INTRODUÇÃO

A Maçonaria buscou sua essência filosófica nas mais diversas escolas do pensamento humano. Embora imperfeita essa definição, nos dá a convicção de que a Ordem Maçônica foi, e deve continuar a ser, a união consciente de homens inteligentes, virtuosos, desinteressados, generosos e devotados, irmãos livres e iguais, ligados por deveres de fraternidade, para se prestarem mútua assistência e concorrerem, pelo exemplo e pela prática das virtudes, para esclarecer os homens e prepará-los para a emancipação progressiva e pacífica da humanidade.

É possível descobri-la entre os filósofos gregos, dos períodos romano e helenístico. Sua identificação fica mais clara ainda, quase que em sua totalidade, junto às escolas filosóficas modernas: Renascimento, Racionalismo e Iluminismo. O grande objetivo das escolas modernas era a liberação da consciência humana.

Além da prática do livre pensamento, a filosofia moderna traz impregnada em sua estrutura, um programa que vai desde a valorização da vida natural, passando pela ciência e investigação científica, até o reconhecimento dos valores e direitos individuais.

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

A Maçonaria é uma Ordem Universal, formada por homens de todas as raças, credos e nacionalidades, acolhidos por iniciação e congregados em Lojas, nas quais, por métodos ou meios racionais, auxiliados por símbolos e alegorias, estudam e trabalham para a construção da Sociedade Humana.

É fundamentada no Amor Fraternal, na esperança de que com Amor a Deus, à Pátria, à Família e ao Próximo, com Tolerância, Virtude e Sabedoria, com a constante e livre investigação da Verdade, com o progresso do Conhecimento Humano, das Ciências e das Artes, sob a tríade – Liberdade, Igualdade e Fraternidade – dentro dos princípios da Razão e da Justiça, o mundo alcance a Felicidade Geral e a Paz Universal.

Seus princípios fundamentais são:

• A Maçonaria proclama, desde a sua origem, a existência de um PRINCÍPIO CRIADOR, ao qual, em respeito a todas as religiões, denomina Grande Arquiteto do Universo;

• A Maçonaria não impõe limites à livre investigação da Verdade e, para garantir essa liberdade, exige a maior tolerância;

• A Maçonaria é acessível aos homens de todas as classes, crenças religiosas e opiniões políticas, excetuando aquelas que privem o homem da liberdade de consciência, restrinjam os direitos e a dignidade da pessoa humana, ou que exijam submissão incondicional aos seus chefes, ou façam deles – direta ou indiretamente – instrumento de destruição, ou ainda, privem o homem da liberdade de manifestação do pensamento;

• A Maçonaria Simbólica se divide em três Graus, universalmente Reconhecidos e adotados: Aprendiz, Companheiro e Mestre;

• A Maçonaria, conquanto abrigue adeptos das mais diversas opiniões políticas e religiosas, mas livres e de bons costumes, proíbe, expressamente, todo e qualquer debate sobre sectarismo político ou religioso em seu nome, dentro ou fora dos seus Templos;

• A Maçonaria tem por fim combater a ignorância em todas as suas modalidades; é uma escola que impõe este programa: obedecer às leis do país; viver segundo os ditames da honra; praticar a justiça; amar o próximo; trabalhar, incessantemente, pela felicidade do gênero humano e conseguir sua emancipação progressiva e pacífica.

• A Maçonaria proíbe, expressamente, toda discussão religiosa sectária ou político-partidária em seus Templos;

• A Maçonaria adota o Livro da Lei, o Esquadro e o Compasso, como suas Três Grandes Luzes Emblemáticas. Durante os trabalhos, em Loja, deverão estar sempre sobre o Altar dos Juramentos, na forma determinada nos Rituais;

• A Maçonaria, cujo objetivo é combater a ignorância em todas as suas Modalidades, constitui-se numa escola mútua, impondo o seguinte Programa: * Obedecer às leis democráticas do País; * Viver segundo os ditames da Honra; * Praticar a Justiça; * Amar ao Próximo; * Trabalhar pela felicidade do Gênero Humano, até conseguir sua emancipação progressiva e pacífica.

A par desta Definição de Princípios Fundamentais, e da declaração formal de aceitação dos Landmarks, codificados por Albert Gallatin
Mackey, a Maçonaria proclama, também, os seguintes postulados:

» O amor a Deus, à Pátria, à Família e à Humanidade;

» O respeito aos direitos e garantias individuais e o cumprimento dos próprios deveres, dando a cada um, o que for justo, de acordo com a sua capacidade, trabalho, obras e méritos;

» A exigência de boa reputação moral, cívica, social e familiar como condição primordial ao exercício da profissão maçônica, pugnando pelo aperfeiçoamento e aprimoramento dos costumes;

» O combate ao fanatismo e às paixões que acarretam o obscurantismo;

» O combate a todos os vícios;

» O reconhecimento de que o trabalho lícito e digno é dever primordial do homem;

» A prática da caridade e da beneficência, incentivando o solidarismo, o mutualismo, o cooperativismo, o seguro social e outros meios de ação social;

» Para elevar o homem aos próprios olhos e torná-lo digno de sua missão sobre a terra, a Maçonaria erige em dogma que o Grande Arquiteto do Universo deu ao mesmo, como o mais precioso dos bens – a LIBERDADE –, patrimônio da humanidade inteira, cintilação celeste que nenhum poder tem o direito de obscurecer ou de apagar, pois que é a fonte de todos os sentimentos de honra e de dignidade;

» Àquele para quem a religião é o supremo consolo, a Maçonaria diz: “Cultiva, sem cessar, tua religião, segue as aspirações de tua consciência; a Maçonaria não é uma religião, não tem um culto; quer a instrução leiga; sua doutrina condensa-se nesta máxima: AMA TEU PRÓXIMO”;

» Àquele que, com razão, teme as discussões políticas, a Maçonaria diz: “Eu condeno qualquer debate, qualquer discussão política em minhas reuniões; serve, fiel e devotadamente, à tua pátria e não te pedirei contas de teus credos políticos. O amor à pátria é perfeitamente compatível com a prática de todas as virtudes; minha moral é a mais pura, pois se funde sobre a primeira das virtudes – a SOLIDARIEDADE HUMANA”;

» O verdadeiro Maçom pratica o bem e leva sua solicitude aos infelizes, quaisquer que sejam eles, na medida de suas forças, de modo sigiloso e sem humilhar o necessitado. O Maçom deve, pois, repelir, com sinceridade e desprezo, o egoísmo e a imoralidade;

» Os ensinamentos maçônicos induzem seus adeptos a dedicarem-se à felicidade de seus semelhantes, não porque a razão e a justiça lhes imponham esse dever, mas porque esse sentimento de solidariedade é a qualidade inata que os fez filhos comuns do Grande Arquiteto do Universo e amigos de todos os homens, fiéis observadores da Lei do Amor Universal.

Em obediência a estes princípios, o objetivo da Grande Loja Maçônica do Estado da Paraíba é manter, em sempre crescente progresso para a Maçonaria, o seu antigo e verdadeiro caráter de apostolado da mais alta moralidade, da prática das virtudes, da LIBERDADE, da IGUALDADE e da FRATERNIDADE, com consciente subordinação, disciplina e leal fraternidade, a fim de que os Maçons, ampliando e fortificando todas as faculdades morais e espirituais, possam cumprir seus mútuos deveres e infundir, nos usos e costumes da sociedade civil, os sãos princípios da filosofia humanitária.

CONCLUSÃO

É, pois, um sistema e uma escola não só de moral, como de filosofia social e espiritual, reveladas por alegorias e ensinadas por símbolos, guiando seus adeptos à prática e ao aperfeiçoamento dos mais elevados deveres do homem cidadão, patriota e soldado.

Praticando o bem sobre o plano físico e moral, a Maçonaria reúne em seu seio todos os homens, como irmãos, sem lhes distinguir por raça, classe, crença ou preferência política.

Por isso e para evitar o afastamento de seus nobres e sublimes fins, a Maçonaria exige que só sejam iniciados em seus Mistérios aqueles que, crendo na existência de Deus e em sua vontade revelada, bem compreendam os deveres sociais e, alheios a elogios mútuos e inclinações contrárias aos rígidos princípios da moralidade, a busquem, movidos pelos altos interesses do amor fraternal.

A Maçonaria é, portanto, o progresso contínuo por ensinamentos em uma série de graus, visando, por iniciações sucessivas, incutir no íntimo dos homens a LUZ CELESTIAL, ESPIRITUAL e DIVINA, que afugentando os baixos sentimentos de materialidade, de sensualidade e de mundanismo, e invocando, sempre, o Grande Arquiteto do Universo, os torne dignos de si mesmos, da família, da pátria e da humanidade.

BIBLIOGRAFIA
http://lojamaconicasaojose14.blogspot.com.br/2013/12/principios-
fundamentais-da-maconaria.htmlt
http://www.lojasaopaulo43.com.br/filosofia.php

Princípios Fundamentais

Sobre o Autor

ARLS União Ipuanense n° 3580 GOB/GOSP Oriente de Ipuã

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.