HOJE SÃO 21 DE JANEIRO DE 2017.

No GOIPE, Grande Oriente Independente de Per- nambuco, os maçons que lhe são liados, iniciam suas atividades templárias, dando-se a largada para um tempo de grandes desa os.
Encontra, em sua jurisdição, uma humanidade pu- jante, rica em sua história, devendo-lhe o Brasil densa participação, com heroísmo, na formação política e so- cial que resultou na unidade de seu território e de seu idioma, na Independência e na Abolição da escravatura.

Todavia, de par com isto, povoando as periferias dos grandes centros urbanos, existem comunidades carentes no aguardo do amparo para seu desenvolvi- mento e da luz para clarear seus passos na caminhada pela inclusão nos benefícios da prosperidade.

A sociedade (e dentro dela os maçons) defronta-se com os males daqui que são as mesmas vicissitudes de que padece a Nação: -um cruel, e renitente esgarçamen- to do tecido político, em que se destacam a enganação do povo, diante da falta de resgate das promessas em tempos eleitorais; a corrupção na condução da coisa pública; o empobrecimento econômico; muitos milhões de desempregados; a impunidade e a ausência de rme- za na implantação do império dos bons costumes.

Da parte do GOIPE, somos menos de 1.000 construtores sociais, distribuídos em 58 Lojas Maçônicas. Não nos importemos com a quantida- de. Vale o espírito de luta. Nesta jornada, conta a qualidade, sedimentada na formação, na solidez do caráter solidário e no firme compromisso com os nossos ideais, o que temos em abundância e não nos faltará, porque o Grande Arquiteto do Universo, em QUEM tanto confiamos, esteve e sempre “será conosco”. É como se a sabedoria popular fosse uma iluminação pisca-pisca à nos- sa frente, alertando em cada instante: “o pouco com Deus é muito”.

O que fazer, quando “a messe é grande e os ope- rários são poucos”? Quando tudo é caos e se torna urgente estabelecer-se a ordem?. Os ensinamentos divinos, em parábola, sem menosprezo ao livre- -arbítrio, indica caminhos “semear”, por exemplo, sendo um deles. Então, agora, mais que nunca, “é sair a semear …” Ir ao teatro de operação Estar nele, com a ação e o exemplo, especialmente este que no dizer de Vieira “é o maior de todos os sermões”.

A LOJA, amados Irmãos, NÃO É O LIMITE. A Loja É A VERTENTE. A ela devemos ir não por uma obrigação, MAS POR AMOR. Para, no conví- vio com os irmãos, “auxiliarmo-nos uns aos outros na aprendizagem da prática das virtudes”. Para aprender a semear e sair a fazê-lo. Olhemos para o AVENTAL! Ele é o símbolo do trabalho…O seu uso nos lembrará as emoções da iniciação e, ao mesmo tempo, aguçará, em cada um de nós, os sentimentos de responsabilidade em sal- dar os compromissos daquela cerimônia assumidos para toda a vida.

Saint-Simon parecia profetizar a nosso respeito, ao escrever que o período áureo da humanidade não estava no passado, e sim no futuro, nos dias que haveriam de vir. Lindo registro, mas, reparando bem, uma rigorosa convocação! Por isto devemos encarar que o “justo e o perfeito”, o “melhoramento dos costumes”, o “tornar fe- liz a humanidade”, o “espírito de FRATERNIDADE”, por serem objetivos inerentes à Ordem, não devem ser expressões para enfeitar nossos discursos.

Mais ainda, devemos é estar alertas, porque, em- bora o caminho para colimação dessas metas pareça continuar sendo o mesmo, outros porém, serão os jeitos do caminhar, impostos pela própria evolução, produtos da inovação e da tecnologia, muitos dos quais já disponíveis nas prateleiras dos negócios, re- clamando uma urgente atenção de todos, porquanto se constituam sinais desse novo tempo.

Sobre o Autor

Presidente da ABIM (Associação Brasileira da Imprensa Maçônica) na sede do GOIERN, em 20 de agosto de 2014, durante  Sessão Magna Pública comemorativa do DIA DO MAÇOM.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.