Ao iniciarmos a abordagem sobre Lowtons, é importante conhecermos essa entidade paramaçônica, tão desconhecida da maioria dos nossos Irmãos e mesmo das nossas Lojas. A Constituição do Grande Oriente do Brasil, de 2007, em seu artigo 26, inciso XIII, expressamente dispõe:

“Art. 26 – São direitos da Loja:
…………;
…………;

XIII – tomar sob sua proteção, pela cerimônia de adoção de “Lowton”, descendentes, enteados ou tutelados de Maçons, de sete a dezessete anos, do sexo masculino”.

Não nos parece lícito deixarmos de conhecer e pesquisar um pouco a respeito dos Lowtons, e desenvolvermos um trabalho que venha a prepará-los para um futuro não muito distante, até mesmo como “uma reserva” de Irmãos que venham a contribuir para tornarmos a Ordem mais unida, participativa, solidária e fraterna.

É importante que as Lojas estejam conscientes de que, ao realizarem uma cerimônia de adoção de Lowtons, elas “…contraem para com eles a obrigação de servir-lhes de tutora e guia na vida social” (in Ritual Especial de Adoção de Lowtons – Abertura dos Trabalhos).

Entretanto, como o objetivo maior da Ordem é sob o aspecto da formação moral desses jovens é que devemos estar atentos.

Por isso, além do exemplo, devemos vislumbrar as noções de cidadania que poderemos ministrar-lhes, contribuindo para a sua formação, com o objetivo voltado ao construtivismo, visando à orientação teórica e prática dos nossos sobrinhos de hoje, Irmãos de amanhã, na construção de um mundo melhor.

A abrangência das nossas orientações devem visar aos aspectos de natureza individual e coletiva. O crescimento ético e moral dos nossos Sobrinhos (Lowtons) devem obedecer a uma sistematização programada.

Apesar da pouca literatura disponível a respeito do assunto, devemos cultivar nossas experiências sedimentando aquelas que apresentarem melhor resultado.

Não devemos esperar que o aprendizado certifique o Lowton, nisso ou naquilo, mas o comprometimento e a comprovação do seu desenvolvimento mental e espiritual.

Nossa esperança é que, com o aprendizado, levem aos quatro cantos do mundo aquilo que aprenderem em nossos Templos.

Todas as Lojas e os maçons devem se engajar no projeto.

Em todos os momentos, deverá haver cuidadoso planejamento dos ensinamentos a serem ministrados, pois esses também serão absorvidos pelos pais dos Lowtons.

Deveremos buscar o melhor caminho a ser seguido, não apenas no sentido de distância, mas, igualmente, quanto aos resultados do aprendizado. O caminho a ser percorrido poderá ter a distância que tiver, porém será sempre o mais objetivo, o mais direto e o mais seguro para os Lowtons, nossos Sobrinhos.

Aqueles que se engajarem no projeto de cidadania dos Lowtons devem saber de onde vieram, onde estão e para onde se destinam. A precisão dos conhecimentos transmitidos devem resultar numa certeza.

Certamente, os acertos, em muito, superarão os desacertos, pois tudo deverá ser feito com muita dedicação e amor pela causa dos meninos que amanhã serão verdadeiros iniciados. Os pontos convergentes serão sempre a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade. É nossa obrigação, prepararmos os meninos para o amanhã, quando cada qual liderará outro grupo de meninos, com isso mostrando que o somar e o multiplicar do bem são uma marca do Lowton.

A flor entregue pelos meninos às suas mães, quando da sua adoção, simboliza o carinho com que devemos nos dedicar à nossa causa maior: o amor a Deus e à Humanidade.

No primeiro momento, devemos parar; no segundo, pensar e, no terceiro, agir de modo a tornar o projeto “Lowton Cidadão” uma realidade para todos (Irmãos, Sobrinhos e a nossa Ordem). O propósito é fazer com que os Lowtons tenham uma visão ampla do que é ser “Cidadão do Mundo”, podendo com isso contribuir por dias melhores para todos.
Quando estiverem prontos para serem iniciados na Maçonaria, já estarão conscientes do seu papel no mundo com exemplos de Civismo, Educação e Cultura.

Carregarão a tocha de vencedores naquilo que aprenderam pela frequência com seus “Tios” e “Primos” e com isso serão, sobretudo, homens de bem. Deverão se recordar dos seus Veneráveis Mestres, de suas adoções, não como Juízes, mas como amigos, pais e tios para ajudá-los na longa caminhada. No futuro, nossos Templos serão para eles o refúgio seguro para o encontro das soluções daquilo que estarão buscando para si, para os seus e para a humanidade.

Precisam despertar para o sorriso, o riso, e que a alegria desses meninos seja contagiante para todos aqueles que com eles vivam e convivam. O projeto “Lowton Cidadão” deve preparar o menino de hoje, para o amanhã quando a luz de Deus será o norte de todos, para dias melhores. A nossa recompensa será termos atingido os objetivos idealizados, e conseguirmos com que esses meninos sejam melhores cidadãos.

Terá ganho a Maçonaria, com iniciados que entendam, com muito maior propriedade e conhecimento, o verdadeiro significado e propósito da sua existência (dela Maçonaria). Cada Lowton, amanhã, iniciado maçon, estará recebendo o conhecimento da Ética, da Moral e da Verdade.

Entenderá o amor em sua expressão mais ampla.

Poderão, a Maçonaria e a Humanidade sentir o advento de novos tempos, quando todo negativismo tiver sido varrido da face da terra e podermos, em coro, dizer: “somos felizes, muito felizes”. Estaremos vivenciando a satisfação de ver coroado de êxito um projeto desprovido de vaidades de qualquer natureza.

Um projeto apolítico e apartidário.

Entenderemos, como afirmou Santo Agostinho no Concílio Vaticano I:

“Deus compreende três pessoas iguais e consubstanciais: Pai, Filho e Espírito Santo. O Pai é a essência divina em sua insondável profundidade; o Filho é o Verbo, a Razão ou a Verdade, por meio da qual Deus se manifesta; o Espírito Santo é o Amor, mediante o qual Deus dá nascimento a todos os seres”. Essas as linhas mestras do “Projeto Lowton Cidadão”, idealizado por um grupo de Irmãos, extraídas do teor que se encontra no site: www.haj33.com.br/lowtons ou www.gosp.org.br/Links indicados/Paramaçônicas/ Projeto Lowton Cidadão.

Que o Grande Arquiteto do Universo nos abençoe a todos.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.