase de grande evolução e as pessoas das mais variadas camadas sociais procuram cursos de todas as naturezas, num esforço para adquirir novos conhecimentos.

Com esse objetivo é que vamos colocar observações com relação às nossas festas de confraternização nas Lojas. Percebe-se que a quantidade de bebidas alcoólicas consumida vem aumentando cada vez mais.

Diante da grande necessidade de alertar os Irmãos, principalmente os aprendizes, a respeito dos malefícios do alcoolismo, que propomos fazer este trabalho. A Organização Mundial da Saúde vem se interessando pelo assunto e considera o alcoolismo como doença.

Os problemas relacionados ao uso e abuso do álcool têm aumentado à maneira bastante preocupante nas últimas décadas nos países desenvolvidos, como também nas demais nações do resto do mundo.

As terríveis consequências e enormes gastos públicos e privados, com o uso e abuso do álcool, se constituem hoje em um dos principais problemas, não só de saúde pública, visto os prejuízos de saúde coletiva, como também de segurança pública, face aos crimes e ou delitos relacionados ao usuário.

O uso e abuso, portanto, afetam a sociedade, sobretudo nessas duas áreas: saúde e segurança.

O que é o Álcool?

O álcool é um dos maiores inimigos da humanidade, porque o homem que cai no seu laço perde o senso de responsabilidade, perde todo o respeito próprio, torna-se um imbecil, priva a sua família do conforto, educação, vestuário e pão. Destrói a felicidade do lar, torna-se um demônio para a esposa, uma vergonha para parentes e amigos, um peso para hospitais e manicômios, cadeia e asilos.

O álcool age no organismo humano como uma substância que vai destruindo lentamente, afetando tanto o corpo físico, quanto o astral (espírito). Muitas pessoas, embora saibam dos males que o álcool causa, não dão a mínima importância e não evitam ingeri-lo.

Em cada gole de álcool há lágrimas de mães, esposas e filhos.

O Álcool nas Lojas

O álcool nas festas de confraternização maçônicas, e em muitas Lojas é permitido com certa restrição; em algumas Lojas mais liberais se permite o uso do álcool em abundância, não tendo nenhum ponto de vista a respeito do assunto.

Após as nossas confraternizações, é comum alguns Irmãos ficarem até alta madrugada, no final das festas ou jantares e só vão embora quando acabam as bebidas, ou quando não aguentam mais beber, já se encontrando no estado de embriaguez.

O Alcoolismo

O alcoolismo é o vício mais difundido e, igualmente aos demais, traz toda sorte de transtornos à sociedade. Acarreta consequências danosas ao próprio indivíduo; prejudica o organismo afetando vários órgãos.

Estudos já comprovados dos sinais e sintomas das doenças dizem que são provocados pelo uso do álcool: o câncer de esôfago e papila, pancreatite, cirrose, diabete, impotência, pressão arterial etc.

Algumas pessoas são moderadas no uso de bebidas alcoólicas e outras, porém, demaseiam-se a ponto de ficarem embriagadas, existindo ainda, os que fazem o uso constantemente, formando assim os três principais tipos de bebedores.

O primeiro, dos comedidos, fazem o uso equilibrado das bebidas alcoólicas. São denominados de bebedores sociais, só fazendo uso delas em reuniões, festejos e ainda assim de maneira moderada.

O segundo tipo é dos que poucas vezes fazem o uso de bebidas, mas quando fazem, excedem além do que seu organismo suporta (vira um leão), esses são chamados de bebedores sintomáticos ou bebedores excessivos, os quais, sobre a ação do álcool, tornam-se inconvenientes, descorteses e antissociais, existindo em quase todas comemorações festivas ou reuniões eventuais.

Suas características são facilmente identificadas pelo modo exagerado de se comportar, agindo à anormalidade, podendo ir ao estado de coma alcoólico, dependendo da quantidade de bebida ingerida.

Finalmente, o terceiro tipo é dos verdadeiros alcoólatras. Muitos deles, logo pela manhã quando acordam, já tomam uma para firmar ou quebrar jejum etc. São os alcoólatras que inveterados só param de beber quando já não mais comandam seus movimentos.

Aos chamados bebedores sociais, nada há de censuras, por não trazerem prejuízos a terceiros por sua conduta ser mantida, como se nada tivesse ingerido. O que não acontece com os bebedores excessivos, os quais abusam no uso da bebida, embora esporadicamente, embriagando-se, fazendo distúrbio e colocando a sua vida e de terceiros em risco com acidentes, por causa do seu desgoverno.

O alcoólatra está sempre correndo o risco de vida e suicidando-se lentamente com as intoxicações constantes. Quando bebe para matar a fome ou não come nada quando está bebendo, nada mais faz do que iludir o organismo.

O álcool ingerido em certa quantidade dá a sensação que a pessoa está alimentada, mas é somente sensação. O organismo vai queimando as reservas físicas. Na gíria popular chamam a bebida alcoólica de “cobertor de pobre”, dando a entender que a bebida aumenta a resistência do organismo, ledo engano.

O álcool vai enfraquecendo as defesas do corpo, tanto físico quanto astral, deixando-o sujeito às vibrações negativas do plano inferior, que o domina e o conduz a lugares e situações vibratórias das mais trevosas, sem que tenha força para elevar suas preces e pedidos de auxílio e socorro ao plano superior, deixando-o completamente isolado, o que fatalmente lhe dará um arrependimento sofrido, mas será tarde demais.

Sendo sabedores de que o alcoolismo é uma das manifestações inferiores da alma humana, interessante que a pomos dentro da nossa instituição secular, que tem como objetivo maior pugnar pela evolução do homem, o bem-estar da pátria e da humanidade, construindo templos à virtude, e cavando masmorras aos vícios.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.