Faz oito anos que o autor deste artigo prepara dois livros, que aguarda publicar brevemente: A Revolução Francesa e a Maçonaria  e Napoleão Bonaparte e a Maçonaria. Durante a pesquisa realizada para a elaboração desses livros, foram encontradas inúmeras opiniões contraditórias a respeito da participação de Napoleão na Maçonaria. Este sucinto artigo não permite discutir as influências recíprocas que existiram entre o Imperador e a Sublime Ordem, restando apenas espaço para afirmar que Napoleão foi iniciado na Maçonaria e provar tal fato, com alguns documentos.

Durante o início das pesquisas relacionadas a Napoleão e à Maçonaria, a suposição de que ele teria sido maçom foi corroborada pelos seguintes fatos: seu pai, Charles-Marie Bonaparte foi maçom e sua primeira esposa, a Imperatriz Josefina de Beauharnais foi Grã-Mestra da Loja de Adoção Feminina Santa Carolina.

Quanto aos seus irmãos carnais: Joseph Bonaparte foi eleito em 1804, Grão-Mestre do Grande Oriente da França;
Jérôme Bonaparte foi eleito em 1801, Grão-Mestre da Grande Loja Mãe da Westfália;

Louis Bonaparte foi Grão-Mestre Adjunto do Grande Oriente da França, entre 1803 e 1806, quando foi substituído pelo Arquichanceler Jean-Jacques Régis Cambacérès, Duque de Parma.

Caroline Bonaparte exerceu o cargo de Grã-Mestra da Maçonaria de Adoção Feminina no Reino das Duas Sicílias.

Dois ministros importantes de Napoleão foram maçons: Joseph Fouché (Ministro da Polícia) e Charles Maurice de Talleyrand-Perigord (Ministro dos Assuntos Estrangeiros). O Arquichanceler do Império, Jean-Jacques Régis Cambacérès, conforme mencionado acima, foi Grão-Mestre Adjunto do Grande Oriente da França e de fato, o seu principal dirigente.

Vinte e seis marechais do Império foram maçons:
Joachim Murat, Michel Ney, Louis-Nicolas Davout, Nicolas Charles Oudinot, André Massena, Jean Lannes, François Kellermann, Emmanuel, comte de Grouchy, Auguste Fréderic Louis Viesse de Marmont, Jean Baptiste Bernadotte, Pierre François Charles Augereau, Louis Alexandre Berthier, Jean-Baptiste Bessieres, Guillaume Marie Anne Brune, François Joseph Lefebvre, Etienne-Jacques-Joseph-Alexandre Mac Donald, Adrien Janot de Moncey, Édouard Mortier, Dominique-Catherine Perignon, Josef Antoni Poniatowski, Jean-Matthieu-Philibert Serurier, Jean de Dieu Soult, Louis-Gabriel Suchet e Claude Victor Perrin.

Seria estranho que com todos estes maçons ao seu lado, Napoleão não teria sido iniciado na Maçonaria. Pela falta de espaço disponível, vamos mostrar aqui apenas alguns documentos históricos que nos levam à conclusão de que Napoleão foi maçom. Primeiramente, num quadro da Loja Maçônica Bonaparte, datado de 1810, que Napoleão é representado no lado esquerdo da pintura e está utilizando um colar maçônico. O fato de ter a loja seu nome: Loge Bonaparte não é uma exceção, havia várias lojas na França, com o nome de Napoleão: Saint-Napoléon, Napoléon, Bonaparte e poderia apenas ser um indício dele ser maçom, mas também poderia ser interpretado como uma homenagem ao protetor da maçonaria francesa. O que ajuda a pensar em Napoleão como maçom é o colar da Ordem que ele está utilizando. Caso não fosse maçom seria representado com este colar? Acreditamos que não. Nem a Maçonaria o representaria indevidamente como maçom, nem ele aceitaria ser representado com um traje que não lhe dizia respeito.

Existe uma carta datada de 3 de março de 1804, de Roëttiers de Montaleau, o reorganizador do Grande Oriente da França após a Revolução Francesa, na qual ele se dirige ao Marechal André Massena (iniciado na Ordem ainda na época de Luiz XVI) pedindo o apoio deste para que Bonaparte aceite ser Grão-Mestre do Grande Oriente da França. Napoleão não aceitou (preferiu ser denominado Protetor da Maçonaria), mas indicou seus familiares e amigos para os altos postos da Ordem. De qualquer forma, Napoleão indiretamente mandava e estava a par do que acontecia no Grande Oriente. A seguir, vamos ver trecho de outra carta de Roëttiers de Montaleau endereçada a Massena, na qual demonstra a necessidade da aprovação de Napoleão para os altos cargos maçônicos. Esta carta é de 5 de novembro de 1804:

Resta-nos formar o desejo de receber, em breve, a aceitação de dois príncipes queridos dos franceses e do Irmão Marechal Murat, todos os três subordinados à aprovação do Imperador, que nós aguardamos com uma respeitosa confiança.

É claro que neste caso Napoleão aceitou o pedido do G.O.F. e o príncipe Joseph Bonaparte ficou como Grão-Mestre, o príncipe Louis Bonaparte como Grão-Mestre Adjunto e o Marechal Joachim Murat como Primeiro Grande Vigilante do Grande Oriente da França.

Logo depois destes fatos, temos um documento de 1805 que menciona Napoleão como: “membro do nosso Rito, desejaria a reunião destes dois Ritos num só Corpo Maçônico”. Este documento é citado no “La Renaissance Française (Julho de 1913), num artigo de M. Benjamin Fabre, denominadoFranciscus, Eques a Capite Galeato, no qual cita uma carta, enviada em 1805, por Pyron a seu irmão Francisco na qual consta este trecho: … Sa Majesté l’Empereur et Roy, membre de notre Rit, désira la réunion de ces deux Rites en um seul corps Maçonnique.

Existe uma publicação maçônica denominada Miroir de la Vérité, que em 1806, no seu volume II, na página 55, traz um artigo do Irmão Abraham denominado Des LL∴D’Adoption, do qual traduzimos um trecho que reproduzimos a seguir: …quando a augusta Ordem se enche de orgulho ao contar entre seus membros o Pacificador da Europa, o imortal Irmão Bonaparte, o conquistador do Reno, …

Este documento não deixa margens a dúvidas e apesar de estar datado de 1806 é de uma época anterior, de 1801, durante a Paz de Amiens, quando Napoleão não era ainda Imperador e não havia conquistado ainda suas outras grandes vitórias militares.

Nesta mesma publicação (Miroir de la Vérité), na página 89, encontramos informações sobre a Festa da Paz Geral, celebrada pela Respeitável Loja das Artes Reunidas, no Oriente de Dijon, em 8 de novembro de 1801.

Neste documento consta que havia uma dedicatória no templo na qual constava: à la Paix, à Buonaparte, à Moreau, … e a seguir … Após ter se dado um momento pela alegria inspirada pela benvinda presença destes muito queridos Irmãos, completo silêncio reinou pelas Colunas, e o Venerável Mestre improvisou um discurso no qual ele pintou com o maior vigor as preciosas vantagens da Paz e exaltou as inestimáveis realizações desses heróis aos quais nós somos gratos por isso. Aqui se percebe que estavam na Loja, Napoleão e Moreau: a festa, a dedicatória era para os dois (havia a presença destes muito queridos Irmãos).

Na revista Freemasons Magazine, de 13 de dezembro de 1862, o Irmão Charles Purton Cooper menciona um brinde ocorrido em Milão, na La Loja Real Josefina, na Festa de São João de 1807:
A Napoleone il Grande, Frate, Imperadore e Re,Protettore.
A Napoleão o Grande, Irmão, Imperador e Rei, Protetor (da Ordem).

A seguir, vamos apresentar a tradução feita de um canto realizado em 10 de abril de 1801, na Loja Perfeita União, localizada na cidade de Douai (França) :
Entre os filhos da Luz,
Bonaparte foi escolhido sozinho,
E para pacificar a terra,
Um só Irmão Maçom foi suficiente.

Neste artigo apresentamos apenas uma pequena amostra das provas de que Napoleão foi maçom, infelizmente não existem documentos que relatam onde e quando ele foi iniciado. Para alguns teria recebido a luz maçônica na Córsega (sem data); para outros em Valletta (Malta) em 1798; no Cairo, no Egito, durante sua campanha militar; na Itália ou na França. Quem sabe algum dia surgirá algum documento que esclarecerá o local e a data da sua iniciação, assim como da elevação e exaltação. O que se sabe com certeza é de que sua iniciação foi realizada antes dele se tornar imperador.

Para finalizar, apenas para se perceber a importância que a época napoleônica teve para a Maçonaria na França, basta recordar que em 1800 existiam na França apenas 75 Lojas ativas,que durante o período do governo de Napoleão existiam  mais de 1.200 Lojas e após o término do Império aproximadamente 300 Lojas.

Bibliografia

– CHEVALLIER, Pierre – La Maçonnerie, missionnaire du liberalism (1800 – 1877) – A. Fayardm Oarusm 1974;
– COLLAVERI, François – Napoléon Empereur fanc-maçon – Éditions Tailandier, Paris, 2003;
– LIGOU, Daniel (org.) – Dictionnaire Universel de la Franc-Maçonnerie – éd. De Navarre, Paris, 1974;
– MOLLIER, Pierre – La franc-maçonnerie sous l’Empire – Éditions Dervy, Paris, 2007.

Deixar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado.