A expressão “enéade” nos remete em primeiro plano, ao conjunto dos nove deuses egípcios: Rá o deus-Sol, Chu o deus-Ar, Tefnut a deusa-Água, Geb o deus-Terra, Nut a deusa-Céu, Osíris deus da ordem, Ísis a deusa do amor, Set deus da guerra e Néftis deusa do louvor. A lenda da criação do Egito é a primeira parte da “Lenda de Osíris, Ísis e Órus”, descrita na presente coletânea.
Na Maçonaria, a enéade egípcia é um dos estudos que fazemos na numerologia quando estudamos o novenário (número nove), porque a lenda da criação egípcia traz semelhança entre outras, com a criação do mundo descrita no Gênesis e com a lenda da criação grega.

Há ainda no nosso estudo do número nove, outros enfoques trais como os nove grandes iniciados, o nonaedro e o eneagrama.
A enéade que apresentamos a seguir, que também é estudada na numerologia do Grau de Mestre, é o “tríplice ternário” (três vezes três) que entre outras, é descrita pelo Irmão Boanerges B. Castro do seu livro “Simbolismos dos números na Maçonaria” com o título de “A prancha do Mestre com a enéade, ou O tríplice ternário: ideia, vontade e ato versus sujeito, verbo e objeto”.

Para entendermos o tema, que é voltado para a administração da Loja, precisamos recorrer às funções do Secretário da Loja, que não se limita a redigir e ler os Balaústre e o expediente. A verdadeira função esotérica e filosófica do Secretário é “ser o encarregado do traçado que assegura a continuidade da Obra”, traduzindo, o Secretário é o responsável por depurar, divulgar e acompanhar o Planejamento da Loja, que é a continuidade da obra. Para melhor entendimento podemos definir as expressões como sendo:
Traçado ou Prancha do Mestre = O planejamento da gestão da Loja;
Mestre = O Venerável Mestre e a equipe gestora da Loja;
Continuidade da Obra = A continuidade das ações da Loja no decorrer das sucessivas gestões que se renovam periodicamente (normalmente a cada ano).

Por outro lado, devemos entender que não é o Secretário o único responsável pela Continuidade da Obra. Para gerar bons resultados, um bom Planejamento precisa ser elaborado e executado por toda a equipe de Obreiros de forma participativa e conciliada, encabeçada pelo Venerável Mestre e equipe administrativa da Loja, cabendo ao Secretário, no entanto, o importante papel de relator e divulgador tanto do projeto, quanto do seu acompanhamento e resultados.

“A Prancha do Mestre é como uma caixa de ferramentas onde o Venerável Mestre coloca todas as suas ferramentas de Trabalho que aprendeu a usar nos três Graus em que passou.”

Esse Traçado (Prancha do Mestre) é simbolicamente representado pela figura de um quadrado subdividido em nove quadrados e numerados de um a nove que verticalmente representam os três Graus Simbólicos e horizontalmente as etapas evolutivas de cada Grau. As etapas evolutivas do Aprendiz são teóricas, representadas pelas expressões: sujeito, verbo e objeto, enquanto que as etapas do Mestre, são completamente objetivas e práticas, e dirigidas para gerar resultados efetivos, sendo representadas pelas expressões Ideia, Vontade e Ato ou Pensamento, Desejo e Obra. Daí, vemos a importância simbólica do Nove no Grau de Mestre.

Na prática, o Traçado ou Prancha do Mestre deve ser entendido como o celeiro de boas ideias, atitudes e trabalhos propriamente dito (ideias, vontade e atos) que o Mestre Ativo oferece para a Loja em prol da Construção do Templo Interior dos Obreiros e do Templo Social (obra beneficente).

A “Prancha do Mestre” é como uma caixa de ferramentas onde o Venerável Mestre coloca todas as suas ferramentas de Trabalho que aprendeu a usar nos três Graus em que passou: Maço, Cinzel, Régua, Alavanca, Lápis, Cordel, Compasso, etc. Cada uma dessas ferramentas possui características virtuosas específicas e que ao final, geram importantes frutos para os objetivos da Loja nos trabalhos sociais (beneficência), evolução dos Obreiros e grande satisfação para quem as executam (satisfação dos Obreiros).
A Enéade, ou Tríplice Ternário, deve também ser entendida como um conjunto de nove elementos virtuosos e integrados que geram resultados Perfeitos, porque a Enéade, representa a totalidade das forças, a plenitude, a luz divina, que ilumina todo pensamento, desejo e obra, assim como as nove divindades da mitologia egípcia (enéade egípcia). O homem novenário, pelo triplo do ternário, alcança o estágio da união do absoluto com o relativo, do abstrato com o concreto, da palavra (sujeito, verbo e objeto) com os resultados efetivos (Ideia, Vontade e Ato ou Pensamento, Desejo e Obra).

O Mestre novenário, conhece e alcança através da ação beneficente o princípio da Luz Divina que ilumina todo o pensamento, desejo e obra. Passa a buscar a verdade absoluta; persegue a busca da perfeição, em outras palavras, procura e encontra, a “Palavra Perdida”.

O “Tríplice Ternário” é melhor compreendido com a visualização da figura acima. Note que ali aparecem claramente a numerologia estudada em cada Grau Simbólico. Observe também que o verdadeiro número do Mestre é o nove que representa o final da carreira evolutiva, a plenitude, o fim da série dos algarismos primários (de Um ao Nove), exceto o zero, que representa o vazio e não era conhecido na antiguidade. A partir do número Dez, entramos em uma nova série de números, um novo ciclo que passam a simbolizar mais especificamente a espiritualidade.

A série dos números estudados pelo Mestre não acaba no Nove conforme apresentado no Traçado, porque, cabe ao Mestre, na qualidade de ter seu pensamento iluminado e de ter alcançado a perfeição, estudar toda a numerologia na sua forma mais completa, assim como todas as ciências do conhecimento humano representado simbolicamente pelo estudo até o Número Doze.

O Aprendiz estuda os Números Um, Dois e Três e ao final de seu tempo, evolui como sujeito para entender a obra da transformação.
O Companheiro, estuda os Números Quatro, Cinco e Seis e ao final do seu tempo, Tem o sujeito e o objeto dominado e toma consciência de quem é.

O Mestre Maçom, estuda os Números Sete e Oito e alcança a Plenitude com o estudo e a compreensão do Número Nove. Ao atingir esta etapa, passa a explorar a relação entre:
Ao alcançar a Perfeição, o Mestre não para de caminhar em sua evolução, estudando, entendendo e praticando sempre mais e mais, estudando todos os Números a partir do Dez e de todas as ciências conhecidas.