A parentemente, numa interpretação rápida, deste título, um ponto preto, sobre um papel branco, pode signi car muitas coisas. Uns diriam que é maneira de vermos nossos er- ros e nossas falhas. E, que além deste ponto preto, há um mundo de branco, signi cando que temos muito ao nosso redor. Porém, não estamos acostumados a ver sob um ângulo diferente ou não estamos acostu- mados, e, quem sabe, preparados, para o in nito de oportunidades que este mundo branco nos oferece.

Meus Irmãos! Pensem, num ponto preto, sobre um papel branco!
O que signi ca para vocês? Seria somente uma brincadeira? Um teste psicológico para avaliação de personalidade?
Nenhum nem outro, eu diria! Para esta refle- xão trata-se apenas de uma parábola para chamar a sua atenção.
Se pararmos para analisar essa parábola, segundo os conceitos da Maçonaria, poderíamos dizer: Um ponto preto seria as nossas imperfeições e o branco, imenso, a puri cação, a clareza das nossas atitudes e a conduta das nossas vidas. Outros dirão: O ponto preto, no papel branco, signi ca o profano, imperfeito, sozinho, sem tra- balhar a pedra bruta, enquanto o branco representa a Maçonaria, sem manchas, sem problemas, sem mácula, esperando que ele ingresse nos seus au- gustos mistérios e passe a trabalhar a pedra bruta, em busca da perfeição.

Será que esta parábola não poderia estar representando um Irmão que se sente sozinho numa Loja?

Alguns, mais exotéricos, diriam tratar-se de DUALIDADE, que está sempre presente em nos- sas vidas, pois representa os opostos e a diversida- de da raça humana.
Eu, na minha modesta forma de pensar, vejo que o significado de um ponto preto so- bre um papel branco, pode muito bem, sim- bolizar um Irmão, em meio à multidão de Maçons, que pode, ou não, fazer a diferença, no lugar onde está.

Ao pensarmos em Dualidade, chamo-lhes a aten- ção para observarem o nosso Pavimento Mosaico. A representação pura da Dualidade! Porém, neste momento, ao observá-lo mais atentamente, veremos que ele, apesar de suas diferenças, representa a união entre Maçons de todo o planeta. E como tal, ele nos remete ao Amor, Tolerância, Criatividade, Iniciativa, Amizade, Admiração, Ajuda, Facilidade e Inclusão.

Mas, quando falamos em um único ponto preto, e, em Dualidade, não poderíamos deixar de pensar nos TRÊS PONTOS. Esses, que usamos para nos identi- carmos e para abreviarmos nossas palavras. Pontos estes que sabemos tratar-se de um símbolo maçônico, que para nós vem a ser o símbolo da dis- crição, os quais constantemente nos vêm à memoria no momento em que os colocamos, em nossas assina- turas, em qualquer documento. Ao mesmo tempo em que os três pontos produzem o triângulo, primeira gura das superfícies geométri- cas e aquela de deu origem a trigonometria, base de todas as medidas, os simbolistas dão ao triângulo a ideia de eternidade ou de Deus, sendo que os três ân- gulos signi cam Sabedoria, Força e Beleza. Ou seja: Atributos do Grande Arquiteto do Universo.

Neste sentido, os três pontos formam uma das mais simples guras geométricas, tornando- -se, para nós Maçons, uma representação grá ca da IDEIA TERNÁRIA, a qual poderá estar ligada a existência de centenas de ternários. Basta-nos, pensar e formá-los: Pode ser Pai, Mãe e Filho, Passado, Presente Fu- turo, Vontade, Sabedoria e Inteligência e muitos
ou- tros ternários. Mas, para a nossa re exão de hoje, ao iniciar fa- lando de um ponto preto sobre um papel branco, que- ro perguntar:

Será que esta parábola não poderia estar represen- tando um Irmão que se sente sozinho numa loja?
Não poderia ser um Irmão sentindo-se PRETERI- DO pelos demais?Ou seria um Irmão que está sozinho, porque não conseguiu vencer suas paixões e, ao contrário do que pregamos, somente ergueu templos aos seus vícios? Deixando, nesse momento, a VAIDADE exacerbar sobre suas virtudes?
Ao contrário de pensarmos que somos apenas um ponto preto sobre um papel em branco, porque não pensamos que poderíamos ser TRÊS PONTOS PRETOS sobre um papel em branco, representando a UNIÃO e a MAÇONARIA, como deve ser, enquanto instituição coesa?
Sim! Meus irmãos! Podemos ser três pontos pre- tos, como um ternário, denominado FORÇA, UNIÃO E ALIANÇA.
Não queremos pensar na ideia desses três pontos for- marem Lojas onde estes não representam a união, e sim, TRÊS PONTOS que simbolizam grupos diferentes, com ideias divergentes dentro de uma mesma O cina.

Penso na Maçonaria, ou em Lojas, onde este ter- nário seja: Clareza, Transparência e Nitidez.
E sei que este também é o pensamento de vários Irmãos, de muitas outras Lojas.
É para mudarmos isso que participamos em as- sembleias de Maçons.
Porque, quando nos foi dada a LUZ, ao entrarmos para a Ordem, essa LUZ deveria advir deste ternário: Clareza, Transparência e Nitidez.
E, este ternário, deve ser seguido à luz do que diz as escrituras e os ensinamentos da Ordem.
É por isso que continuamos, visitamos lojas, estu- damos nos graus losó cos, buscamos seus mistérios!
E para que meus Irmãos? Porque queremos Lojas, unidas como um time, fazendo diferenças, fazendo- -nos sentir úteis e incluídos.
É para isso que trazemos as mensagens a todos os Irmãos, mas, principalmente aos Irmãos Aprendizes que são, e sempre serão, os sustentáculos da Maço- naria do futuro.
Participamos para não precisarmos ler Peças de Arquitetura falando sobre Evasão Maçônica, para não recebermos e-mails ou informativos falando so- bre fechamento ou desligamento de lojas.

Esforçamo-nos para não ouvir Veneráveis Mes- tres lendo, no Oriente, pranchas de Irmãos solicitan- do licenças desligamentos, Kits Placet’s, exatamente, TALVEZ, por sentirem-se… Apenas um ponto preto, sobre um papel branco. Participamos sim! Para que todos saibam que ne- nhum Maçom deve sentir-se apenas um SIMPLES ponto preto sobre um papel branco. Antes disso, seremos Três! Cinco! Sete! E de- pois mais! E o branco, a nossa volta, será o universo de possibilidades que nós Maçons, temos bem ali, ao nosso alcance.

Basta nos unirmos, com AMOR, VONTADE e INTELIGÊNCIA.
Mas, antes de tudo, eu vos convido a re etir e pergunto-lhes:
Você! Enquanto “apenas” um ponto preto, sobre um papel em branco (que representa a sua loja) está em que posição? Um Excluído?, Um Soberbo? Ou um Agregador?
Se estiver na posição de Excluído, grite! Manifes- te-se! A nal, não somos Irmãos?
Se te encontras na posição de Soberbo, desculpe- -me, mas… NÃO SOIS MAÇOM!
Agora, se a sua escolha foi AGREGADOR, en- tão meu irmão, você poderá parar, pensar, fechar os olhos, respirar fundo, dar um sorriso com o canto dos lábios, olhar em frente, levantar a cabeça, sentir o vento tocar-lhe levemente a face e falar pra si mesmo:
É verdade! Eu não sou apenas um ponto preto so- bre um papel em branco.
Eu sou um Maçom, Eu acredito, Eu participo, Eu compartilho… Eu faço a diferença!!!!
E COMO TAL… MEUS IRMÃOS ME RECO- NHECERÃO!!!
Que a Paz do G.:A.:D.:U.: descanse sobre vos- sos corações.

Sobre o Autor

ARLS Cavaleiros da Luz, n ̊ 205 Oriente de Campinas • GOP/COMAB

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.