O primeiro contato que tive com o termo V.’.I.’.T.’.R.’.I.’.O.’.L.’. foi durante a minha iniciação quando me encontrava na Câmara das Reflexões.

Confesso que naquele momento, até mesmo em virtude das emoções que tomavam conta de mim em face daquela ocasião única, não tive a menor ideia do significado de tal expressão e não lhe dediquei esforços para compreendê-la, porém, hoje, sei que ela representa de forma resumida, nos dizeres do saudoso Ir.’. Nicola Aslan, o único trabalho do Aprendiz Maçom.

O V.’.I.’.T.’.R.’.I.’.O.’.L.’. é uma fórmula alquímica e hermética cuja sigla é composta de 7 (sete) letras e significa “VISITA INTERIOREM TERRAE RECTIFICANDOQUE INVENIES OCCULTUM LAPIDEM”, ou seja, Visita o Interior da Terra Retificando-te Encontrarás a Pedra Oculta.

Essa importante expressão em si não é outra coisa senão a profunda descoberta de si mesmo, na solidão, no seio da Terra, ou, doutro modo, é o símbolo universal da constante busca do homem para melhorar a si mesmo e a Sociedade em geral.

Para que possamos efetuar o V.’.I.’.T.’.R.’.I.’.O.’.L.’. é necessário, inicialmente, descermos nas profundezas da terra, ou seja, debaixo da superfície da aparência exterior que esconde a realidade interior das coisas e a revela. Isto é, necessitamos ir ao nosso interior, sem demagogias e falsas aparências.

Depois de nos encontrarmos com nós mesmos, é imperioso meditarmos e retificarmos o nosso ponto de vista e a nossa visão mental com o esquadro da razão e do discernimento espiritual e com isso encontraremos daquela pedra oculta ou filosofal que constitui o Segredo dos Sábios e a verdadeira Sabedoria.

A “pedra oculta” é a PEDRA DO SÁBIO que se pode transformar na PEDRA FILOSOFAL, a pérola da Filosofia Divina, e é essa que torna o homem um ser sublime, mais evoluído, justo e perfeito, no trajeto da Vida Universal. Tal é o objetivo do verdadeiro iniciado (Maçom, Templário, Rosacruz ou outro) que busca o conhecimento Sagrado e Divino.

O homem, ao se retificar interiormente, deixando de lado todos os vícios de uma vida anterior para adotar novos padrões de conduta moral, transforma-se em um novo homem e deixa à mostra a pedra oculta que há dentro de todos. Tal pedra ainda se encontra em estado bruto, necessitando ser trabalhada, lapidada.

O que só acontece com o aprendizado constante, com a prática incessante das boas ações, com o respeito às normas, com a presença constante em Loja, com a aplicação dos princípios fundamentais da Maçonaria, como a fraternidade e a humildade!

De nada adianta descobrir que em seu interior há uma pedra bruta, se essa pedra não é tocada, não tem a sua rusticidade conhecida, se nada se faz para seu polimento.

Esse polimento é pesado, o desbaste das arestas, dos excessos, é doloroso, mas necessário, para fazer crescer aquele que encontrou dentro de si o que o diferencia dos demais animais: a pedra oculta, isto é, a inteligência, a capacidade de raciocinar, de discernir entre o certo e o errado, de dominar o desejo pessoal, de vencer paixões e submeter vontades!

A menção à pedra oculta, ainda, significa atingir o mais profundo do EGO e é usada como originária da força dos alquimistas, que acreditavam na PEDRA FILOSOFAL, ou seja, aquela pedra que transformava os metais inferiores em ouro.

Esse processo de transmutação, visto pela alquimia prática como “pedra filosofal”, é também conhecido como Obra do Sol, ou Crisopeia, ou Arte Real.

Portanto, a prática do V.’.I.’.T.’.R.’.I.’.O.’.L.’. é um convite ao conhecimento do ser interior, da espiritualidade, já que a Arte Real é a transformação do homem inferior em um homem superior. A PEDRA OCULTA é a PEDRA DO SÁBIO, que pode se transformar na PEDRA FILOSOFAL, ou seja, dentro de cada homem há uma PEDRA OCULTA, conhecida também como PEDRA DO SÁBIO, que o diferencia do animal irracional e que qualifica o ser humano como tal.

Trabalhada a PEDRA DO SÁBIO, tem-se a PEDRA FILOSOFAL, ou a PEDRA POLIDA, surgida com a transformação do bruto Profano, em um novo homem, um Maçom.

Encontrada a pedra oculta, ou a PEDRA DO SÁBIO, mas esquecendo-se de que o trabalho com essa pedra bruta deve ser constante, o homem não avança, não cresce espiritualmente e a pedra permanece bruta, não mostrando a sua beleza interior, permanecendo carregada de impureza que a obscurece e a torna imprestável para o uso a que se destina.

O Maçom que mantém a sua pedra oculta com traços de impureza, causados por ações ou omissões denominadas vícios, não pode ser chamado de Maçom. Daí, pode-se afirmar, sem temor, que o trabalho do Maçom na pedra bruta deve ser diário, incessante, devendo ele com constância, visitar o interior da terra, retificando-se, na busca da pedra oculta.

Bibliografia

  • Comentários ao Ritual de APRENDIZ, VADE-MECUM INICIÁTICO, 3ª edição, Nícola Aslan, Editora Maçônica “A TROLHA” Ltda.;
  • “V.’.I.’.T.’.R.’.I.’.O.’.L.’. no ritual da iniciação maçônica” texto colhido do site Alquimia Interior
  • “V.’.I.’.T.’.R.’.I.’.O.’.L.’.” texto de autoria do Ir.’. Rui Gonçalves Doca do Grande Oriente de Goiás, Loja Maçônica Liberdade e União 1158 do Oriente de Goiânia, divulgado no site do Grande Oriente do Estado de Góiás

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.