Se perguntarmos a um profano o significado de tal expressão, poderemos receber a seguinte resposta: “E uma expressão estranha, a primeira vista sem significado, mas refletindo melhor, parece ser um local onde se caminha sem chegar a lugar algum”.

Isto nos faz crer que os fundadores do parlamento inglês, em 1296, foram felizes em escolher o nome da sala de espera, onde as pessoas aguardavam uma entrevista com os parlamentares, pois ali as mesmas circulavam sem rumo definido, sem destino exato, daí a denominação “Passos Perdidos”, ou seja, que leva a lugar nenhum.

Em 1776, a grande Loja de Londres inaugurou o primeiro templo maçônico e buscou no parlamento inglês a forma e até o nome da sala que antecede o átrio, como curiosidade também a mesa dos oficiais, a grande cadeira do V.’. M.’. e o lugar dos IIr.’. nas colunas tem a mesma origem, lembrando que o parlamento inglês é cerca de 500 anos mais antigo que o primeiro templo maçônico. Já no campo simbólico podemos concluir que, fora da disciplina maçônica, todos os passos são perdidos.

Mackey diz: o sentido desta denominação se origina no fato de que todo passo realizado antes do ingresso na maçonaria, ou que não respeite suas leis, deve ser considerado simbolicamente como perdido.

Nas lojas Maçônicas do Brasil como as de Paris, da Hungria e da Áustria, é assim denominada a ante-sala do Templo. Na Alemanha a expressão é completamente desconhecida, para concluir, no rito Schroder, em particular e na Alemanha, usa-se a expressão, “Ante-sala do Templo”.
Enfim a “Sala dos Passos Perdidos”, é o local onde a irmandade se reúne sem maiores preocupações, destinado a receber os visitantes, onde as pessoas possam andar livremente, como se fosse uma sala de espera, onde nos cumprimentamos brincamos, tratamos de negócios, assinamos o livro de presenças o tesoureiro faz as cobranças, enfim um local de socialização, o M.’. de Cer.’. distribui os colares e começa a preparação para o ingresso no templo, forma-se o ambiente adequado e que conduza a um bem-estar, um refugio, aonde os amigos irão se abraçar e uma vez devidamente paramentados são convidados pelo M.’. de Cer.’. a ingressarem no Átrio.

O Átrio

Designa genericamente os três grandes recintos do templo de Salomão, o primeiro era o átrio dos gentios, onde era permitida a entrada de qualquer um que fosse orar, o segundo era o átrio de Israel, onde somente os hebreus podiam penetrar, (depois de haverem sido purificados) e o terceiro era o átrio dos sacerdotes, onde se erguia o local dos holocaustos e os sacerdotes exerciam seus mistérios.

2 Responses

  1. Rui Jung Neto

    Caros Irmãos, lamento constatar que o meu trabalho “A Sala dos Passos Perdidos”, escrito e apresentado pela primeira vez em Loja em 1995, depois publicado no boletim da GLMERGS e em muitos sítios maçônicos brasileiros, foi “inserido sem qualquer referência” no trabalho com o mesmo nome publicado no nr. 14 desta conceituada revista. Do original, somente os dois últimos parágrafos não são de minha autoria. Sei que a revista não tem responsabilidade sobre tal “descuido”, mas não posso deixar de registrá-lo com pesar.

    Com o Cordial Aperto de Mão do Ir. Rui Jung Neto,
    “Aprendendo, ensinarás. Ensinando, aprenderás.”
    Ex-V.M. da Cinq. Ben. A.R.L.S. “Concordia et Humanitas” Nr. 56 – ao Or. de Porto Alegre – RS
    Fundada em 24/06/1958 – Rito Schröder – M.R.G.L.M.E.R.G.S.
    Visite o site da Loja: http://www.concordia56.org

    Responder

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.