“A maçonaria retira bons homens da sociedade 
e os transforma em melhores ainda.”
(Autor desconhecido)

O me lembrar de todos os passos de minha Iniciação, um, em especial, tocou mais minhas emoções – a alegria de ter cruzado a ponte.

Lembro-me, precisamente, que após anos de busca e espera, havia chegado o grande dia. Dentro de mim, tudo indicava que eu estava pronto e certo.

Porém, quando meu ilustre padrinho chegou e olhando calmamente disse: “olhe bem para sua casa, voltará outra pessoa para sua família, pois hoje tomará uma decisão que mudará o resto de sua vida”, fui tomado por um sentimento diferente, onde, apesar de toda minha euforia e contentamento, passei a sentir o peso da responsabilidade que eu estava prestes a conhecer e receber.
Quando cheguei e avistei a nossa Augusta Loja, percebi que apesar do quanto tivesse buscado isso tudo e me preparado espiritualmente para esse momento, realmente não sabia o que me aguardava.

Diante disso, vários sentimentos invadiram minha mente, além da alegria – orgulho, satisfação, nobreza, paixão, dúvidas, entre muitos outros.

Vendado, senti-me perdido, mas não enfraquecido, senti-me angustiado, mas não entristecido, ao contrário, a alegria de estar ali, de estar dando início à travessia da ponte de minha vida profana para a maçônica era um sentimento insuperável. Uma rocha forte, uma rocha intacta, era esse o sentimento de felicidade que brotava de mim, a cada degrau guiado, a cada sussurro e a cada batida de portas que ouvia.

Quando fui colocado em um local escuro, hoje reconhecido por Câmara de Reflexões, cheio de objetos, inscrições sugestivas e um crânio humano, tendo apenas um questionário e um testamento a ser preenchido em minhas mãos, me fortaleci e, agarrado em minha alegria, pensei: “farei tudo o melhor possível, pois é esse meu caminho, essa é a minha ponte!”
Ouvindo as pancadas na porta e meu nome sendo pronunciado para que tivesse permissão de entrar, prevaleceu a certeza absoluta de que, a partir daquele momento, entrava em contato direto com o conhecimento de um mundo novo, porém, antigo e eterno, o qual sempre persegui em meus sonhos, estudos e ideais.

Novamente, mentalizei uma ponte a ser cruzada…
Senti a recompensa por anos de busca e mentalmente agradeci por poder estar atravessando aquela ponte da Iniciação, por poder transpor de um mundo para outro e lá, desfrutar desse esplendor.
Entendi, em uma fração de segundos, que minha Iniciação fora, como o próprio nome diz, apenas o início, uma ponte de entrada para um mundo imortal.
Imortal, posto que honra, cultura, saber, atitude e nome, sempre ficarão marcados na história desse mundo, mesmo depois que o corpo desses homens escolhidos sucumbirem.
Cruzando a ponte da iniciação sofri uma transformação espiritual capaz de gerar em mim modificações profundas.

A partir desse momento, passei a entender vários aspectos:
Entendo o que meu padrinho disse, defronte à minha casa, à medida que dedicando-me aos mistérios de nossa Arte Real e absorvendo os ensinamentos de meus IIrs∴, concluirei a jornada rumo a um universo de estudos e autolapidação.

Entendo que, apesar de ser jovem A∴M∴, já me considero apto a deixar caminhos fortalecidos para a Humanidade, a fim de que a ponte esteja sempre fortalecida aos outros que virão, uma vez que, isso também, é um dever do bom Maçom, juntamente com a dedicação à Família e à Pátria.
Compreendo a figura do IIr∴ Terrível e de como ele fez eu observar meu próprio túmulo; fez-me entender que morri do lado profano da ponte da Iniciação para, depois, nascer ao conhecimento e à construção do lado maçônico.

Idealizei meu sonho, pois agora faço parte dessa Sublime Ordem, não por vaidade, a qual também já sei o significado e quanto nós, Maçons, abolimos a sua existência, mas, sim, por saber que posso construir um Templo, construir o meu Templo e deixar uma Luz quando minha existência terrena se encerrar.
Falando em Luz, como me alegrou ter visto aquela luz.

Achei naquele momento que minha transposição da ponte da Iniciação havia terminado.
Hoje, fortalecido pelos ensinamentos já recebidos e pelo convívio entre Irmãos, entendo que, ao cruzar a ponte e chegar no lado maçônico, consegui transpor dois mundos.
E agora, realmente, se inicia minha Cruzada.

Poderei receber a Luz e deixá-la mais fortalecida aos Irmãos que ainda virão, agindo com meus esforços, dedicação, estudos e, acima de tudo, com minha alegria.
A Maçonaria é minha grande Cruzada Espiritual e Filosófica, onde, através de seu alicerce maior da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, poderei libertar-me da ignorância; proclamar a igualdade real entre os homens e não aquela fictícia e desigual existente no artigo 5º da Constituição profana de meu país, e mais que isso, desenvolver a fraternidade, deixando um mundo melhor aos Irmãos que virão e aos nossos semelhantes.

Enfim, cruzei a ponte da Iniciação, aqui estou meus IIrs∴, em Pé e à Ordem, com os olhos lacrimejados, não de tristeza, nunca, mas de alegria, por saber que ainda sou pequeno, apenas com 03 anos de idade, mas que certamente crescerei espiritualmente a cada ensinamento decifrado.
Enfim, cruzei a ponte da Iniciação, e do lado maçônico de meu novo mundo recebi um Avental, um Ritual e pares de luvas brancas, certo de que esses objetos são os utensílios necessários para me acompanhar em minha jornada na busca do crescimento espiritual.
Enfim, cruzei a ponte da Iniciação.

Sou Pedra Bruta, pois para crescer e me lapidar, terei que iniciar a jornada. Nunca sozinho, e, sim, entre Irmãos, aprendendo com todos, sem raça, nem cor, nem credo, nem títulos, posto que tudo isso ficou do lado profano da ponte.

Mas sei que renasci e agradeço por este renascimento.
Agradeço, primeiramente, ao G∴A∴D∴U∴.
Agradeço, especialmente, do fundo do meu coração, ao meu Pai e Mestre Hélio Rizzo, um maçom sem avental, pois sempre me preparou para a vida com os mesmos valores e preceitos da Ordem Maçônica, incutindo em mim honra, moral e amor à família para que, quando chegada a hora de cruzar a ponte, eu estivesse pronto.

Finalmente, agradeço ao meu padrinho pelo carinho com que conduziu minha mão até o início da ponte e a todos os meus IIrs∴, por me darem a oportunidade de participar de tão Venerável Ordem.
Por 03 vezes, obrigado, agora posso dizer, enfim cruzei a ponte…

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.