Capítulo XXV: Debates

A diferença entre uma conversa e um debate é que, na primeira, um grupo de pessoas troca ideias aleatoriamente, mudando constantemente de assunto, enquanto que no debate há um tema específico, central, a ser discutido, visando obter-se um acordo consensual para alcançar determinado objetivo.

O número ideal, no debate, é aquele que varia de três a oito participantes; acima de oito, o debate torna-se cada vez menos produtivo em razão da quantidade excessiva de pontos de vista e da dificuldade sempre maior de conciliá-los. Talvez por esse motivo a Maçonaria, sabiamente, preconiza a eleição de sete membros para dirigir uma loja e determina que as decisões sejam tomadas por esses membros que constituem, em última análise, a sua diretoria.

Segundo C. T. Brown, professor de oratória da Universidade de Illinois, USA, “o debate é o principal instrumento do processo democrático”, pois opõe-se à noção de que apenas um indivíduo deve dirigir a sociedade e surge da crença de que a melhor ação provém da livre manifestação do pensamento e da fala. Em resumo, acreditar no debate é julgar que, quando ocorre a livre troca de ideias, as boas, em geral, prevalecem.

No debate, a palavra, passando de orador para orador, obriga a mente dos que ouvem a exercitar-se mais que no discurso.

O ideal, num debate, seria que os debatedores fossem flexíveis, possuíssem opiniões próprias não-irrevogáveis e estivessem dispostos a considerar, com boa vontade, o argumento alheio. Quem se recusa a mudar de opinião não tem qualificação para participar de um debate. O maior inimigo do verdadeiro debate é aquele que quer se sobressair a qualquer custo.

Sendo o propósito final de um debate alcançar-se o consenso, seja pela maioria ou por unanimidade, as opiniões devem ser expressas de tal modo que haja, sempre, a esperança de que, ao final, o acordo possa superar as divergências.

Para que um debate seja produtivo, requer-se um moderador que, nas lojas maçônicas, é o Venerável Mestre. O momento adequado para realizá-lo é a Ordem do Dia.

Para que o debate transcorra harmonicamente, é necessário que o V.M. saiba conduzi-lo adequadamente, com serenidade e imparcialidade, obedecendo às seguintes etapas:

1.

Apresentação do problema a ser resolvido, as dificuldades em resolvê-lo, as vantagens que serão obtidas pela sua resolução.

2.

Concessão da palavra a todos os participantes, estimulando os mais tímidos a se manifestarem e reprimindo, com gentileza, os mais exaltados ou eloquentes.

3.

Votação e avaliação dos resultados do debate.

4. 

Determinação das providências necessárias à implementação do que foi debatido.

Os participantes, por sua vez, devem empenhar-se em:

Estar bem informado a respeito do assunto a ser debatido.

Prestar atenção a todos os argumentos, ao invés de centrar-se em sua própria e prévia opinião, como geralmente ocorre.

 

Após emitir uma opinião, avaliar a crítica dos demais e admitir os próprios erros.

Quando for absolutamente necessário interromper o interlocutor, aguardar que este faça uma pausa; nunca interrompê-lo no meio de uma frase ou de um raciocínio.

Há ocasiões em que, apesar da boa vontade inicial dos participantes, o debate desvirtua-se, caminhando em direção à discussão… e até mesmo ao conflito.

Nesses casos, o moderador, que nas lojas maçônicas é sempre o Venerável-Mestre, deve manter-se sereno e aplicar técnicas especiais que visam a superar tais dificuldades. Vejamos como se processam algumas dessas situações e como tentar resolvê-las:

Problema 1

Um dos membros tenta monopolizar o debate.

Solução imediata: Formular perguntas diretas aos outros membros e estabelecer tempo fixo para cada um dos participantes se manifestar.

Solução posterior: Nas próximas reuniões, o monopolizador deve ser convidado a secretariar a reunião, mantendo-se, assim, mais ocupado com a parte burocrática.

Problema 2

Os membros não se manifestam devido a timidez.

Solução imediata: Peça-lhes a opinião, diretamente, formulando, porém, perguntas fáceis.

Solução posterior: Peça aos outros membros que os estimulem a falar.

Problema 3

Há falta de interesse pelo tema a ser debatido.

Solução imediata: Abandonar imediatamente o tópico e passar a outro.

Solução posterior: Planejar melhor os assuntos a serem abordados na ordem do dia.

Problema 4

Ocorre um conflito.

Solução imediata: lembrar ao grupo as áreas mais vastas de concordância, dar uma pitada de humor a respeito da discussão ou adiá-la para outro dia.

Solução posterior: descobrir os pontos conciliatórios e retomar o tema dando ênfase a eles.

Problema 5

A discussão descamba para
assuntos irrelevantes.

Solução imediata: Lançar mão de perguntas que tragam os participantes para o foco central do debate.

Solução posterior: Preparar, nas reuniões futuras, um roteiro a ser seguido.

Claro está que outros problemas e dificuldades acontecem durante os debates, exigindo de seus moderadores e membros criatividade e empenho para superá-los; ao moderador é necessário demonstrar cautela, tato, gentileza e paciência para com todos os membros do grupo; a estes, é necessário flexibilidade, tolerância e…acima de tudo, fraternidade.

Uma resposta

  1. Erico Coelho

    A vida como ela é … observe e transfira as dicas para uma reunião de trabalho … para um conflito familiar … a receita está ai . .. cabe a nós fazer uso com inteligência afinal seu uso não tem por intenção trazer certa hipocrisia ao dia a dia … mas sim colaborar para manutenção da Harmonia seja dentro do Templo … seja em qualquer ambiente de sua vida.

    Responder

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.