Um dos grandes dilemas maçônicos é saber se podemos nos intitular maçons (Sou maçom!) ou se essa afirmativa não nos pertence e só pode ser feita por um outro maçom.

De fato, temos uma visão míope de nós mesmos. Tendemos a uma hipervalorização do nosso eu e, não raras vezes, em detrimento do outro… Explico melhor, fomos educados em um sistema de comparações em que um ponto geralmente é explicado ou visto em relação a outro. Tendemos ao comparativo e assim nos sentimos mais ricos quando vemos mais pobres, sentimo-nos mais bonitos quando vemos mais feios e assim por diante.

Ocorre que por vezes nossa miopia egocêntrica é tão grande que nos assustamos com nós mesmos ao vermos nossa imagem refletida em um espelho. Tendemos a não acreditar no que vemos… não é possível que seja eu…

Mas por vezes forçamos a barra e influímos na imagem do espelho, ou pelo menos no que ela está nos revelando. O feio se torna belo e assim por diante.

Assim, ao nos considerarmos maçons, em detrimento de sermos reconhecidos como tal, chamamos para nós um conjunto de características do “ser maçom” que muitas vezes não apresentamos, não temos.

Claro, sempre se pode invocar o formalismo. Sou maçom porque fui iniciado. Sou maçom porque pertenço à obediência tal… e etc. … Mas isso realmente nos confere a autoridade para nos denominarmos maçons?

O que é ser maçom ??? É somente ter sido iniciado ??? Não implica mais nada ???

Desde meus tempos de aprendiz escuto um trocadilho muito usual em nosso meio, principalmente quando não gostamos de um determinado Irmão: “fulano é um profano de avental” ou então, quando encontramos qualidades em um não iniciado: “é um maçom sem avental”…

Por certo ser maçom implica muito mais que ter passado por uma iniciação.

Também reverbera em meu pensamento uma frase muito pronunciada em iniciações: “bem-vindo meu Irmão; esperamos agora que assim como você entrou para a Maçonaria que deixe que essa entre em você, em seu coração e atitudes…”

Minha angústia, que motiva essa reflexão sobre SER MAÇOM, é a inépcia de nossos métodos “maçônicos” em muitos de nós. Não raro vemos Irmãos colados no grau de mestre, mestres instalados e, até no grau 33º, com exposições diametralmente opostas à nossa filosofia, com atitudes antagônicas ao que se desprende de nossas alegorias e símbolos.

Bem sei que deveria estar preocupado acima de tudo com a minha pedra bruta, evitando de reparar nas imperfeições de outras pedras, mas isso está se tornando impossível para mim, pelo que peço humildes desculpas aos meus Irmãos, mas não dá para “tapar o sol com a peneira”, empresto aqui voz há muitos que têm se chocado com palavras e atitudes de outros Irmãos.

Abate-me extremamente estar ao lado de Irmãos que acham que o cume de seus progressos na Maçonaria são os graus colados… ser grau 33º em seu rito, ser mestre “instalado”, estar autoridade maçônica e assim por diante e, deixam a humildade, a fraternidade, o carinho e virtudes trancados no armário, o armário da arrogância e da empáfia.

Abate-me saber que Irmãos são indiciados civil ou criminalmente pelos mais variados delitos ou crimes.

Abate-me ter conhecimento de Irmãos que batem em suas esposas, filhos e familiares.

Abatem-me as disputas para saber quem é mais maçom, quem tem o maior grau… quem foi melhor Venerável Mestre.

Não consigo entender também como alguns insistem em trazer o pior de suas práticas profissionais para o seio das Lojas. Estive em Lojas onde me senti como em um tribunal de justiça, onde se fazia de tudo menos aquela egrégora gostosa de estar entre Irmãos. Todas as palavras eram medidas com cuidado, os pronunciamentos eram cheios de erudição jurídica, menos maçônica. A sessão travava com os famigerados “pela ordem Venerável”…

E o que falar dos Irmãos entendidos em política. Raro é os ver apresentando um trabalho sobre alegoria ou simbolismo maçônico… a tônica é uma só: política.

Voltamos então ao fulcro desta reflexão: sou maçom ou sou reconhecido como tal ? O que significa ser reconhecido como maçom?

O que ou quem é o maçom ? Há algo que o diferencia de outro ente?

Se nos orientarmos pelos rituais e pela literatura maçônica teremos uma visão superidealizada do SER MAÇOM. Ele mais se parece com um super-homem, dotado de poderes extraordinários. Mas no convívio, no dia a dia, se desfaz essa visão do super-homem. Eu pelo menos nunca o encontrei entre nós, pelo menos não na forma idealizada. Muito menos em mim mesmo…

Está mais do que na hora de nos despirmos do modus profano. De tirarmos as nossas máscaras e darmos um passo em direção ao autêntico “ser maçom”. Está na hora de sermos maçons.

Reconheça que você não é o centro do universo!

Reconheça que outros podem vivenciar mais a maçonaria do que você!

Reconheça que graus de nada servem se seu coração e atitudes não passaram daquelas do grau 1 (pedra bruta)!

Reconheça que ser Mestre Instalado não lhe dá direitos acima de seus Irmãos!

Reconheça que tem pesquisado, estudado e refletido muito pouco em nossos símbolos, alegorias e ritualística!

Reconheça que tem faltado às sessões porque se acha melhor que aqueles que estão sempre lá, gostando ou não, ajudando nos trabalhos em Loja.

Reconheça que se é verdade que Maçonaria não se faz somente em Loja, também o é verdade que sem estar em Loja não se faz Maçonaria! É na Loja que exercitamos o submeter minhas vontades e fazer novos progressos na maçonaria. Não se iluda.

Reconheça que a Maçonaria não é clube social, partido político, confraria da cerveja ou o quintal de sua casa, terraço de seu apartamento, sala de seu trabalho, mas uma Ordem INICIÁTICA.

Reconheça, por fim, que você não é dono da Loja.

Deixe que as alegorias e símbolos tomem forma em seu interior e se manifestem em suas atitudes, não em meras palavras.

Deixe que o movimento da egregora maçônica lhe tome a mente, o coração.

Deixe que a humildade aflore em suas palavras e ações. Não tema, pode baixar a guarda, você está entre Irmãos.

Por fim, receba seu prêmio, não é um avental mais bonito que o dos outros Irmãos ou um título de MI ou 33º mas, tão somente uma ação: você é reconhecido como tal , sem sombras de dúvidas!

20 Responses

  1. maria madalena gomes de oliveira

    Gostaria muito de obter esse artigo pois gostaria muito de aplica-lo em minha palestra de maestria da Veneravel Ordem Rosacruz. Como dizem os senhores sou mestre instalada e emérita desta venerável ordem.
    Com os melhores votos de Paz Profunda. Sou Maria Madalena Gomes de Oliveira

    Responder
  2. maria madalena gomes de oliveira

    Gostaria muito de obter esse artigo que pode acrescentar muito aos meus estudos na Ordem Rosacruz entidade da qual sou mestre emérita, mas que continuo prestando serviços, ministrando palestras nessa instituição
    Com os melhores votos de Paz Profunda. Sou Maria Madalena Gomes de Oliveira

    Responder
  3. rodrigo

    A paciência, o silencio e a humildade do tal! Como sor, seremos mais em perplexidade das coisas que sobre virão eár de vim á pratica do ser, para exercer seus objetivos sobre a expectação do encoberto do interior com a iniciativa do poder que está em cada ser, dada a vocação, amigavelmente grato pela sua preciosa atenção.

    Responder
  4. Fabio de souza

    parabens meu querido ir.´. pelas sabias palavras,mais infelismente não são todos os irs.´. que cumprem com suas obrigações, como o dignicimo ir.´..
    eu voz parabenizo um milhão de vezes por sua sabedoria e saiba que G.a.d.u estara sempre presente em seus sabios estudos e em nossas lojas.
    ir.´.
    Fabio de souza m.´.m.´..

    Responder
  5. Rafael ( leitor do mundo profano)

    Humildemente peço liceça para postar:
    Parabens Caro Autor;
    É triste saber que no seio da mais admiravel Ordem existam a quem busque alimentar o seu ego e se destacar e com isso desviar-se ou desatentar a um momento (pelo que li em vosso site) pleno de crescimento e evolução em sua mais profunda essencia que se procede em vossas reuniões e trabalhos.

    A sociedade profana se deteriora cada dia, diante de valores distorcidos como que ter significa muito mais do ser, se esquecendo que o Filho de nosso Criador caminhou por este mundo de sandalias ensinando ao sabios e a todos “Amai-vos uns aos outos como eu vos tenho amado”.

    Amor Paz Empatia,

    Luz em vossos caminhos

    Abraços

    Rafael Kaszas.

    Responder
  6. Rafael

    E o quê, na prática, a Loja, a Ordem ou os Irmãos podem fazer para minimizar a proliferação destes maçons que não são dignos do título?

    Responder
  7. ROBERTO DE LIMA

    Bom dia meus caros irmaos
    Sou da grande loja brasileira G L B
    cavaleiros da luz nº 22.
    Quero dizer que estou feliz e participar do guia maçonico.
    Sou de Caraguatatuba litoral norte de SP.
    Otimo ano de muita paz amor e carinho que o grande arquiteto du universo nos ilumine sermpre.

    TFA

    IR Roberto de Lima

    Responder
  8. GAZE AIDAR

    Prezados senhores, realmente gostei da matéria, não possso dizer e nem falar muito a respeito sobre sua ordem maçonica porque não pertenço aos quadros. Gostei foi da forma direta e sem rodeio de alguem que enfim esta enxergando melhor que muitos, pelo que vi, uns se acham o “tal”, cheio de conchaves e cumplicidade que nada tem a ver com a ordem. Pelo que vejo novas visões estão surgindo dentro da renomada cerimonial milenar ‘IRMÃOS’, não tenho nenhum interesse sobre a ordem, mas gosto de tudo que seja renovação. Portanto onde ai tirania sou contra, onde ai conspiraçion soi contra, onde ai diferença de status soi contra, onde ai interesse particular soi contra, onde ai hierarquia abusiva soi contra, onde ai pression soi contra, onde ai vengança soi contra, onde ai problema personal a alguiem sin macula, soi contra. Bueno! mi espanhol es horrivel, assim es ´los que se creem superior a alguiem e se titula maçons de verdade. MUITO OBRIGADO, UM GRANDE ABRAÇO E PALMAS PARA O SR. DA MATÉRIA!!!TA NA HORA DE LIMPAR E MOSTRAR QUE A VIDA NÃO É BRINQUEDO E SIM RESPONSABILIDADE COM TODOS, INDEPENDENTEMENTE DE SER MAÇONS OU NÃO…

    Responder
  9. Roberto da Silva Chrysostomo

    Caros IIr.’. da A.’.R.’.
    “A Maçonaria é hoje (e não deveria sê-lo)um retrato fiel da nossa sociedade. Isto ocorre por se encontrarem nela inúmeros membros que foram convidados de modo equivocado por muitos IIr.’. que se baseiam em simples amizades da vida profana para fazer a apresentação de um nome. Creio que nas últimas décadas muitos convites são pouco estudados. Eu mesmo presenciei coisas deste gênero em minha última Of.’.
    Nela, vi certa vez uma reunião ser finalizada rapidamente pelo G.’.do M.’. ‘porque o jogo do Palmeiras estava para ser iniciado’ (!!!), e também as amizades dos IIr.’. serem mantidas inabaladas com pessoas do meu convívio profissional (médicos) que se comportavam de modo aético e até criminoso na cidade. Fui uma vez ameaçado de morte por um destes médicos sem que a Lj.’. fizesse nada…omissão completa. Combater a tirania, os preconceitos e os vícios? Onde?
    Incontáveis experiências deste tipo e de várias outras modalidades me fizeram perder a fé nas virtudes da Or.’. M.’., não nela própria e sim na sua prática em Lj.’.”
    Peço desculpas pelo relato, mas sei que continuarei exercendo a A.’. R.’. fora das OOf.’. até que uma luz milagrosa venha para me alegrar o espírito.

    Obs.: peço que sejam feitas as devidas correções no texto, como por exemplo a retirada de sinais, antes de ser colocado no site (caso isto ocorra)
    T.’.F.’.A.’.
    Roberto S. Chrysostomo
    Ad.’. desde 1999

    Responder
  10. Jose carlos

    Roberto LIma, infelizmente voce nao será reconhecido como tal, uma vez que a GLB é expuria.

    Procure uma Loja Regular (GOB-COMAB-CSMB)

    TFA

    Joca

    Responder
  11. abel Caetano Filho

    Ninguem é Maçom, somos reconhecidos como tal! Esse sem dúvida é um título que desperta a atenção do leitor. Pois aqueles que se iniciaram com um propósito primeiro,inspirados na frase do filosofo KANT, “O QUE DEVO FAZER?” fatalmente compartilham com você no mesmo pensamento. O PERSONALISMO está presente em nosso DNA, “desde a nossa colonização” legislar em benefício próprio, sempre fez parte da natureza humana,porém, para os TEMPLÁRIOS CONTEMPORÂNEOS, esse vício devia ser arrancado de forma cirurgica e o personalismo depois da iniciação, jamais deveria existir.
    Atitudes como a do Ir.mostram que nem tudo está perdido e que nos dias de hoje esse tipo de comportamento “RARO”, tornou-se brega e ultrapassado enfim… Afirmo que o objetivo de Ir. foi alcançado, é de atutides assim, dignas de um MAÇOM que nossa SOCIEDADE clama. Acredito em poder ver um dia, uma sociedade próxima da sociedade idealizada por Platão em a República, PARABENS pelo trabalho, que DEUS nos abençõe a todos.

    Responder
  12. Juliano dos Santos Pinto

    Sou membro da Ordem Rosacruz, AMORC e profundo estudioso da Maçonaria, gostei muito do presente texto, mesmo não sendo iniciado na Arte Real, me sinto maçom interiormente. Paz Profunda!

    Responder
  13. Luis Fernando Strobino

    Parabéns Amado Ir.’.
    São textos como o seu que nos fazem crescer espiritualmente e prosseguir na árdua tarefa de aparar as arestas.
    Que o Grande Geómetra continue lhe espirando grandes textos como esse.
    TFA

    Responder
  14. Roberto da Silva Chrysostomo

    Caro Ir.’. César Luiz:
    Seu texto é puro e verdadeiro, mas reflete um número inaceitavelmente grande de membros.
    Sinto-me como o Ir.’. – ABATIDO.
    T.’.F.’.A.’.

    Responder
  15. jacir

    SENHOR,muito oportuno estas considerções,embora eu seja leigo no assunto,percebo que a vaidade é inimiga da sabedoria,parabéns.

    Responder
  16. José Aparecido Moreira

    não pertenço a esta honrosa ordem de estudiosos, mas gosto do assunto acima explicado e gostaria de ter mais informações…quanto ao assunto é incrivel como o ser humano consegue sempre ser egoista e alguns conseguem ir mais além e com seu posto ou grau de sabedoria acabam colocando as pessoas e muitas vezes os irmãos sobre um julgo injusto e egoista, fazendo com que os outros se sintam subjulgados ou rebaixados…

    Responder
  17. Rogeriodemorais Adv

    Coaduno com seu ponto de vista meu ir.: e, já tinha refletido sobre isto. Não o ato de afirmar a minha condição de maçom que me torna um maçom e sim o reconhecimento das pessoas ( maçons ou profanos). Rogério de Morais Alves. ABRLSM União Maçônica Mamanguapense n° 01 GOPB.

    Responder
  18. ULLYSSES BARROSO PIMENTEL

    Prezado César Luís Bueno Gonçalves, apesar de não fazer parte desta Grande Instituição, parabenizo, pela matéria, pois este mal não é e, não está somente na Maçonaria. Hoje em dia, convivemos com este tipo de comportamento em todos os seguimentos, seja no cerne da Família, no Trabalho, ou seja o ser humano está perdendo a essencialidade de um Ser melhor para ter o melhor, isso infelizmente é degradante.

    Responder
  19. Vanderlei

    Muito Boa Noite. Gostei muito desse artigo, meus IIr.’. continuem fazendo esses artigos, nós Ap.’. agradecemos muito. Pertenço à G.L.O.S.M.A.B, muito obrigado fique com Deus

    Responder

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.