Nós, Maçons, devemos compreender que toda atividade humana, a qual possa se denominar por trabalho, requer uma preparação prévia, seja ela de natureza física, espiritual e até mesmo no mundo das ideias. Para que a execução de tarefas, das mais simples às mais complexas, seja justa, perfeita e produtiva, dirigida à honra e glória do Grande Arquiteto dos Mundos, o obreiro profícuo, zeloso e laborioso deve contar, no mínimo, com duas premissas indispensáveis: O Planejamento e o Preparo Individual.

Em planejamento, é cediço, que a Maçonaria já é pródiga, pois trouxe no seu bojo, através dos séculos, os aprendizados e ensinamentos contidos em seus Rituais e Regulamentos, suas Constituições e Códigos de Moral e Landmarks.
Porém, uma vez que se trata de questão pessoal e individual, cada um de nós, Maçons, necessita, urgentemente, de compreender a importância de aprimorarmos, cada vez mais, a preparação e introspecção individual prévia, visando potencializar os bons fluídos emanados durante nossos trabalhos.

O objetivo desta humilde peça de arquitetura é dar alguns subsídios e orientações sobre a necessidade da preparação – física e psíquica – que o Maçom deve ter, antes de sua chegada ao Templo e/ou durante sua permanência nas Salas que antecedem o Templo, até o início dos trabalhos ritualísticos.

Primeiramente, há que se ter em mente que o Templo Maçônico – por ter sido consagrado como um lugar divino, onde o Maçom, ritualisticamente, venera as virtudes e mentaliza as boas ações, para a formação da egrégora – é um lugar sagrado e merecedor de todo nosso respeito e dedicação, tanto quando ainda não iniciaram quanto após o encerramento das Sessões.
Portanto, antes do início das Sessões só devem nele circular aqueles que, por dever de ofício maçônico, sejam obrigados a fazê-lo, ou, ainda, o Venerável Mestre, para meditação individual ao se preparar para conduzir os trabalhos em Loja.
Os demais Obreiros deverão permanecer nas antessalas (sejam elas, na Sala dos Passos Perdidos ou no Átrio) fazendo uma introspecção espiritual, elevando pedidos de que os trabalhos sejam harmônicos e frutuosos, bem como se paramentando para o início dos trabalhos, no mais profundo e digno silêncio.

Ademais, recomenda-se então, nesse sentido, alguns outros procedimentos preparatórios prévios, que fortalecerão os laços energéticos e a circulação dos bons fluídos durante os trabalhos:

1- A não ser por motivos relevantes, como os de ordem profissional – quando o Irmão sai diretamente de seus afazeres profanos em direção à Loja – deve-se fazer sua higiene pessoal (tomando banho, escovando-se os dentes, aparando a barba, cortando-se as unhas, dentre outras), colocar roupas e sapatos limpos e confortáveis. Tais fatos possuem efeitos relaxantes, calmantes e esta sensação de bem-estar ajuda a preparar psiquicamente o Obreiro. Recorde-se, de outro lado, que devemos estar devidamente preparados, bem vestidos e perfeitamente hígidos para nos congregarmos espiritualmente uns com os outros, e todos com o Grande Arquiteto do Universo;

2 – Uns poucos minutos de meditação e reflexão, sobre a importância dos trabalhos a serem realizados, devem ser feitos – ainda em casa ou a caminho da Oficina – com pensamentos positivos e construtivos em relação à Loja e à Maçonaria. Não sendo possível, durante o trajeto, sugere-se que este momento de introspecção seja realizado nas salas antecedentes ao Templo, antes da entrada do cortejo. O pensamento positivo gera uma grande sintonia com o bem-estar, o bem fazer e o bem comum, religando-nos diretamente com o Grande Arquiteto do Universo;

3 – Qualquer rancor ou mágoa em relação a um Irmão, principalmente relacionados a assuntos profanos, devem ser esquecidos ou, de preferência, solucionados antes da chegada à Loja, pois o pensamento negativo ou sentimentos vis tendem a quebrar ou interromper a circulação dos bons fluídos emanados pelos demais Irmãos. Recordemo-nos de nossos ensinamentos, no sentido de que, para a perfeita harmonia, paz e ordem dos trabalhos, melhor é que um obreiro se exima de participar da sessão do que nela adentrar e transmitir energias negativas aos demais presentes;

4 – Não se alimentar ou, então, fazer uma refeição leve antes dos trabalhos. Sabemos que, para fazer a digestão, uma grande quantidade de sangue é deslocada para o aparelho digestivo, diminuindo, assim, a irrigação cerebral e, consequentemente, reduzindo, sensivelmente, o potencial psíquico e espiritual do Irmão. Logicamente, aqueles que possuem necessidade de se alimentar de forma regrada, por orientação médica, devem fazê-lo, para seu próprio bem-estar. Mas os exageros devem ser evitados, à bem do sucesso da sessão;

5 – Abster-se, completamente, de bebidas alcoólicas no horário que antecede a reunião, do dia em que vais frequentar. Por motivos óbvios, ingressar em qualquer Templo alcoolizado, incluindo o Maçônico, é sinal de desrespeito, falta de educação, demonstrando pequenez espiritual e afrontando os preceitos morais da Ordem, além de agredir, violentamente, as forças cósmicas que atuam durante nossos trabalhos. Além disso, o álcool nos retira a inteireza de discernimento e razão, podendo gerar a falta de prudência e harmonia necessárias a uma reunião producente. Aliás, em reuniões de cunho maçônico, dentre elas as administrativas, deve ser evitado o uso de álcool, já que este reduz nossa percepção de polidez, respeito e prudência, o que é essencial para que sejam evitadas discussões e debates desnecessários que possam levar à conflitos entre Irmãos;

O Templo Maçônico é um lugar sagrado e merecedor de todo nosso respeito e dedicação, tanto quando ainda não iniciaram quanto após o encerramento das Sessões

O Templo Maçônico é um lugar sagrado e merecedor de todo nosso respeito e dedicação, tanto quando ainda não iniciaram quanto após o encerramento
das Sessões

6 – Fumar antes dos trabalhos, principalmente nas Salas que antecedem o Templo, interfere com o recarregamento das “baterias psíquicas” dos Irmãos, pois é sabido que o ar é o principal veículo pelo qual esta vitalização se processa. Além disso, polui o ambiente, perturba a harmonização daqueles que estão presentes no recinto e que não fumam, além de expô-los ao risco real de contágio por moléstias respiratórias. Recorde-se, ainda, que parte essencial para vitalização e energização do Templo é uma defumação bem feita, com incensos e aromas agradáveis, o que é totalmente anverso à prática do tabagismo;

7 – Abster-se de qualquer tipo de discussão polêmica nas Salas que antecedem o Templo, principalmente, aquelas relacionadas com política partidária ou religião, ou mesmo comentários ou piadinhas relacionadas a esses assuntos ou outros que possam criar desarmonia ou retirar a concentração daqueles que buscam a espiritualização prévia. Não esquecer jamais que tais comentários podem ferir outros Irmãos de opiniões diversas, destruindo assim a União dos Diferentes que é um dos grandes objetivos da Maçonaria. A partir do momento em que somente de uma determinada raça, religião ou ideologia política existirem em uma Loja, esta, automaticamente, deixará de ser uma Loja Maçônica, eis que afeta a Universalidade de nossa Instituição;

8 – Um carinhoso cumprimento, composto por um sorriso bem-humorado e afetuoso e um abraço fraterno, seguido de votos de satisfação por reencontrar cada um dos presentes, estreitam os laços de união uns com os outros e dão força à constituição da fraternidade, indispensável para o início dos trabalhos no plano espiritual ou psíquico, que é onde ocorre o verdadeiro trabalho maçônico em Loja. Lembre-se que é no calor dos braços de uma pessoa amada, que se encontra a paz, conforto e união. O abraço fraterno verdadeiro, neste contexto, é a acolhida mais emblemática que um Irmão pode dar ao outro, por acolhê-lo peito com peito;

9 – Importante, também, é que os Irmãos que cumpram cargos administrativos e/ou ritualísticos (tais como, Venerável Mestre e Vigilantes, Orador, Secretario, Chanceler, Mestre Banquetes, Tesoureiro, Mestre de Harmonia, Bibliotecário, Arquiteto e Mestre de Cerimônias) cheguem com antecedência mínima de 1 (uma) hora, a fim de que possam dar as devidas providências na organização de suas funções, discutindo assuntos concernentes à melhores práticas de gestão e estímulo aos demais obreiros, evitando movimentações e interrupções desnecessárias dentro do Templo;

10 – Quanto aos demais Obreiros (sejam do quadro ou valorosos visitantes), é importante que cheguem ao Templo com NO MÍNIMO, 30 (trinta) minutos de antecedência à reunião, a fim de que possam procurar os Irmãos Tesoureiro, Chanceler, Hospitaleiro e Secretário para fazerem as comunicações de estilo, bem como ao Venerável Mestre para expor assuntos importantes e que possam ser fruto de discussão em Ordem do Dia. Lembre-se que os assuntos da Ordem do Dia devem ser expostos previamente ao Venerável Mestre, pois é ele quem decidirá se a matéria poderá ser discutida naquela sessão ou se será designada nova data mais conveniente, repassando tal propositura ao Irmão Secretário. Ademais, por questão de respeito e decoro maçônico, os visitantes – que apesar de serem imprescindíveis ao bom êxito dos trabalhos de uma Oficina – devem, ao chegar à Loja, dirigirem-se diretamente ao Chanceler, Orador e Venerável Mestre para se apresentar e realizar os procedimentos de reconhecimento, de estilo;

11 – Lado outro, é fundamental que o Venerável Mestre, Vigilantes e Dignidades (Tesoureiro, Secretário, e Orador), no decorrer da semana, tenham se comunicado para organizar o funcionamento regular dos trabalhos, elaborando a Ordem do Dia, Expediente e resolvendo pequenos problemas administrativos da Loja, buscando agilizar o andamento destes assuntos a fim de que haja tempo suficiente para apresentação de Peças de Arquitetura, a respeito do simbolismo, ritualística, história e filosofia maçônica, além de Instruções aos Aprendizes e Companheiros. Essencial, também, que haja uma preparação prévia daqueles que irão apresentar peças de arquitetura ou outros estudos em Loja, se inscrevendo, antecipadamente, para que o Venerável possa distribuir, com eficiência e zelo, tudo que é essencial ao sucesso dos trabalhos.

12 – Exceto em caso de emergências profissionais e/ou pessoais, regular e previamente comunicada ao Venerável Mestre, nenhum Irmão deve manter acionado equipamentos eletrônicos que possam vir a ser motivo de interrupção da harmonia dos trabalhos, desligando-os – ou mantendo-os no modo silencioso – quando, ainda, nas Salas que antecedem os trabalhos. Os poucos minutos que o obreiro oferece à Maçonaria e ao Grande Arquiteto do Universo durante as sessões devem ser plenos, verdadeiros, puros e intensos, sendo que os equipamentos eletrônicos atuais retiram, de cada um de nós – e muitas vezes daqueles que estão ao nosso lado – a concentração e sinergia essencial para circulação das energias positivas.

Todos os procedimentos acima, além de vários outros que podem vir a ser aplicados por cada Loja ou Irmão, favorecem sensivelmente, a formação da egrégora, pois facilitam a circulação dos pensamentos positivos e dos bons fluídos, sendo estes imprescindíveis para o efetivo sucesso da sessão, Por isso é importante a preparação espiritual individual prévia, bem como estimule a que cada um dos demais Irmãos de sua Oficina a praticá-los, para que uns somem-se aos demais, interajam entre si, principalmente com aquele que estiver ao lado, buscando potencializar as poderosas energias positivas emanadas por cada obreiro.

Pontue-se que interagir com o Irmão ao lado deve ser feito no plano energético e espiritual, não devendo se traduzir ou possibilitar conversas e/ou diálogos paralelos e inúteis aos trabalhos em Loja.
Notem-se, por fim, que não é na oratória, na leitura ou na escrita que encontramos as verdades; elas nos vêm através da Reflexão, da Meditação, da Introspecção – buscando o Desenvolvimento Pessoal – pois são os únicos veículos capazes de nos proporcionar a Iluminação.

Meus Irmãos, após tecer estes singelos comentários, necessário seria que cada um de nós refletíssemos profundamente sobre nossas atitudes e gestos, visando aprimorá-los para o engrandecimento de nossas Sessões, as quais são consagradas a maior glória do G… A… D… U…. Fraterno beijo no coração de todos e de cada um.

Revisão e ampliação: Ir∴ Lucas Vieira Carvalho
ARLS Luz Fraternal, nº 248 Oriente de Luz • GLMMG/CMSB

Sobre o Autor

ARLS Luzes da Prata, nº 110 Oriente de Lagoa da Prata • GOMG/COMAB

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.