O Verdadeiro Segredo Maçônico
Fernando Pessoa

O verdadeiro Segredo Maçônico…
É um segredo de vida
e não de ritual
e do que se lhe relaciona.
Os Graus Maçônicos comunicam àqueles que os recebem,
sabendo como recebê-los,
um certo espírito,
uma certa aceleração da vida
do entendimento
e da intuição,
que atua como uma espécie
de chave mágica dos próprios símbolos,
e dos símbolos
e rituais não maçônicos,
e da própria vida.
É um espírito,
um sopro posto na Alma,
e, por conseguinte,
pela sua natureza,
…incomunicável

Pedagogia Maçônica
A pedagogia é a ciência que estuda a educação em todo seu conjunto, analisando formas cada vez mais atuais e eficazes para o ensino e a aprendizagem.
A pedagogia estuda os métodos de ensino e sua validade e observa quais os conteúdos são válidos e necessários para que o educando possa viver no mundo e interagir socialmente.

A educação busca capacitar o homem a ser melhor em todos os sentidos, potencializando seus saberes para ser livre das amarras da ignorância. Educar envolve liberdade para aprender e capacidade para decidir. A educação transforma o ser humano. A pedagogia como ciência que estuda a educação, mostra-se totalmente prática. Para exercer essa prática é necessário um currículo, conhecimentos sistematizados em ordem necessários para que o indivíduo possa estar habilitado para realizar alguma tarefa.

Neste sentido o que seria uma pedagogia maçônica?
Seria então, o processo pelo qual o ensino e aprendizagem dos postulados maçônicos são ensinados e absorvidos, outrossim, seria entender o método pelo qual a maçonaria educa seus obreiros.

A maçonaria está didaticamente dividida em simbólica e filosófica, dizemos didaticamente, haja vista, que nos graus iniciais são também discutidos temas filosóficos, mas a ênfase está direcionada nos símbolos e nos utensílios que constituem uma loja. O primeiro processo educativo maçônico é chamado de Iniciação.

Na iniciação são apresentados ao novo maçom um apanhado de elementos simbólicos e experienciais que vão lhe facultar a ingressar na ordem. Assim, na iniciação o processo pedagógico maçônico vai sendo realizado. Ao ser apresentado a estes símbolos o novo maçom deverá refletir sobre seu ingresso na ordem e sua proposta de mudança.

A palavra refletir é uma palavra latina – reflectere, que significa olhar para o espelho, o que ocorre quando olhamos para o espelho? Nós nos vemos, então, esta reflexão é um olhar para si mesmo, perceber o ser humano que é até adentrar na maçonaria e também o novo homem que ele deseja ser a partir de seu ingresso

O Símbolo como Método
A pedagogia estuda também os métodos de ensino, é através da prática que se busca implementar um processo educativo. A pedagogia maçônica tem como disciplina a simbologia. Os símbolos são a união de algo visível, o que ele mostra, com o abstrato, o que pode ser.

O símbolo é revestido de sentido transcendente e espiritual. Transcendente, porque os maçons através dos aprendizados acessam a graus e estes vão formando saberes necessários da trajetória maçônica e a realização de seus trabalhos. Espiritual, porque acredita na centelha divina que é o espírito imortal e que Deus, o Grande Arquiteto do Universo nos criou e nele dependemos de tudo, e sem Ele, nada podemos fazer. Por isso, a sua presença é sempre aclamada em todas as ações.

O Símbolo é algo que representa outra coisa. O termo símbolo tem origem grega (sýmbolon), ou seja, um sinal de uma realidade concreta que represente algo abstrato (como no caso da cruz que representa o Cristianismo).

A maçonaria ao recorrer aos símbolos, está construindo um método maçônico de ensino. Método é uma palavra que vem do grego, methodos, composta de meta: através de, por meio, e de hodos: via ou caminho. Servir-se de uma metodologia é antes de tudo, tentar ordenar o trajeto através do qual se possa alcançar os objetivos projetados. Neste sentido, o método é o caminho que utilizamos para chegar a algum lugar. Os ensinamentos maçônicos utilizam a simbologia como caminho para que o maçom possa chegar a alcançar novos degraus na ordem e na sua autotransformação.

Em sua “Encyclopedia of Freemasonry”, o autor Albert Galatin Mackey nos diz:
“A Maçonaria é um sistema de moralidade desenvolvido e inculcado pela ciência do simbolismo. Este caráter peculiar de instituição simbólica e também a adoção deste método genuíno de instrução pelo simbolismo, emprestam à Maçonaria a incolumidade de sua identidade e é também a causa dela diferir de qualquer outra associação inventada pelo engenho humano. É o que lhe confere a forma atrativa que lhe tem assegurado sempre a fidelidade de seus discípulos e a sua própria perpetuidade.”

Nesta perspectiva, Jean-Pierre Bayard, em sua obra “A Franco-Maçonaria”, define o simbolismo:
“O simbolismo é a linguagem individual quotidiana, psicológica à escala cósmica, supra-individual. Pode variar na sua expressão, nas suas representações exteriores, mas os seus fundamentos permanecem imutáveis”…os símbolos não são simples imagens passivas, transformadores de energia psíquica, modificam a natureza secreta do homem. O símbolo não é um conceito sábio, em entidade abstrata, mas sim uma lei profunda, que exerce o seu poder sobre a natureza interior do ser humano. O símbolo permite a transmissão da mensagem, veicula o elemento central da ideia, para além das diferenças de cultura e de civilização.
Esta totalidade de informações simbólicas e vivenciais provocam a busca também do conhecimento de si mesmo. Então o símbolo é um arquétipo visível e vivencial que o maçom utiliza para entender a maçonaria, que, por conseguinte, é uma sabedoria que promove transformação do indivíduo em um maçom, aquele que é dotado de conhecimentos e habilidades que transformam a pedra bruta em polida, simbolicamente falando. Ou seja, uma nova criatura a partir dos conhecimentos que obteve e vivenciou.

O método maçônico através do símbolo não é somente transmissão de conteúdo, é uma vivência prática. E este conteúdo é absorvido intuitivamente. Como está escrito na poesia de Fernando Pessoa, ela é incomunicável, mas é percebida, sentida e vivenciada.

O Ritual
O processo educativo maçônico é alicerçado pelo ritualismo, que com seu hermetismo só poderá ser revelado na sua totalidade intuitivamente. Assim, o processo educativo maçônico é aquele em que o educando (o maçom) recebe instruções e os vivencia na prática através dos rituais, que são a forma didática de melhor desenvolver estes saberes.

No ritual o maçom encontra uma linha condutora de suas ações em loja. Numa perspectiva maior é também uma maneira de entender a ordem e a perfeição do universo, criação do Grande Arquiteto.

É na observação do caminho que o ritual indica, que o conteúdo pedagógico maçônico é absorvido. Ao acompanhar os rituais, o maçom segue um caminho para desvendar o conhecimento, mas este conhecimento também está no seu entorno. O templo maçônico ensina, pela sua organização e arquitetura, os obreiros que ali trabalham, ensinam por executar os trabalhos que devem realizar e todos aprendem em comunhão.

Sobre o Autor

ARLS Arca da Aliança n° 172 GLMEBA - CMSB Oriente de Salvador

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.